Vínculo matrimonial e construção de um relacionamento feliz

image_printImprimir

Os propósitos de Deus na criação do homem e da mulher e os princípios para um casamento feliz e duradouro à luz das Escrituras

Vínculo matrimonial e construção de um relacionamento felizNa criação, o homem foi a única criatura de Deus que vivia só no jardim do Éden. Todos os animais tinham suas companheiras, ou seja: macho e fêmea. Contudo, o homem foi feito imagem de Deus (Gênesis 1.26) e recebeu alma eterna (Gênesis 2.7). Por que não outro homem para servir-lhe de companhia? Porque outro homem não supriria suas necessidades emocionais e espirituais. Quando Deus formou a mulher, a proveu de todos os atributos para que ambos completassem um ao outro.

O plano de Deus

Porque Deus não formou a Eva também do pó da terra? Deus queria proporcionar uma relação mais íntima entre ambos: de uma de suas costelas a formou. Ao se unirem um homem e uma mulher em matrimônio, se tornam uma só carne (Gênesis 2.24). Isso significa algo mais íntimo que pais e filhos: “Deixará sei pai e sua mãe e se unirá a sua mulher”. Aqui, fala de unidade de vidas, propósitos e comunhão. De acordo ao que ratificou Jesus em Mateus 19.5, 6, o casamento é um acordo, um pacto entre um homem e uma mulher. Uma união indissolúvel, “até que a morte os separe”. O casamento não chegará a ser sacramento, mas é uma instituição divina.

O propósito do casamento é que um se complete no outro. Quando Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só” e lhe trouxe uma mulher como companheira, então disse Adão: “Esta é osso dos meus ossos e carne da minha carne”. Para que haja felicidade no casamento, é necessário que haja cooperação no sentido de que as diferenças mentais, espirituais, emocionais e físicas se unam em um relacionamento harmonioso. Além do mais, Deus planejou o casamento com três propósitos: 1) companheirismo, 2) procriação de filhos e 3) a formação de um lar a fim de que os filhos possam ser nutridos e educados.

Companheirismo é mais do que viver debaixo do mesmo teto. A palavra significa “aquela que completa sua vida”; ou seja, é uma infusão de duas pessoas em uma unidade harmônica e criativa de alma e corpo. Casamento é sociedade de sócios iguais em valores e que devem complementar um ao outro.

“Frutificai e multiplicai-vos e enchei a terra” (Gênesis 9.1). Deus tem dado ao homem o poder da procriação. Os filhos são a complementação do gozo e a satisfação do casamento. Isto não quer dizer que casais sem filhos não sejam felizes, além do mais, Deus sabe todas as coisas. Há muitos casais que não puderam ter filhos e vivem felizes. Ao planejarmos a família, temos também que considerar tudo o que implica na formação da mesma. Temos, como pais, o sagrado dever de prover alimento, roupa, educação, etc.

Considerando que a família é o fator mais importante na formação do caráter de uma pessoa, deve constituir o refúgio para que seus membros se preparem para ingressarem na sociedade e servirem a Deus e a seus semelhantes. A educação de nossos filhos não está em nossas escolas. É dentro do núcleo familiar que se aprende a enfrentar a vida

A família é também para o adulto. Já dissemos que no princípio quando Deus criou o homem, para todos os animais havia companhia, porém, diz a Bíblia, que para Adão “não se achava ajudadora idônea” (Gênesis 2.10). Logo, temos a história maravilhosa da provisão que Deus fez, tomando uma das costelas de Adão e formou Eva e a trouxe ele (Gênesis 2.20-22), ou seja: o homem por si só é incompleto. Por isso, o casamento tem que partir de dois princípios fundamentais:

1) A absoluta vontade de Deus – “Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma companheira [adjutora, amiga, que ajuda, que coopera etc.]” (Gênesis 2.18).

2)A escolha certa – “O que acha uma mulher, acha uma coisa boa e alcança o favor de Deus” (Provérbios 18.22). O casamento tem propósitos, estes propósitos não são apenas o relacionamento sexual, e sim também, como já dissemos anteriormente, que um se complete no outro, ou seja: a constituição de uma família ajustada.

Feliz é o momento em que duas pessoas se unem pelo vínculo do amor. Quando dois corações experimentam o mesmo sentimento e fazem que duas vontades e duas pessoas atuem em uma só. Realizam uma união espiritual a chegam à consumação de um pacto que se chama “o casamento”. Estando o casamento dentro da absoluta vontade de Deus, a escolha foi certa e com certeza se constituirá uma família bem ajustada.

A força do vínculo

O vínculo matrimonial é fortíssimo, de modo que “…serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Marcos 10.8, 9). O vínculo é realizado pelo próprio Deus, portanto só ele pode desfazer. Deus disse por Malaquias: “Eu fui testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade” (Malaquias 2.14). Quando um homem e uma mulher se casam, fazem um pacto, uma aliança, comprometem a sua vontade para viverem unidos até que a morte os separe. Deus os responsabiliza pela decisão.

Nossa sociedade exagera tanto no valor do amor romântico, e erótico e sentimental, que muitos, depois de se casarem, se decepcionam quando descobrem que o casamento não é uma contínua “lua de mel”. Um casamento feliz não surge do nada, por magia, como nos sonhos ou filmes românticos. É preciso dedicação e sabedoria, que se adquire com experiência e dependência de Deus; também caráter maduro, respeito e compreensão mútua. Nada disso se consegue facilmente, mas é plenamente possível para um casamento fundamentado na Palavra de Deus.

Devemos edificar com fé e estarmos atentos às dificuldades que surgem, pois problemas e dificuldades sempre existirão, somos humanos e falhamos, o que não podemos é ter reações inúteis diante dos problemas como fugir, isolar-se, irar-se, deprimir-se ou ter um ataque de nervos e dar-se por vencido ou vencida. Temos que entender e afirmar que todo problema, quando confiados e entregues nas mãos do Senhor, tem sim solução, pois Ele tem todo poder e sabedoria, e nos ama profundamente e quer que sejamos felizes.

Ao se casar o homem e a mulher iniciam uma nova etapa na vida, uma nova etapa em sua caminhada. Não podem deixar que nada e ninguém os atrapalhem, mas sigam adiante olhando para Jesus, autor e consumador da fé. Pois só assim conseguimos manter firme e inabalável a estrutura da família, o vínculo matrimonial.

Por, Antonio Nemer Bordin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »