Tratando câncer, irmã engravida com apenas 20% do útero

Médicos diziam que ambos morreriam e recomendavam aborto, mas Lilian Xavier confiou em Deus e viveu dois milagres

Tratando câncer, irmã engravida com apenas 20% do úteroA irmã Lilian Souza Xavier da Assembleia de Deus Missão em Rio Verde (GO), presidida pelo pastor Wellington Rocha em 2010, descobriu que estava com um câncer no colo do útero. Ela lembra que junto ao marido Libini Xavier, deixou a filha única, Libina, na época com 9 anos, chorando ao se despedir para buscar tratamento no Hospital de Câncer de Barretos (SP). “Foi muito doloroso me despedir da minha filha chorando, minha companheira, amiga até na obra de Deus, pois todos os trabalhos, visitas da igreja, ela sempre estava ao meu lado… Mas a principal lição que eu podia lhe dar era ser forte e fiel. Era isso que eu a ensinava, sempre dizendo que ser crente na alegria era muito fácil, precisávamos também ser fieis nas lutas. Naquele momento era hora de viver o que preguei”, recorda a irmã Lilian.

Chegando ao hospital, descobriu que o tumor tinha cinco centímetros e seria necessária uma longa e árdua jornada de tratamento pela frente. Quimioterapias, radioterapias, efeitos colaterais, a distância de mais de cinco horas de sua casa até o hospital em outro estado, problemas financeiros, sete hemorragias, uma delas por mais de 20 dias consecutivos… Por mais de dois anos esta serva de Deus andou no vale da sombra e da morte, mas não sozinha, ela faz questão de ressaltar:

“O Senhor esteve o tempo todo comigo. Ele levantou amigos, irmãos que tanto me ajudaram: minha igreja, o meu pastor Wellington e sua esposa Ângela do meu lado incondicionalmente, tiraram ofertas para me abençoar; o irmão Ângelo que me levou todas as vezes que precisei ir para o hospital; devido às sete hemorragias, nenhum remédio conseguia mudar aquele quadro e Deus usou a irmã Lucimar, que trabalha com shakes nutritivos e me deu um acompanhamento de nutrição que fez a anemia retroceder. Deus disse que iria prover tudo para mim e assim fez! Sou muito grata”.

E no meio de toda essa luta e dor, o Senhor começou a levantar pessoas e usá-las para dizer a Lilian que Ele não só a curaria, mas também iria colocar em seu ventre, um filho. O que era tratado como total fonte de doença e morte, Deus prometeu gerar vida!

“Mesmo nessa época do tratamento eu pregava, orava por pessoas e elas eram curadas, vidas salvas, uma mulher estéril teve filho com uma simples oração em Santa Helena de Goiás no Círculo de Oração onde eu pregava. E Jesus começou a usar vidas para me dizer mais uma vez: ‘Eu vou te honrar, te levarei a lugares que você nunca pensou ir, vou te curar e te dar um varão e o nome dele será Samuel porque como fui com Ana serei contigo!’ Eu guardava todas essas Palavras”, testemunha a irmã.

Mas tudo isso era apenas um preparo de Lilian para uma prova ainda maior, pois no caso do seu tumor se fez necessária uma cirurgia. Em agosto de 2012 ela foi realizada e a essa altura os médicos já tinham dito que iriam tirar todo o aparelho reprodutor, que não iriam deixar nada para que o câncer não voltasse em outro órgão. Esse era o plano dos médicos, mas como não era o de Deus, eles não conseguiram. Foram impedidos devido a uma forte hemorragia que ocorreu na hora do procedimento. Deus usa até o que apavora os homens, o que pode ser considerado por eles algo ruim, para cumprir os seus propósitos bons.

“Eu sabia que não foi possível porque o Senhor havia prometido que eu teria um filho. E quando Ele fala, Ele é fiel para cumprir Sua Palavra! Através daquela hemorragia, eles foram obrigados a tirar só o tumor. E eu fiquei só com 20% do meu útero. Comecei um tratamento depois da cirurgia e passados alguns meses o meu fluxo de sangue foi interrompido. Preocupada, liguei pro hospital e disse que eu não estava bem. Quando cheguei lá o médico disse: ‘Você está grávida’”, conta Lilian.

A notícia que normalmente é dada em tom de alegria, infelizmente foi seguida por palavras duras, corretas segundo o conhecimento humano, mas limitadas para o divino. Em tom de desaprovação o médico emendou: “Você não poderia engravidar nessa fase do seu tratamento. É impossível que seu filho sobreviva! Em todos os casos similares ao seu (de pessoas que engravidaram após essa cirurgia), o feto só sobrevive até os três meses porque não há espaço para ele crescer”.

Lembrando desse momento a imã Lilian se emociona: “Eu saí daquele hospital sabendo que eu teria esse bebê porque Deus tinha falado que meu filho ia viver! Algumas pessoas queriam que eu interrompesse a gravidez, porque judicialmente era permitido e recomendado pelos médicos já que há risco de morte para os dois. Mas eu optei por crer na Palavra do Senhor!”

Lilian conta que teve uma gravidez muito difícil e que o inimigo tentou até o último momento tirar o seu filho. “O meu bebê nasceu com oito meses e apenas um quilo e quatrocentos gramas. O leite que ele bebeu deu uma intoxicação e ele era muito fraco. Foi muita luta. Mas ele sobreviveu e eu também sobrevivi para ser um canal de vitória para você! Você que está vivendo uma luta e achando que não vai conseguir, que não vai dar certo. Eu digo irmão que você tem um Deus que faz o impossível acontecer e Ele é fiel!”, testifica nossa irmã. “Desde o nascimento do Samuel faço exames semestrais e não aparece nada. O câncer desapareceu! Já fiz este ano e não deu nada. Estou curada para a glória do Senhor!”, acrescenta.

Hoje, Samuel está com nove meses e essa família além de intensamente abençoada é também canal de bênção para muitas outras por onde passa.

Por, Mensageiro da Paz.

image_printImprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »