Santidade ao Senhor

Santidade ao SenhorEste é um tempo em que o gênero humano tornou-se extremamente corrompido em seus pensamentos, atitudes e palavras, num absoluto mergulho em seus maus caminhos. Um tempo de grande separação entre o homem e o seu Criador.

Deus está preparando o “cenário” como prenúncio da volta de Jesus, que irá ocorrer em um tempo de muita guerra espiritual, num grande embate de valores estando de um lado “o mundo” – tomado de uma insana busca pela satisfação dos desejos da carne; e do outro, uma Igreja despertada pelo Espírito Santo, que está desde agora provocando um intenso retorno a um real arrependimento, num chamado à verdadeira adoração e à santificação diante do Senhor.

O comportamento humano atingiu limites absurdos de extrema perversidade: intolerância, abusos de toda sorte e a Palavra de Deus sendo, não apenas desrespeitada, mas enfrentada com sarcasmo e toda sorte de malícia e mentirosas distorções.

O desprezo pelos preceitos bíblicos que nos ensinam a viver de maneira digna, debaixo das mais ricas bênçãos provenientes da comunhão com o Senhor. A Igreja do Senhor está diante de grandes dificuldades, pois conforme descrito em Mateus 24.12: “E por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”.

Neste cenário que se mostra tão desfavorável, Deus nos chama para o Reino do Seu Amor, num chamado a uma vida de santidade e verdadeira adoração ao amado da nossa alma: Jesus.

Na verdade este breve estudo é uma provocação a uma vida de dedicação integral ao Senhor, sem reservas, sem pecados escondidos, sem boca murmuradora e maledicente, sem olhos maliciosos, uma autêntica busca em agradar ao Senhor, mantendo o coração firmado na Palavra de Deus.

Temos que compreender que santificação não é um mero conceito religioso, mas uma sincera busca de purificação para chegar cada vez mais perto da presença do Senhor, pois verdadeiramente Santo é o Senhor Jesus e a busca por santidade não é um ato egoísta, mas um despertar de amor pela presença do Senhor que nos conduzirá cada vez mais próximos Dele.

A Palavra de Deus em Apocalipse 22.11 nos diz: “Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem esta sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, santifique-se ainda”.

Outra palavra que mostra esta condição humana está em Isaías 59.2a: “Mas as vossas iniquidades fazem divisão entre vós e Vosso Deus”. Esta passagem das Escrituras mostra a verdadeira situação onde os crentes estão inseridos, onde não há qualquer possibilidade de se viver de forma descompromissada diante deste mundo de tanto pecado.

A busca por santificação não é apenas uma opção para alguns crentes, mas sim, o objetivo de toda a Igreja que irá subir no dia do arrebatamento.

Ficar cada vez mais santo é estar liberto por Ele do pecado, e ser transformado na Sua Imagem, pelo próprio Espírito de Cristo, como podemos extrair de 2 Coríntios 3.7-8: “Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade. Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor”.

A vida de justiça e santidade que agrada a Deus deve ultrapassar, em muito, o mero conceito de fazer o certo e deixar de fazer o errado. O que agrada a Deus é quando Jesus manifesta em nossas vidas, conforme Hebreus 13.20-21: “Ora, o Deus de paz, que pelo sangue do pacto eterno tornou a trazer dentre os mortos a nosso Senhor Jesus, grande pastor das ovelhas, vos aperfeiçoe em toda boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em nós o que perante ele é agradável, por meio de Jesus Cristo”.

Pecados não confessados bloqueiam a resposta de Deus às nossas orações, transformam-se em barreiras que precisam ser derrubadas no poder do Espírito Santo. Neste sentido, temos que tomar medidas em direção à purificação, para então podermos nos aproximar do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Devemos sentir a necessidade de purificação e arrependimento profundos, como descrito em Isaías 1.16 onde diz: “Lavai-vos, purificai, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos: cessai de fazer o mal”. Na busca pela santidade, o salmista expressa o seu temor pelo Senhor em sua busca por uma vida de santificação, numa linda demonstração de necessidade de comunhão com o Senhor registrada no livro de Salmos 139.23 e 24: “Sonda-me, ó Deus e conhece o meu coração: prova-me e conhece os meus pensamentos. Vê se há em mim algum caminho mal, e guia-me pelo caminho eterno”.

Este deve ser o ponto onde devemos chegar. Após havermos feito uma profunda reflexão a respeito de nossos pensamentos e atitudes, porém conhecendo nossas limitações, devemos pedir a Deus que sonde o nosso coração e, sob Seus olhos, nos oriente naquilo que somos capazes de compreender e mudar.

Não devemos ter medo de pedir a Deus que faça em nós o que não podemos, mas em uma atitude de entrega e absoluta confiança, precisamos estabelecer uma aliança de obediência para uma vida de santidade perante a Sua santa presença.

Cabe lembrar que quando Deus apareceu pela segunda vez a Salomão e falou, em 2 Crônicas 7.14: “E se o meu povo que se chama pelo Meu Nome, se humilhar, e orar e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então Eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra”.

Certamente a atitude de humilhação, de oração, de sincera busca pela face do Senhor e de genuína conversão nos fará desejar, em santidade, não apenas as mãos abençoadas do Senhor, mas ter um coração que deseja ardentemente contemplar Sua face. Essa é a adoração genuína a quem merece toda a nossa devoção.

Infelizmente, algumas pessoas possuem um conceito distorcido do que venha a ser santidade na presença do Senhor. Falando e agindo como santarrões, reparando se os outros fazem ou deixam de fazer alguma coisa e acabam se tornando uma espécie de “donos da verdade”. Censurando os outros e procurando demonstrar uma “santidade” de aparência, procurando agradar os homens. Mas esquecem do diz o Salmo 139.1 e 2: “Senhor, tu me sondaste e me conheces; conheces o meu assentar e o meu levantar: de longe entendes os meus pensamentos”.

Santidade ao Senhor representa um “não!” ao ativismo religioso, de pessoas que fazem muitas coisas na igreja, mas que não sentem a genuína alegria da salvação pulsando em seu coração.

Viver em santidade, não é simplesmente realizar algo aparentemente importante na igreja, ou procurar agradar a Deus através de suas ações, nem tampouco intensificar os períodos de oração com a mera intenção de ser melhor do que seus semelhantes, mas sim ter o coração verdadeiramente quebrantado e se comportar como o apóstolo Paulo em Gálatas 2.10a: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim…”.

Que Deus aqueça o seu coração com estas palavras, despertando-o a uma busca por uma vida de santificação perante a Sua majestosa presença.

Por fim, temos que lembrar do que está escrito em Hebreus 12.14 “…sem santidade ninguém verá ao Senhor”.

Santo, santo, santo é o Senhor!

Por, Edson Alberto Ramos.

image_printImprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »