Quando os valores são invertidos

Quando os valores são invertidosUm dos assuntos mais comentados e pregados nos dias atuais tem sido a perda dos valores morais, éticos e espirituais. Nossa sociedade permissiva, pregoeira do relativismo moral, de fundamentos filosóficos contraditórios com a palavra de Deus, o resultado não poderia ser diferente: a rejeição ou inversão dos valores absolutos.

Os que postulam essa inversão de valores estão debaixo de um “ai” de maldição. A corrupção e a decadência dos valores morais tornaram-se tão gritantes que os homens não apenas se distanciam da verdade, mas tornaram a verdade em mentira e a mentira em verdade. Senão observe o texto: “Ai dos que ao mal chama bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e doce, por amargo” (Isaías 5.18-25; 1 Pedro 1.15).

Como consequência da inversão de valores o mundo está entrando na igreja, se é que já não esteja dentro de algumas. Na verdade a igreja não foi estabelecida para ficar de porta aberta para o mundo entrar nela, mas sim porta aberta para ela sair e invadir o mundo. O mundo está dentro das igrejas através das músicas, suas doutrinas, seus lazeres, diante deste quadro não vemos diferença entre a igreja e o mundo. Martinho Lutero diz: “Não é a Igreja que deve determinar o que deve ser ensinado das Escrituras, mas são as Escrituras que determinam o que deve ser ensinado na Igreja”.

CAUSAS DA INVERSÃO DE VALORES

Ascensão do relativismo moral

Relativismo é a teoria filosófica que se baseia na relatividade do conhecimento e repudia qualquer verdade ou valor absoluto. Ela parte do pressuposto de que todo ponto de vista é válido. Essa filosofia afirma ainda que todas as posições morais, todos os sistemas religiosos, todos os movimentos políticos, etc., são verdades que são relativas ao indivíduo. É uma teoria filosófica baseada na relatividade do conhecimento, da cultura e na moral; nada é absoluto. Assim, tudo é variável, tudo depende da situação e na sociedade vigente. Segundo tais ensinos, o bem pode ser considerado “bem” em uma sociedade, em outro lugar, não. Declaram que a moral é algo relativo. Assim, a noção do certo e errado não existe. Tudo é relativo. Em consequência, segundo o relativismo, um pode julgar ser pecado uma atitude e outro não. Entretanto, diante da Palavra de Deus, tudo é esclarecido, pois ela é a nossa norma de conduta: “Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova” (Romanos 14.22).

Manifestação Social do Pluralismo no vestuário, na arquitetura

O pluralismo se traduz num maior número de opções disponíveis na sociedade, em todos os aspectos. É no supermercado, na livraria, etc. Pode-se definir pluralização com a frase “viva como achar melhor”, o que tem muitas semelhanças com a antiga Grécia e Roma, só com a diferença de que este “ecumenismo” não tem centro e deu origem a várias cosmovisões. Surgiu um sem número de “fés” que competem entre si, com pouco, ou quase nada em comum.

Crescente mundanismo

O sagrado e o religioso curvando-se ante o profano e o secular. A igreja sendo contaminada por práticas condenadas por Deus. Aberrações litúrgicas tomando o lugar do sagrado culto ao Senhor. Não se faz distinção entre o que é santo e o que é profano. Vivemos numa época de sacralização do profano e de profanação do sagrado. Nunca antes esses elementos estiveram tão misturados como nos tempos pós-modernos. Em muitas passagens bíblicas, verificamos a preocupação de Deus com a santidade de seu povo pareada com a preocupação de sua degeneração moral e espiritual (Ezequiel 44.23; Zacarias 1.14). Esta preocupação tem base no fato de ter o mundo um senhor que se opõe ao Criador, o qual, ainda que muito menor em poder, é, entretanto, maior que o homem.

Subversão espiritual

Isso pode ocorrer com pessoas na igreja que, além de imaturas, são carnais, que se deixam levar por novas ideias, princípios e atitudes sem respaldo bíblico. Elas promovem confusão doutrinária, renegam a fé recebida, e forjam outras doutrinas fora dos princípios básicos da doutrina cristã defendidos na Bíblia Sagrada. Além disso, em nome de uma falsa revelação espiritual, contrariando toda a revelação bíblica, distorcem a verdade de acordo com suas conveniências pessoais e desvirtuam o texto bíblico de várias maneiras, para adaptá-lo ao seu modo de crer; aos seus conceitos pessoais (2 Timóteo 2.18; 3.7, 8).

COMO REAGIR A INVERSÃO DE VALORES

Alguns princípios fundamentais

Denuncie o pecado e rompa definitivamente com ele. Viva os valores do Reino de Deus. Não transija com os valores absolutos da Palavra de Deus. Não venda sua consciência. A verdadeira mensagem do evangelho não se conforma com os discursos politicamente corretos, nem tampouco com mensagens extraídas com boa exegese e hermenêutica, mas conforma-se aos elevados padrões da santidade divina (Mateus 5.20, 48; 1 Timóteo 3.15; 6.11).

Devemos desprezar e aborrecer aquilo que é mau, amar aquilo que é justo (1 João 2.15-17) e não ceder aos vários tipos de mundanismo que rodeiam a igreja, tais como cobiça, egoísmo, oportunismo, conceitos visando ao poder, inveja, ódio, vingança, impureza, linguagem imunda, diversões ímpias, vestes imodestas e provocantes, drogas, bebidas alcóolicas e companhias mundanas.

Devemos conformar nossa mente à maneira de Deus pensar (1 Coríntios 2.16; Filipenses 2.5), mediante a leitura da Palavra de Deus e sua meditação (Salmos 119.11, 148; João 8.31, 32; 15.7). Devemos permitir que nossos planos, alvos e aspirações sejam determinados pelas verdades celestiais e eternas e não por este presente século mau, profano e passageiro.

Diferentemente dos seculares, os valores de Deus são: 1) absolutos: Deus é soberano, por conseguinte, seus princípios e preceitos também são (Romanos 11.34-36). O homem pode até rejeitá-los, mas a consequência será sua própria ruína (Deuteronômio 12.28; Gálatas 6.7, 8); 2) imutáveis: Deus não muda (Malaquias 3.6; Hebreus 13.8), por isso, seus preceitos e princípios jamais mudarão, de eternidade a eternidade permanece a palavra de deus (Salmos 119.89; Marcos 13.31); e 3) universais: Deus é único, em toda parte, apenas Ele é Deus (Deuteronômio 6.4; 2 Samuel 7.22; Isaías 45.21; 46.9; 1 Coríntios 8.4), portanto, seus preceitos e princípios não estão restritos a um determinado país ou região (Mateus 28.18-20).

Para darmos exemplo, nós devemos viver, não de acordo com os preceitos e princípios humanistas, mas com a vontade de Deus que é absoluta, imutável e universal.

Por, Sérgio Pereira.

image_printImprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »