O semeador, a semente e o solo

O semeador, a semente e o soloCansado da jornada, Jesus assenta-se à beira mar, tentando repousar um pouco. A multidão começa a juntar-se em torno dele e quer ouvi-lO. Os Seus ensinamentos são preciosos demais e o povo nunca se farta de receber as profundas lições que botam dos Seus lábios. O mestre, incansável, começa a falar-lhes, mais uma vez, das coisas simples da vida cotidiana.

Eis que o semeador saiu a semear (Mateus 13.3) – Que semeador é este, que sai pelos caminhos semeando e lançando a semente em qualquer terreno, na certeza de que Deus a fará brotar? Semeador é aquele ungido pelo Espírito Santo, que, negando-se a si mesmo, se dispõe a sair pelos caminhos, montanhas, valados, pelos confins da terra, gemendo e chorando. É aquele a quem Deus qualificou com graça e poder, para suportar decepções, angústias, calúnias, perseguições. É aquele cujas palavras abre portas para os que estão com desesperança, e já não tem razão de viver. Semeador é o pregador do Evangelho, que dá de graça o que de graça recebeu. Não é o aventureiro, o charlatão, o curandeiro,, o negociante da Palavra de Deus que, aproveitando-se da boa fé do povo, transforma as necessidades alheias numa indústria de benefício próprio. Não são os mentirosos que andam inventando doutrinas de homens, outro evangelho, como bem qualificou Paulo, para atrair incautos à sua teia de enganos. O semeador é diligente, fiel, incansável em servir, obedecer e amar. Leva a preciosa semente, andando e chorando, na certeza de que voltará com alegria, trazendo consigo os seus molhos.

E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na (Mateus 13.2) – A semente é a palavra de Deus. Portanto, é divina. O livro do profeta Isaías é chamado de evangelho do Antigo Testamento. No capítulo 55 encontramos o grande profeta falando da chuva, que rega a terra e faz crescer a semente, que produz a árvore, a qual por sua vez produz o fruto e alimenta o necessitado. Todo pecador está afastado da glória de Deus. Mas esta semente é capaz de gerar nele uma nova criatura.

Paulo pregava assim na epístola aos Romanos 1.16: “Não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus, para a salvação de todo aquele que crê”. É necessário crer. Se o homem não abre o coração para crer em Jesus, a semente da palavra não produz qualquer efeito espiritual. Nele a palavra é ineficaz, não cria raiz. Vêm as aves e a comem. Aves são as tentações do mundo, que retiram do homem o desejo de servir a Deus e o fazem voltar-se para as coisas passageiras, que tantas vezes encantam.

A palavra de Deus é eterna e não se aplica apenas por um pouco de tempo a esta vida transitória. Deixe-a fazer efeito em você. Deixe essa semente incorruptível fazer de você uma nova criatura, gerada de novo em Cristo Jesus. Ele deseja salvá-lo. Aceite-o como seu salvador. O mundo propõe coisas vantajosas, mas elas duram muito pouco. Só a semente preciosa da palavra de Deus, poderá fazê-lo feliz por toda a eternidade. Aceitando-a você terá vida abundante em Cristo Jesus.

E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda. Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz (Mateus 13.5, 6) – Neste caso a semente caiu entre as pedras, mas ali havia um pouco de terra. E como era boa a semente, logo brotou. Abaixo daquela fina camada de terra estavam pedras, que não deixaram as raízes crescerem. Veio o sol inclemente, bateu nas pedras, aumentou a temperatura, o calor sufocante começou a atingir a débil plantinha, e ela secou. Trata-se dos que ouvem a palavra, aceitam-na com entusiasmo, mas são ouvintes superficiais. Ouviram ansiosos, tomaram uma decisão imediatamente após ouvir, mas logo perceberam que sua decisão atraiu a crítica ou mesmo a zombaria da família e dos amigos. O evangelho exige responsabilidade. Não basta aceitá-lo. De nada adianta aceitar Jesus, se homem não mudar o seu estilo de vida. É preciso uma transformação profunda no modo de agir e de pensar. “Não vos conformeis com este mundo, dizia Paulo, mas transformai-vos,  pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.2). Transformação, mudança, são palavras de ordem a quem aceita Jesus como seu Salvador. Evangelho superficial, epidérmico, gera crentes inconstantes, sem raízes. Quando vêm as lutas, os enfrentamentos cotidianos, logo murcham e secam como a semente plantada entre pedregais. Não resistem ao calor do sol e desistem na primeira dificuldade.

Em nossos dias têm surgido grupos religiosos, pregando algo que chamam de evangelho, mas não muda o homem. As pessoas recebem a palavra com entusiasmo, mas são mantidas no desconhecimento e não são devidamente exortadas a mudarem de vida. A semente morre no calor dos pedregais que a cercam. É preciso adubar terras áridas com a sã doutrina. Se não o fizermos, nossa pregação será inócua, falsa, vazia, não surtindo o efeito que pode e deve surtir. Preguemos o evangelho verdadeiro, que produz frutos para o reino de Deus.

E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram, e sufocaram-na (Mateus 13.7) – Há solos que não estão preparados para receber a semente do evangelho. Tanto tempo ficaram abandonados que neles cresceram plantas daninhas, espinhos e cardos. Depois de longo tempo longe de Deus, o homem se torna terreno infértil. As preocupações com esta vida, indiferença com tudo que se refere ao sobrenatural, são obstáculos espirituais. Nem sempre são grilhões de ferro que aprisionam o homem. Às vezes, são laços de seda, coisas pequeninas, ligadas a tradições, costumes, opiniões de parentes e até mesmo pequenos detalhes de relações sociais. Muitos se embaraçam com coisas assim. E os espinhos crescem e sufocam a preciosa semente. Lembremo-nos do rico insensato, que se embaraçou com a fartura do que colheu.

Que tipo de armadilha o adversário preparou para impedir a tua comunhão com Deus? Que tipo de solo é o teu, onde foi semeada a semente da palavra, que precisa crescer para produzir a tua felicidade? Esta palavra é eficaz para despedaçar todas as armadilhas do diabo e trazer-te de volta a Deus. Não importa os espinhos que encheram teu coração de angústia e mágoa. A palavra vai limpá-lo e restaurá-lo. Não dês ouvidos ao inimigo de tua alma. Ele veio para roubar, matar e destruir. Mas Jesus morreu para dar vida e vida em abundância.

E outra caiu em boa terra e deu fruto (Mateus 13.8) – Embora existam corações fechados, impedidos pelo inimigo de receber a Palavra de Deus, existem também os desejosos de a receberem. Mentes abertas, almas sedentas, terra boa. São aqueles que compreendem a necessidade de uma aproximação ou reaproximação com Deus. Percebem que a vida não tem sentido se não for dirigida para a eternidade. Eles recebem a palavra, compreendem-na, dão-lhe guarida em seus corações e eis que o semeador recebe, alegre, a recompensa do seu trabalho, frutos colhidos dessa terra boa. Um para trinta, um para sessenta e um para cem. Que significa essa diferença de resultados? Significa que, uma vez aceito o evangelho, é preciso cuidar da semente lançada, para que advenha da palavra uma colheita apreciável. Não basta aceitar Jesus. É preciso viver o verdadeiro evangelho, aplicando-o a todos os caminhos da vida. Aos que pregam, é preciso o entendimento de que a Igreja não deve ser uma estação rodoviária, por onde os viajantes passam, tomam uma condução e vão embora. É preciso entrar no ônibus com os passageiros e cuidar deles. O discipulado é indispensável.

Concluída a parábola do semeador, Jesus explicou-a detalhadamente aos discípulos, de modo que compreendessem a necessidade de aplicar o evangelho à vida prática. Não basta pregar e ganhar almas para o reino dos céus. Devemos lançar a semente, adubar a terra, cuidar da plantinha tenra que é o novo convertido. E Deus, que dá o crescimento, por certo honrará o nosso esforço, fazendo a planta tornar-se árvore, e produzir frutos a cem por um, para honra e glória do seu nome e engrandecimento do seu reino. “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça” (Mateus 13.9).

Por, Paulo Ferreira.

image_printImprimir

One Response to O semeador, a semente e o solo

  1. luzinete prouse disse:

    maravilhosa postagem, Deus os abençoe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »