O sangue de Jesus tem poder!

O sangue de Jesus tem poderOs cristãos frequentemente clamam pelo sangue de Jesus. Ouvimos alguém dizer: “Jesus me cobre com seu sangue”. Cremos que o sangue de Jesus tem poder e cantamos o hino que diz: “Ha poder, sim, força e vigor neste sangue de Jesus”.  Mas poucos cristãos podem explicar o que o “poder do sangue” significa. Invocam-no como um tipo de fórmula mística de proteção. Porém, precisamos entender que a Palavra de Deus usa a expressão “sangue de Cristo” com um significado que nada tem de misticismo.

O significado do sangue de Cristo

A expressão “sangue de Cristo” é usada no Novo Testamento para referir-se ao líquido que circulava nas veias e artérias de Jesus (Lucas 22.44), e incluem a realidade de Ele literalmente sangrou como resultado dos açoites, dos cravos que transpassaram suas mãos e pés, a coroa de espinhos cravada na sua cabeça e a lança que feriu o seu lado (João 19.1, 2, 17, 18, 34). Mas esta expressão refere-se muito mais a morte sacrificial e expiatória de Jesus em nosso favor. As referências ao sangue do Salvador retratam mais significativamente que Ele sangrou e morreu em favor dos pecadores. As Escrituras, pois, referem-se ao sangue de Jesus para falar do resultado da Sua morte por nós, dos efeitos deste seu sacrifício.

O Sangue de Jesus espia os nossos pecados

A primeira referência bíblica à aspersão está em Êxodo 12.22. Foi ordenado aos israelitas que pegassem um molho de hisopo, e que este fosse molhado no sangue de um cordeiro sacrificado, e aspergido na verga da porta e suas umbreiras. Naquela noite, quando o anjo exterminador viesse e visse o sangue na umbreira da porta, ele passaria a casa. Este sangue de Êxodo 12 é um tipo do sangue de Cristo.

A realidade do sangue de Cristo como meio de expiação do pecado é tipificada na Lei Mosaica (Levíticos 17.11). Uma vez por ano, o sacerdote devia fazer uma oferenda de sangue de animais no altar do templo pelos pecados do povo (Hebreus 9.22). Entretanto, esta era uma oferta de sangue limitada em sua eficácia, por isso tinha que ser oferecida repetidamente. Este foi o prenúncio do sacrifício a ser oferecido de “uma vez por todas” por Jesus na cruz (Hebreus 7.27). Uma vez que o sacrifício foi feito, não havia mais a necessidade do sangue de touros e cabras.

Hoje, quando alguém aceita a Jesus como seu Salvador, o sangue de Cristo é, pela fé, aspergido sobre ele e seus pecados são perdoados (1 Pedro 1.2). Satanás não pode mais acusá-lo, pois foi lavado no sangue de Jesus (1 João 1.7; Apocalipse 1.5; 7.14) e agora tem uma aliança com Ele.

O sangue de Cristo, portanto é a base da nova aliança. Na noite de ir para a cruz, Jesus ofereceu o cálice de vinho aos discípulos e disse: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês” (Lucas 22.20). Quando derramou o Seu sangue na cruz, Jesus acabou com a exigência da Antiga Aliança para o contínuo sacrifício de animais. Isso se deu no fato de que esse sangue não era suficiente para cobrir os pecados do povo, exceto em caráter temporário, porque o pecado contra um Deus santo e infinito requer um sacrifício santo e infinito (Hebreus 10.3-4). Cristo cobriu nossos pecados (Salmos 85.2; Tiago 5.20; 1 Pedro 4.8). Embora o sangue de touros e cabras tenha sido um “lembrete” do pecado, “o precioso sangue de Cristo, um Cordeiro sem mancha ou defeito” (1 Pedro 1.19) pagou por completo a dívida que devíamos a Deus pelos nossos pecados, e não precisamos de nenhum outro sacrifício pelo pecado. Jesus disse: “Tudo está consumado” quando estava morrendo e foi exatamente isso o que quis dizer – que todo o trabalho de resgate foi concluído para sempre, “ele entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, e obteve eterna redenção” por  nós (Hebreus 9.12; 13.12).

O sangue de Jesus nos purifica

O sangue de Cristo não somente redime os crentes do pecado e do castigo eterno, mas “purifica a nossa consciência de atos que levam à morte, de modo que sirvamos ao Deus vivo!” (Hebreus 9.14). Isso significa que não só estamos agora livres de oferecer sacrifícios que são “inúteis” para obter a salvação, mas somos livres de confiar em obras inúteis e improdutivas da carne para agradar a Deus. Porque o sangue de Cristo nos redimiu, somos agora novas criaturas em Cristo (2 Coríntios 5.17) e pelo Seu sangue somos libertos do pecado para servir ao Deus vivo, para glorificá-lo e defrutá-lo para sempre (Apocalipse 1.5).

O sangue de Jesus nos dá acesso a Deus

Quando Deus fez aliança com Israel, ela tinha que ser selada, para ser confirmada e se tornar válida, e isto só poderia acontecer através da aspersão de sangue sobre eles (Êxodo 24.1-11; Hebreus 9.19). Este sangue cobrindo o povo, selou a aliança! O sangue deu aos israelitas pleno acesso a Deus, com alegria. Nesta ocasião o sangue não tinha nada a ver com perdão e remissão de pecado, mas, antes, com comunhão. Eles agora ficaram santificados, purificados, preparados para estarem na presença de Deus. Depois Moisés, Nadabe e Abiú e os setenta anciãos subiram o monte para se encontrarem com Deus, se sentaram na presença de Deus e comeram e beberam com Ele (Êxodo 24.11).

Na nova aliança que temos com Jesus Cristo, uma aliança selada pelo Seu próprio sangue, temos comunhão com Deus, acesso a Ele, sem nenhum pecado que nos impeça. Estamos livres para chegar a Deus e usufruirmos da Sua companhia. Para vencer a nossa separação de Deus, precisamos de alguém que proporcionasse reconciliação e dessa forma nos trouxesse de volta à comunhão com Deus (2 Coríntios 5.18-19; Efésios 2.13-16; Hebreus 10.19; Apocalipse 22.14).

Para nos livrar da ira de Deus que merecemos, Cristo morreu como propiciação pelos nossos pecados (1 João 4.10), tornando Deus propício a nós. Ele fez, por seu sangue, a paz entre o homem e Deus (Colossenses 1.19, 20).

O sangue de Jesus nos comprou para Ele

Uma vez que, como pecadores, estávamos escravizados ao pecado e a Satanás, precisávamos de alguém que nos proporcionasse redenção e, dessa forma nos “redimisse” de nossa servidão. Quando falamos em redenção, entra em foco a ideia de “resgate”. Resgate é o preço pago para redimir alguém da escravidão ou cativeiro. Jesus disse de si mesmo: “Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Marcos 10.45). Por seu sangue, Jesus nos comprou, para pertencermos a Ele (1 Pedro 1.19; Atos 20.28; Apocalipse 5.9).

Devemos invocar o sangue de Jesus

Frequentemente escutamos nos círculos cristãos a frase “invocar o sangue”. Mas este não é um termo das Escrituras. Nós somos comprados pelo sangue, salvos pelo sangue, mais do que vencedores por meio de Jesus Cristo! Não estamos em um tribunal com o diabo, defendendo uma causa. Nós já somos vitoriosos, pois Jesus conquistou a vitória por nós (Apocalipse 12.11; Hebreus 2.14). Quando pronunciamos: “o sangue de Jesus tem poder” não devemos estar invocando este poder, como um amuleto, mas proclamando este poder, com a certeza de que seu sangue prevaleceu. Nosso grito de guerra deve ser: “Eu sou lavado, comprado, justificado, salvo, resgatado pelo sangue. E proclamo a vitória do sangue de Jesus!”.

Quando você está tão seguro do poder de purificação e de justificação do sangue que foi aspergido em você, sua consciência não mais lhe condena (Hebreus 10.22). Temos uma consciência serena, purificada, por ter sido aspergido com seu sangue! Se você quer vencer o diabo, permaneça no sangue e proclame o seu poder!.

Conclusão

Quando Moisés aspergiu sangue nos israelitas pecadores, eles creram que foram perdoados ou aceitos por Deus. Eles confiaram naquela aspersão do sangue. Atualmente, o sangue aspergido em nós não é o de touro, cabra ou ovelha, mas de Cristo, o Cordeiro de Deus. Devemos confiar inteiramente na eficácia do sacrifício de Cristo, derramando o Seu sangue, para nos perdoar e nos fazer aceitos por Deus.

Não podemos viver com medo, invocando frequentemente uma proteção, como se estivéssemos desprotegidos, pois estamos debaixo de uma aliança selada com sangue, o preciosos sangue de Jesus, que nos garante proteção e salvação. Glória a Deus pelo sangue maravilhoso que foi derramado em nosso favor!

Por, Carlos Kleber Maia.

image_printImprimir

One Response to O sangue de Jesus tem poder!

  1. Jovenil carlos moreno disse:

    Portanto, purifica-me com hissopo e ficarei limpo; lava-me, e mais branco do que a neve serei.o sacerdote mandará trazer duas aves puras, um pedaço de madeira de cedro, lã tingida de escarlate e um galho de hissopo.…Em seguida, um homem cerimonialmente purificado pegará um galho de hissopo, o molhará naquela água e a aspergirá sobre a tenda, sobre todos os utensílios e sobre todas as pessoas que ali estiverem, bem como sobre aquela pessoa que houver tocado uma ossada humana, um homem assassinado, qualquer cadáver ou túmulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »