O que a Bíblia diz sobre a parte do ser humano na Salvação

O que a Bíblia diz sobre a parte do ser humano na SalvaçãoInúmeras passagens enfatizam a necessidade de o ser humano fazer a sua parte para alcançar as bênçãos do Senhor (Tiago 4.8; Provérbios 16.1; 2 Crônicas 7.14; Isaías 1.19 etc.). Nesse caso, se Deus fizer a parte que lhe cabe, e o homem não, este não poderá ser abençoado pelo Senhor (Ezequiel 24.13 e Lucas 13.34).

No que se refere à salvação, não é diferente. Deus-Pai providenciou o plano salvífico e deu o necessário para a sua realização (Gênesis 3.15 e Gálatas 4.4), o Filho consumou a obra que lhe foi dada pelo Pai (João 17.4-5 e 19.30), e o Espírito Santo convence o pecador do pecado, da justiça e do juízo (João 16.8-11). Entretanto, se o homem não fizer a sua parte, morrerá sem receber a Salvação (João 3.16-18, 36 e 1 João 5.12).

A ênfase recaiu no amor de Deus, expresso na manifestação de Sua graça e de Sua misericórdia, pelas quais Jesus ofereceu-se a si mesmo como preço de resgate para nos salvar (Romanos 5.8; 1 Pedro 1.18-19).

Há somente uma resposta apropriada para o amor de Deus: arrependimento e fé (Marcos 1.15; Atos 3.19 e João 3.16). É claro que não podemos produzir tais ações sem a capacitação divina (Atos 11.18; Efésios 2.8-9). Entretanto, estas não são produzidas em nós sem o nosso consentimento. Deus fez a parte dEle, e o homem precisa agir de forma a aceitar a obra salvífica. Essa aceitação, mediante ações bem definidas, forma parte do estudo da Soteriologia Subjetiva.

Por conversão entende-se, literalmente, “dar meia volta” (Provérbios 1.23; Isaías 31.6; Ezequiel 14.6; Joel 2.12 e Mateus 18.3). A conversão é, por conseguinte, a resposta do pecador à convicção conferida pelo Espírito Santo. Esse volta-se a Deus é formado por meio de dois elementos: arrependimento e fé. Pelo arrependimento, o pecador remove os obstáculos à recepção da Salvação; pela fé, recebe a certeza da vida eterna.

Há diferença entre arrependimento e fé. A fé é o instrumento pelo qual recebemos a Salvação, enquanto o arrependimento se ocupa com o abandono do pecado. Existe fé sem arrependimento? Não, pois só o penitente sente a necessidade do Salvador e deseja a salvação de sua alma. Por meio do arrependimento, o homem se desamarra dos laços do diabo (2 Timóteo 2.25-26). Se, por um lado, não há fé sem arrependimento, este sem fé é inútil.

O primeiro elemento da conversão é o arrependimento, o qual expressa uma transformação no interior do homem, gerando nele uma grande tristeza pelo mal que praticou. O arrependimento resulta em desejo de pedir perdão a Deus e implorar-lhe força para viver uma nova vida.

No Novo Testamento, o termo arrependimento é µ (metanóia), cuja significação primária é: “Uma mudança de parecer ou pensamento; uma mudança de um lado para o outro”. Quase todas as pregações neotestamentárias têm como base o arrependimento (Mateus 3.2; 4.17; Marcos 1.15; Lucas 24.47; Atos 2.38; 3.19).

O arrependimento também aparece no Antigo Testamento, sendo a principal mensagem dos profetas (Deuteronômio 30.10; Jeremias 8.6;  Ezequiel 14.6; 18.30). Todavia, é nas páginas do Novo Testamento que ele é melhor enfatizado, sendo o ponto alto da pregação de João Batista, de Cristo e dos apóstolos (Mateus 3.2; 4.17; Lucas 13.3, 5; Marcos 6.12; Atos 2.38; 3.19; 20.21; 26.20).

Nos dias atuais, o arrependimento continua sendo o meio pelo qual o pecador se aproxima de Deus, a fim de obter dele a Salvação (Atos 17.30-31). Ao arrepender-se, o pecador não deve somente “voltar-se de”, mas “voltar-se para”. Ou seja, o arrependido voltar-se do pecado para voltar-se para Deus. A volta para Deus, no entanto, envolve a fé (Hebreus 11.6).

Conquanto o arrependimento por si só não possa nos salvar, ele é um passo imprescindível para a obtenção da certeza de salvação. Por isso, a Bíblia emprega a forma imperativa: “Arrependei-vos” (Mateus 3.2; 4.17 e Atos 2.38). Em razão da pecaminosidade universal, todas as pessoas precisam se arrepender (Romanos 3.23).

O Espírito Santo opera o arrependimento mediante a pregação da Palavra de Deus (João 16.8-11 e Mateus 12.41). Quando Deus se manifesta aos homens, estes se sentem humilhados, quebrantados e prontos a se arrepender (Jó 42.5-6).

Como uma mudança de mentalidade, conforme sua definição etimológica, o arrependimento possui três aspectos, relacionados com as três faculdades da alma humana:

1) O elemento intelectual – Trata-se de uma mudança de ideia, e esta em relação ao pecado, a Deus e ao próprio “eu”. O pecado passa a ser reconhecido como culpa pessoal; Deus, como aquele que exige a retidão; o “eu”, como maculado e desamparado. o entendimento, antes obscurecido (2 Coríntios 4.4), desperta para o mal praticado.

2) O elemento emocional – Subentende uma mudança de sentimento. O pecador fica tremendamente triste e indignado pelos seus pecados. É como se ele se contristasse em extremo e sentisse nojo de si mesmo e de suas atitudes pecaminosas (Salmos 51.1-2; 2 Coríntios 7.9-10).

3) O elemento volitivo (prático) – É uma mudança de vontade e da posição em que o pecado se encontra. Este não somente reflete e sente, mas é levado, pelo arrependimento, a agir em prol de sua salvação (Lucas 15.17-20).

Embora envolva emoções e intelecto, é a vontade que está mais profundamente relacionada com o verdadeiro arrependimento. Ou seja, o arrependimento emocional-intelectual (ou remorso tão-somente) não resulta em salvação, pois não foi transformado em ação (Marcos 6.16, 20; Atos 26.28).

Eis outros exemplos de arrependimento incompleto, isto é, que não tiveram o elemento prático: Caim se arrependeu, mas não pediu perdão (Gênesis 4.13-14); faraó arrependeu-se, mas não agiu deixando o mal (Êxodo 10.16-17); e Judas, cheio de remorso, devolveu o prêmio de seu pecado, mas em vez de se dirigir a Jesus, enforcou-se (Mateus 27.3-5).

Ambos os Testamentos apresentam a fé como elemento preponderante para a Salvação e aquisição de bênçãos do Senhor. Biblicamente, somos salvos pela fé (Atos 16.31; Romanos 5.1; 9.30-32 e Efésios 2.8), enriquecidos com o Espírito Santo por ela (Gálatas 3.5, 14), além de santificados (Atos 26.18), guardados (Romanos 11.20; 2 Coríntios 1.24; 1 Pedro 1.5; 1 João 5.4) e curados (Isaías 7.9; Atos 14.9; Tiago 5.15) pela fé.

Deus considera a fé necessária para agradá-lo (Hebreus 11.6), ao mesmo templo que declara ser a descrença um grave pecado (João 16.9 e Romanos 14.23), pois restringe a manifestação de Seu poder (Marcos 6.5-6).

A fé tem dois lados. Além de ser uma operação do Espírito Santo, é uma reação da alma humana. Como uma operação direta de Deus (Atos 11.21), ela é preciosa (2 Pedro 1.1), santíssima (Judas 20) e frutífera (1 Tessalonicenses 1.3).

Teologicamente, fé é a atitude mediante a qual o homem abandona toda confiança em seus próprios esforços para obter a Salvação e outras bênçãos decorrentes desta. É a atitude de completa confiança em Cristo, de dependência exclusiva dele, a respeito de tudo quanto está envolvido na Salvação.

A definição bíblica para a fé é: “… firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem” (Hebreus 11.1). No sentido bíblico, significa crer e confiar. É o assentimento do intelecto com o consentimento da vontade. Com o intelecto, se crê nas verdades reveladas concernentes a Deus e a Cristo. Pela vontade, aceita-se essas verdades como diretrizes da vida.

Posto isto, a fé intelectual não é o suficiente (Tiago 2.19; Atos 8.13, 21) para obtenção da Salvação. É possível dar o seu assentimento intelectual ao Evangelho sem, contudo, se entregar a Cristo. O essencial é a fé oriunda do coração (Romanos 10.9). Qual a diferença entre essas duas modalidades?

1) Fé intelectual – Significa reconhecer como verídicos os fatos do Evangelho.

2) Fé provida do coração – É a pronta dedicação da própria vida às obrigações implícitas nesses fatos. Abrange também o elemento emocional, sendo, por conseguinte, a fé que salva a personalidade inteira (intelecto, sentimento e vontade).

Por, Ciro Zibordi.

image_printImprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »