Fastio da Palavra de Deus

image_printImprimir

Fastio da Palavra de Deus“Estamos vivenciando um dos momentos críticos que tem atingido várias igrejas locais. Infelizmente existe uma onda avassaladora que tem levado muitos cristãos a se afastarem dos cultos de ensino e da Escola Bíblica Dominical. Uns advogam que não tem tempo, outros declaram que só gosta de ir a cultos públicos, e assim cada um vai dizendo ou propagando o porquê de não ir aos cultos que fortalecem a vida do cristão. Quando observo a vida da recém-igreja em Jerusalém detenho-me com os textos que afirmam o prazer que eles nutriam em permanecer no templo e também nas casas com o objetivo de testemunharem do Evangelho transformador de Cristo e adorar Aquele que os salvou (Atos 2.46; 5.42).

Estamos em um tempo onde muitos cristãos preferem ir aos famosos shows gospel a estarem assentados nas cadeiras ou bancos nos templos para ouvir os sermões bíblicos que moldam o caráter e aperfeiçoa a cada dia a nossa vida moral, emocional e espiritual. Não querem ir talvez por não se falar nas teologias extras bíblicas. Não querem marcar presença porque talvez não haja um ensinamento bíblico por parte do líder, e sim, coisas avulsas sem sentido algum que só trazem mal estar espiritual e a edificação mútua fica a desejar. Alguns argumentam que já tem um bom tempo de vida cristã e não precisam estar todo dia no culto de doutrina para ouvir as mesmas coisas. Esquecem-se os tais que os apóstolos Paulo e Pedro escreveram sobre a lei da repetição (2 Tessalonicenses 2.5; 2 Pedro 1.12; Filipenses 3.1).

O que dizer daqueles que frequentam assiduamente aos cultos doutrinários e ouvem constantemente sobre determinada doutrina bíblica e que mais tarde infelizmente alguns por motivos variados chegam a cair espiritualmente. Observe: isto na vida dos que são assíduos. E o que dizer daqueles que por motivo injusto faltam os citados cultos? Por deixarem de vir ficam frios, apáticos, desanimados e desmotivados.

Parece-me que uma amnésia espiritual tem impedido alguns de estarem na casa do Senhor nos dias em que terão que aprender ou reaprender as palavras de Deus. Digo reaprender, por termos cristãos com um bom tempo de vida cristã e que não concede a um novo convertido a transmissão da importância de se estar na casa do Senhor. Quantos que são desmotivados por ouvir outros dizerem que não precisam ir ao culto de ensino ou a Escola  Bíblia Dominical? Existe aquele que esquece-se do culto de ensino que já está na agenda semanal dos trabalhos da igreja local. E aí pergunto: Como isso é possível? Se não fosse um dia fixado para o ensino ainda podia dizer que foi esquecimento. O salmista mavioso, Davi, sabia do valor que era e é estar na casa de Deus, foi por isto que ele fez um pedido ao Senhor nos Salmos 27.4: “Uma coisa pedi ao SENHOR, e a buscarei: que possa morar na casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do SENHOR, e inquirir no seu templo”. Este pedido devia ser feito por todo cristão que ama verdadeiramente a casa de Deus.

Desde o dia em que comecei a frequentar os cultos de ensino e a Escola Bíblica Dominical nasceu dentro de mim um gosto salutar de estar participando destes trabalhos na igreja local que congregava. Amo todo o trabalho que envolve o ensino bíblico e tento transmitir este sentimento aos meus filhos e a igreja que lidero. Não sei como um cristão fica à vontade com a sua consciência sabendo que naquele momento poderia estar na casa do Senhor ouvindo os conselhos bíblicos para a sua vida. Gosto dos textos de Salmos 84.1-4, 10, que proferem declarações lindas, animadoras e incentivadoras ao seguidor de Jesus. Leia, por favor, atentamente os textos citados: “QUÃO amáveis são os teus tabernáculos, SENHOR dos Exércitos! A minha alma está desejosa, e desfalece pelos átrios do SENHOR; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo. Até o pardal encontrou casa, e a andorinha ninho para si, onde ponha seus filhos, até mesmo nos teus altares, SENHOR dos Exércitos, Rei meu e Deus meu. Bem-Aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ao continuamente. (Selá). Porque vale mais um dia nos teus átrios do que em outra parte mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas dos Ímpios”.

Vejo aqui palavras fortes: amáveis, desejosa, desfalece, clamam, encontrou, habitam, vale e preferir. Palavras que se analisadas cuidadosamente em estudo nos farão admitir o grau do nosso amor e prazer em estar na casa do Senhor. Que o bom Deus possa colocar nos corações daqueles que perderam o prazer de participar dos cultos um novo sentimento a semelhança destes visto no Salmo em destaque. Queridos, aproveitemos o máximo possível a nossa ida à casa de Deus e que seja feita com alegria. O salmista Davi disse: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos a casa do SENHOR” (Salmos 122.1). Quantos que não vão mais ao santuário com alegria na alma, pois sabem que serão pelo Senhor repreendidos, e isto para o bem deles, todavia, preferem não ir. Querem apenas ouvir de Deus palavras que os exaltem.

Enquanto tivermos saúde física não deixemos de marcar presença nos trabalhos da nossa congregação. Pois quando “antes que venham os maus dias” (Eclesiastes 12.1) que impedirão de irmos à casa de Deus possamos dizer: “Aproveitei o máximo que pude com saúde estar na casa de Deus”. Conheço cristãos da Terceira Idade que se esforçam para não perder a um culto de ensino, outros que já não podem por causa da força física que já é pouca, e por fim, a enfermidade que impossibilitam de chegar ao santuário de Deus. Aqui cabe citar a profetisa Ana que foi citada pelo escritor e doutor Lucas no Evangelho que leva seu nome. Lá encontramos uma pequena, mas poderosa, referência sobre esta grande e exemplar serva de Deus. Leia Lucas 2.36, 37 e deixe ser incentivado e despertado por esta amável leitura bíblica.

Por fim rogo que o Dono da Obra envie para as igrejas locais que estão vivenciando um fastio grande pela Palavra de Deus o que encontramos no livro do profeta Amós no capítulo 8 e versículo 11. “Eis que vêm dias, diz o Senhor DEUS, em que enviarei fome sobrea terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR”. Assim seja!

Por, Silvio Vinicius Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »