E o vaso se quebrou

E o vaso se quebrouÉ bem conhecido o texto de Jeremias 18.1-6, quando o Senhor Deus manda o profeta descer à casa do oleiro para lhe comunicar um pouco mais de Suas revelações. O propósito do Eterno era que Jeremias visse uma cena comum que serviria de ilustração para a compreensão de uma verdade espiritual acerca da casa de Israel.

O profeta desceu à casa do oleiro e viu que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas. O versículo 4 diz: “Como o vaso que ele fazia de barro se quebrou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que bem pareceu aos seus olhos fazer”. Depois dessa cena, Deus fala com o profeta: “Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? – diz o Senhor, eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel” (V. 6).

Chama-nos a atenção o fato de que não foi o oleiro que quebrou o vaso. O oleiro estava trabalhando na feitura do vaso e tinha para ele um propósito determinado. O molde estava definido para o oleiro, mas alguma impropriedade no barro estava resistindo ao trabalhar de suas mãos. Chegou a um ponto em que o vaso não resistiu e se quebrou na mão do oleiro.

Evidente que não seria o oleiro que teria que se conformar em concluir o vaso do jeito que o vaso insistia em ser. Tinha ele um propósito específico, de preparar um belo vaso para seu uso, mas o material que tinha em suas mãos insistia em resistir à ação do oleiro. O resultado foi a quebra do vaso.

À semelhança do oleiro, Deus tem propósitos bons para todos nós (Jeremias 29.11), mas, à semelhança daquele vaso, somos nós que muitas vezes frustramos o livre e soberano agir de Deus em nossas  vidas.  Nossas incompreensões e impurezas dificultam a ação do Todo-Poderoso. Seus propósitos encontram obstáculos em nós mesmos.

Mas também a semelhança daquele oleiro, Deus não cederá à dureza do nosso coração, não cederá ao nosso orgulho, Ele continuará agindo dentro de Seu propósito eterno e nós é que teremos de ceder. Foi o vaso que “se quebrou”, ou seja, desistiu de resistir à ação do oleiro. O importante é que o vaso “se quebrou na mão do oleiro”. O verbo na voz reflexiva indica que ele pratica e recebe a ação. Chegaria um momento em que Judá, no cativeiro, iria se humilhar diante do Deus Todo-Poderoso e o invocaria de todo o coração, momento em que o Senhor estaria pronto para levá-lo de volta a Jerusalém e cumprir os Seus propósitos. A glória de Deus voltaria à cidade de Davi e seria maior que a da primeira casa (Ageu 2.9).

Tudo daria certo no final. É por isso que não precisamos ter medo de nos humilhar diante de Deus. O segredo é permanecer na mão do oleiro. “Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que, a seu tempo, vos exalte” (1 Pedro 5.6).

Somente depois que o vaso se quebrou é que o oleiro pôde trabalhar com o barro e fazer outro vaso “conforme o que bem pareceu aos seus olhos fazer” (Jeremias 18.4b). A vontade do oleiro finalmente poderia ser feita.

Por vezes, Deus nos põe em intensas provas, a fim de nos esvaziar de nós mesmos, tirar toda escória, destronar nosso ego, aniquilar nosso eu. Dores, angústias, tristezas, solidão. Deus esquadrinha o mais profundo de nosso ser. Ele nos purifica como ouro, no fogo da provação, até que cheguemos ao ponto de nossa total rendição. É quando nossa compreensão acerca de Deus é ampliada (Jó 42.1-5), humilhamo-nos e damos a Ele toda glória. E o vaso se quebra na mão do oleiro a fim de permitir que Ele faça o que bem parece aos Seus olhos.

Deus sempre tem o melhor para nós, e depois de uma profunda prova, capaz de nos reduzir ao pós da mais completa humildade, é que Ele pode glorificar Seu nome em nós. “Humilhai-vos perante o Senhor, e Ele vos exaltará” (Tiago 4.10). Deixemos o Oleiro trabalhar!

Por, Silas Queiroz.

image_printImprimir

One Response to E o vaso se quebrou

  1. Isaías Cruz disse:

    Muito bom, explicação perfeita e fácil de entender abriu minha mente para um sermão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »