Atingido por tiro em assalto, jovem escapa da morte e de tetraplegia

image_printImprimir

Membro da Assembleia de Deus no interior de Alagoas recebe milagre, passa no vestibular e está cursando Engenharia Elétrica

Atingido por tiro em assalto, jovem escapa da morte e de tetraplegia“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida” (João 5.24).

É com este versículo que apresentamos o jovem Romério da Silva Camilo, morador do povoado Jardim Gouveia (AL). Após ser assaltado e levar um tiro se viu livre da tetraplegia e continua louvando ao Senhor.

Romério se rendeu ao Senhor na adolescência, em fevereiro de 2003. No ano seguinte desceu às águas batismais, tornando-se membro da Assembleia de Deus. Em 2005 veio a ser cooperador, ou auxiliar, na época com 15 anos. “Sempre fui um jovem abençoado por Deus. Era vendedor. Vendia de cidade em cidade no interior de Alagoas, só vivendo com a proteção de Deus. Passava por lugares pouco habitados, todavia gostava do que fazia e glorificava por trabalhar e estudar a noite”, afirma.

Numa segunda-feira de setembro de 2007, Romério e um colega de trabalho, voltavam da cidade de Pariconha para suas casas quando tudo aconteceu. “Já estávamos a menos de 6 km da nossa residência, quando três assaltantes, atravessaram na frente da moto e foram logo atirando. Um dos disparos me atingiu nos pescoço. Caí no chão. Eles me arrastaram e vi quando levaram meu amigo para fora da estrada”, lembra Romério.

Os bandidos pensavam que tinham ceifado a vida do jovem e ficaram com seu amigo um pouco distante e o ameaçando de morte. “Logo depois chagaram até onde eu estava para verificar se estava respirando. Lembro que não conseguia movimentar nenhuma parte do corpo, e não sabia onde tinha sido atingido. Quando viram que eu estava vivo, pensaram em me matar, mas desistiram e disseram pra me deixarem ali que em instantes morreria”, conta o jovem que estava consciente, mas sem movimentos.

Os assaltantes levaram o dinheiro, a moto e os documentos dos jovens. “Pensando que eu havia morrido, meu colega ficou desesperado, até que, mesmo com pouca força, chamei-o. Já estava de noite, mas ele me encontrou e foi em busca de socorro”.

Quando o resgate chegou, Romério foi levado para o hospital municipal de Paulo Afonço (BA), onde recebeu os primeiros socorros e em seguida foi encaminhado para o Hospital Regional de Arapicara (AL), ficando internado por 18 dias. “Os dois primeiros foram os mais angustiantes. Fiquei numa maca no corredor por falta de leito”, comenta.

E a luta apenas começara. “Dois dias após o médico quis me operar, já que o projétil estava alojado na vértebra C5. Na ocasião, o hospital estava em greve e os profissionais não queriam fazer a cirurgia para a retirada da bala e correção da coluna. A cirurgia era de alto risco, eu podia ficar tetraplégico”.

Mas como todo cristão, Romério correu para os pés de Jesus. “Através do círculo de oração que tanto intercedeu ao meu favor e da comoção que houve na escola, inclusive dos diretores junto ao hospital, resolveram fazer a cirurgia”, lembra o jovem que completa: Fiquei internado, sem força alguma no corpo. Os médicos diziam que o meu futuro era incerto. Lembro que no 17º dia já pude ficar sentado na maca”, regozija.

Com a alta, Romério recebeu um colar cervical para ser usado nos três meses seguintes. “Digo que a minha recuperação foi miraculosa. Logo aprendi a andar”, alegra-se.

Apaixonado pelo ensino, o jovem sempre quis lecionar na Escola Dominical. “Uma coisa interessante, foi que na manhã em que tudo aconteceu, o presbítero Ernaldo Rodriguês, dirigente da igreja local, disse que a partir do trimestre seguinte eu começaria a dar aula. Logo depois do incidente, já não sabia mais escrever, tive que reaprender. Com a ajuda de Deus consegui e logo no início do ano, mesmo com todo o meu processo e não estando completamente recuperado, comecei auxiliando um irmão com a classe de senhoras. Pouco tempo depois iniciei lecionando para a classe de juvenis. Deus me abençoou grandemente, livrou-me da morte, de ter ficado tetraplégico, e realizou meus sonhos”, celebra.

Ao participar do último Enem, o Senhor permitiu que ele realizasse outro sonho, o de cursar Engenharia Elétrica. “Continuo firme e forte na presença de Deus, não quero compreender os motivos pelas quais as coisas nos acontecem, mas quero aprender sobre os planos de Deus na minha vida, e segui-lo sempre, pois ‘grandes coisas fez o Senhor por nós e por isso estamos alegres’. Ele é soberano e onisciente, confio plenamente nEle, pois sabe o que é melhor para mim”, conclui.

Por, Roberta Marassi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »