A razão da morte de Jesus na cruz

A razão da morte de Jesus na cruzA sombra da cruz estendeu-se do Éden perdido, ao Calvário. Ela era vista nos cordeiros imolados da era patriarcal e nos serviços do santuário hebreu. Todos os animais sacrificados apontavam para a cruz de Cristo.

Vejamos algumas lições que extraímos da cruz de Jesus:

A morte de Cristo não foi acidental

Muitas pessoas ao assistirem o filme “A paixão de Cristo”, ficaram comovidos e disseram que Ele não poderia ter sofrido tanto, afinal, foi um homem que fez somente o bem as pessoas. Muitos ainda não entendem que a morte de Jesus faz parte de um desígnio divino. A grande prova disso está no fato de que o Antigo Testamento está repleto de profecias sobre o Messias Salvador. Dentre todas as profecias, se destaca a de Isaías 53. No capítulo 19, do livro de João, por exemplo, podemos constatar que a cruz não foi um acidente. Observe o quadro da cruz e veremos o cumprimento profético: a sua morte na crucificação (João 19.17-27; Isaías 53); as vestes divididas (João 19.23, 24; Salmos 22.18); a sede que Jesus teve (João 19.28, 29; Salmos 69.21); seus ossos que não foram quebrados (João 19.32, 33, 36; Êxodo 12.46; Números  9.12; Salmos 34.20); que Jesus seria transpassado (João 19.34, 37; Zacarias 12.10; Apocalipse 1.7); até onde Jesus seria sepultado já estava profetizado (Mateus 27.59, 60; Isaías 53.9). Ele morreu segundo as Escrituras. Tudo que aconteceu com Ele fora profetizado.

O amor de Cristo é demonstrado na cruz

A cruz revela o amor de Deus de uma maneira que nenhuma outra seria capaz. Ele é demonstrado em contraste com todo o ódio, zombarias e palavras de ofensas a Ele dirigidas. Geralmente as pessoas ficam irritadas quando são zombadas. A zombaria ridiculariza e rebaixa. As palavras atiradas naquele dia tinham como objetivo causar dor. Pedro diz que eles atiraram insultos a Cristo. Eles atiravam insultos verbais. Tinham toda intenção de ferir e machucar. E diante de tudo isso, Ele não revidou. Ele não se vingou. Ele não fez ameaças, dizendo: “Vou pegá-los!”; “espere até depois da ressurreição”. Ele não prometeu prêmios aos caçadores. Pelo contrário, supreendentemente, os defendeu: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Enquanto o homem fazia o pior, Jesus respondia com amor (Romanos 5.8).

O poder da redenção

Não há palavras mais fortes do que as que Jesus pronunciou antes de morrer. Ele disse: “Está consumado!” Esta palavra do grego “tetelestai” significa: “Está totalmente pago”; “dívida cancelada”. No século I, quando um criminoso era preso, seus delitos eram registrados em um papiro conhecido como “cédula de dívida” ou “escrito de dívida”. Ao cumprir a pena e chegando a ocasião de sua liberdade, o juiz responsável pela soltura do condenado, riscava a cédula, especialmente na parte onde os crimes estavam apontados, e, no rodapé, escrevia “tetelestai”. Sendo assim, o indivíduo não devia mais nada à justiça. Estava livre da condenação e, agora, poderia desfrutar da paz e da liberdade (Colossenses 2.13, 14).

Deus reconciliou Consigo o mundo

Quando Jesus morreu na cruz, somos informados de que o véu do templo rasgou-se ao meio, de cima para baixo. O véu servia como uma barreira entre o Lugar Santo e o Santo dos Santos no Templo. Por trás desse véu era o propiciatório. O Sumo Sacerdote entrava por trás desse véu uma vez por ano, no Dia da Expiação e colocava o sangue do sacrifício no propiciatório para expiar os pecados do povo. Este véu tinha estado como um lembrete de que o homem foi separado por Deus por seus pecados e era indigno de se aproximar de Deus (Isaías 59.2). No entanto, quando Jesus morreu na cruz, o véu se rasgou em dois, o que significa dizer que o homem não precisava estar separado por Deus por seus pecados. Ele pode ser levado à presença de Deus, pelo sangue que foi derramado na cruz (Efésios 2.12-16).

O sofrimento de Jesus e sua morte na cruz foi um triunfo para toda a humanidade. Sua prisão significa liberdade. Sua morte significa vida. Jesus Cristo venceu e nEle somos feitos mais que vencedores.

Por, Erick Alberto.

image_printImprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »