A origem da humanidade

Afirma a Bíblia Sagrada: “Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez” (João 1.2). “Ainda Ele não tinha feito a Terra, nem os campos, nem sequer o princípio do pó do mundo, […] Então eu estava com ele…” (Provérbios 8.26, 30).

As Escrituras nos ensinam as doutrinas de uma criação especial, significando que o Senhor Deus fez cada criatura e cada semente segundo a sua espécie (Gênesis 1.11, 21, 24-26). Ele criou as várias espécies e então as deixou para que se desenvolvessem e progredissem segundo as leis do seu ser. A distinção entre o homem e as crianças inferiores implica na declaração bíblica de que Deus criou o homem à Sua imagem.

Entretanto, a teoria da Darwin ensina que ocorreu a evolução de uma espécie à outra, uma mudança progressiva do simples para o complexo, do primitivo para o desenvolvido, até chegar ao homem como ponto culminante do processo. Darwin afirmava que nenhum criador sobrenatural era necessário e supunha que o homem, ao perceber, amedrontado, que estava só no Universo, inventou a religião: “No sistema evolucionista de pensamento, não há necessidade ou lugar para o sobrenatural. A Terra não foi criada, mas evoluiu. Assim ocorreu com todos os animais e plantas que povoam, incluindo nossos egos, mente e alma, bem como o cérebro e o corpo. Assim evoluiu também a religião. O homem, assim evoluído, não pode mais se refugiar de sua solidão, procurando abrigo nos braços de uma figura que foi divinizada que ele mesmo criou”.

O darwinismo nada mais é do que uma tentativa de mudar a glória de Deus incorruptível em semelhança da imagem do homem corruptível (Romanos 1.23). O evolucionismo é um a filosofia essencialmente ateísta e “a fé não é de todos” (2 Tessalonicenses 3.2). Outrossim, pela Palavra de Deus entendemos e cremos “que aquilo que se vê não foi feito do aparente” (Hebreus 11.3), mas das mãos de Deus (Salmo 95.6; 148.5).

Criado a imagem de Deus

A Bíblia diz que Deus criou o homem à Sua imagem e semelhança (Gênesis 1.26; Salmo 8.5), por isso há uma abismo intransponível entre os irracionais e o homem.

Deus não fez o homem grunhindo, gesticulando, trepado nas árvores comendo coco de palmeira, gastando milênios para chegar a falar. Deus fez o homem à Sua imagem e semelhança.

As primeiras civilizações surgiram após o aparecimento do homem. Depois do Dilúvio, o homem passa a ser construtor muito capaz de erguer uma torre que chegasse aos céus (Gênesis 11.4) e, mais ainda, construindo cidades que hoje estão identificadas através dos estudos arqueológicos, que confirmam as Sagradas Escrituras. Pretender, como afirmam os evolucionistas, que o homem precisasse de centenas de milhares ade anos para se revelar como o é hoje, é imaginar que todo esse vasto universo e a complexidade da própria mente humana são fruto do acaso são grandes tolice.

Gênesis diz que no princípio Deus criou todas as coisas, e em Apocalipse o próprio Deus diz: Eis que faço novas todas as coisas” (Apocalipse 21.5). Ele é o mesmo que pelo simples sopro (Gênesis 2.7) criou esse admirável ser – o homem –, com a capacidade de desenvolvimento e aperfeiçoamento moral e intelectual. Pelo pecado, entretanto, entrou o homem num processo de degradação em certas circunstâncias. Ou seja, ele não veio a surgir de um estado acidental para um caso universal. Ele foi criado perfeito, mas o pecado o levou à degradação; entretanto, o homem ainda carrega em si um pouco da imagem de Deus.

Fraudes evolucionistas

A teoria da evolução é uma especulação sem base e colocamos numa mera hipótese que não encontra resposta nem na verdadeira ciência nem na razão. Desde muitos anos que os darwinistas procuram o tal “elo”, e até agora nada se achou. Ele continua “perdido”.

Grande tem sido o esforço dos cientistas em comprovar essa teoria evolucionista e sempre expõem-se ao ridículo quando suas descobertas forjadas são desmascaradas, como no caso do “Homem de Piltdown”, um deliberado embuste (1912 –1950): as mandíbulas, os dentes e o crânio foram preparados com produtos químicos para parecerem mais velhos. Ou mesmo o “Homem de Nebraska”, que uma vez reconstituído a partir de um único dente revelou-se, nas experiências de Scopes, ser apenas o dente de um extinto.

A humanidade teve origem em apenas um homem – Adão – após um solene conselho (Gênesis 1.26) representado por um Trino Deus, cujos pensamentos estão acima dos nossos pensamentos (Isaías 55.8), e sua reprodução na Terra está determinada enquanto houver um grupo de seres humanos em algum  lugar neste planeta

Criados por Deus e para Deus

Todos os demais conceitos, sejam eles filosófico-materialista, humanismo científico, assim como o animismo, o feiticismo, o politeísmo, o tabuísmo e outros, estão longe de ser provas das origens.

O homem é um ser criado por Deus essencialmente espiritual, possuindo natureza tripla (1 Tessalonicenses 5.23), com poder para dominar sobre três níveis: ar (as aves), terra (animais) e rios e mares (seres das águas) (Gênesis 1.26-28; Salmo 8.6-8).

A Bíblia está voltada para o homem inteligente, porém caído da graça (Hebreus 9.27; Romanos 5.12). Mas, o Eterno tem providenciado a sua restauração (Efésios 2.15) e lhe vivificado pelo Espírito (Romanos 8.11; João 11.25), oferecendo Seu Filho Jesus Cristo como o Cordeiro imaculado para pagar o resgate de sua alma perdida (1 Pedro 1.18, 19) e levá-lo para o céu para limpar-lhe todas as lágrimas dos olhos (Apocalipse 21.4), ver o rosto de Deus (Apocalipse 22.4), habitar na Santa Cidade e servi-LO por toda a eternidade.

Por, Nemuel Kassler.

image_printImprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Google Translate »