Tempestades no caminho

Tempestades no caminhoMesmo depois de um milagre, uma tempestade pode acontecer. O quadro descrito em Mateus 14.22-27 se repete diariamente em nossas vidas. Os discípulos e a multidão ainda estavam perplexos com o milagre da multiplicação, quando Jesus alimentou uma multidão de quase 5 mil pessoas com cinco pães e dois peixes. O culto estava terminado, o jantar também. A multidão estava feliz. Jesus havia ensinado sobre quatro parábolas: a parábola do semeador (a perseverança daquele que planta a semente, mesmo não obtendo bom resultado, deve continuar semeando, pois o fruto vai aparecer); a parábola da candeia (a luz tudo manifesta, nada há encoberto); a parábola da semente (o poder transformador e criador divino); e a parábola do grão de mostarda (o crescimento do Reino de Deus: da menor das sementes, uma grande planta). Terminada Sua predica, Ele ordena: “Passem para a outra banda do mar”. Após o culto, mesmo já noite, os discípulos, obedientes, entram no barco e viajam. Eles não contavam com a tempestade. A surpresa os afligiu, mas, lá do alto da montanha, Jesus os acompanhava. O Senhor não nos deixa só. Quando necessário, Ele desce para nos socorrer.

Nos dias de Noé, Deus não aceitou o comportamento pecaminoso da humanidade e determinou a morte para todos os viventes. Passando uma revista nos homens, encontrou Noé, varão justo e reto, que andava com Deus. O Senhor então lhe ordena: “Faça uma Arca com as seguintes medidas: 135 metros de comprimento, 22,5 metros de largura e 13,5metros de altura”. Deus detalhou o modelo, o acabamento, os andares e, por fim, quem poderia entrar na Arca. Ele estabeleceu também um pacto com Noé (Gênesis 6.18). O patriarca concordou em obedecê-lo. Após mais de cem anos de trabalho, a Arca estava pronta. Deus ordena Noé entrar na Arca com a sua família. Cuidado! Não deixe a família ficar de fora. Haverá tempestade e vocês precisam estar protegidos. Noé entra na Arca conforme a determinação e Deus fecha a porta por fora. Deus abre as fontes das águas e manda chuva durante 40 dias e 40 noites.

Creio que Noé estava tranquilo, sem se assustar com o balançar da Arca, pois ele havia construído-a conforme o modelo de Deus. A embarcação tinha estrutura para suportar qualquer tempestade. Chegou o momento quando Noé e sua família viam somente água por todos os lados. Você já experimentou um período assim em sua vida? Só chuvas, problemas que cercam a sua vida. Sua arca tem estrutura para suportar a tempestade do dilúvio? Às vezes acontece assim: Deus não permite ninguém lhe ajudar, a chuva continua caindo e a prova é só sua.

Quando Deus fechou a porta da Arca, ninguém saiu ou entrou. Foi Ele que fechou a porta, a chave está na Sua mão, só Ele pode abrir. Quem se preparou para o momento da dificuldade vai vencer; quem se descuidou, perecerá.

Depois dos dias chuvosos, tudo passa. Ainda bem! Ao terminar a tempestade, você olha para o céu, percebe que a chuva parou, o sol começou a brilhar. Você sentiu que sua arca já pousou em terra firme? O texto de Cantares 2.11,12 diz: “Porque eis que passou o inverno; a chuva cessou e se foi. Aparecem às flores na terra, o tempo de cantar chegou, e a voz da rola ouve-se em nossa terra”. Você pode crer que a tempestade já passou? Solte a primeira pombinha e, se necessário, a segunda. Verifique o que trouxe no seu bico. Ela trará esperança: a cura da doença, a resposta, uma porta aberta. Receba o seu ramo de oliveira!

Por, José Wellington Bezerra da Costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »