Sementes entre espinhos

Sementes entre espinhosJesus, aqui na Terra, se ocupava de três grandes tarefas – ensinar, pregar e curar. E uma delas, o ensino, era o que mais ocupava o seu tempo ativo. O tempo que Ele não estava na ativa do ensino, estava em oração. Jesus ensinava por parábolas, dentro de uma linguagem de fácil compreensão. Parábolas são histórias, sempre com uma aplicação espiritual. A Parábola do Semeador tem uma grande lição para nós. Começa dizendo que o semeador saiu a semear. A semente é a Palavra de Deus. Na parábola, parte das sementes caiu no meio do caminho, outra sobre as rochas, outra entre espinhos e outras em boa terra.

Quero meditar, em particular, nas sementes que caíram entre espinhos. O texto diz que ela não apenas caiu, mas brotou e cresceu entre os espinhos. Ela cai, a semente pega, brotou e começa a crescer. Mas os espinhos crescem junto com ela. A semente está crescendo, mas os espinhos também. O problema desta planta é que os espinhos a deixam crescer. E os espinhos a deixam produzir fruto. Mas ela só cresce até um determinado patamar. E elas até dão fruto, mas não com perfeição. O versículo 14 de Mateus 8, diz: “E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão frutos com perfeição”. Essa semente que caiu no meio dos espinhos, nasce, cresce e aparentemente não tem problema nenhum com ela. Esse tipo de planta nos assusta. Eu posso ter uma planta que está produzindo fruto sem perfeição. Eu posso estar crescendo, mas sem perfeição. Tem gente que se seguir este caminho, nunca vai crescer, sempre vai ficar raquítico. Tem gente que até vai ter cargo e função. Mas não percebe que a vida está sendo sufocada. Jesus cita este sufocamento. São três coisas: os cuidados, as riquezas e os deleites. Os cuidados são as coisas necessárias. São coisas que temos que ter e realmente fazer. Cuidar do filho, pagar as contas, trazer sustento, estudar a faculdade, e etc. São coisas lícitas. São coisas que realmente temos que fazer. Mas estas coisas, mesmo lícitas estão nos sufocando. O erro não é o fazer, mas o erro é a dosagem. São coisas que ocupam demais a nossa mente. Temos tanta coisa para fazer, como se fôssemos o personagem mais importante do planeta. E ainda dissemos: “se você tivesse a minha vida…” A Bíblia diz: “há tempo para todo propósito debaixo do céu”. Cuidado com os “cuidados”. Cuidado com as coisas boas que você tem que fazer. Tem muita gente sufocada e acaba por sucumbir, sem crescer e nem produz com perfeição, por causa destes cuidados.

Outra coisa é a riqueza. É quando a riqueza passa a assumir o lugar de Deus. O problema não é a riqueza, mas é o lugar que ela ocupa em nossas vidas. Há muitas pessoas que tem uma vida simples, mas é próspera. Quem busca riqueza, comete o erro de dosagem também. O outro é o erro de percepção. Quem está buscando riqueza, está usando o argumento: “quero o melhor para minha família. Quero dar para o meu filho o que eu não tive”. Eu posso dar aquilo que posso. Enquanto eu tiver forças, vou dando, mas tem coisas que não vou dar. Não posso ganhar tudo na vida. Nem tudo o que eu quero, recebo. Há pessoas que tem uma percepção errada de que está fazendo o melhor para a sua família. Mas na verdade, está roubando o tempo precioso dos filhos, da esposa e etc. Há pessoas que têm dois empregos, três empregos, fica cansado e etc. Tem pessoas que só se encontram em duas posições: ocupados e cansados. Tempo com o filho é roubado, tempo com a esposa é roubado. Você está sendo sufocado. E então você vai até produzir fruto, mas vai ficar limitado. Não vai ser com perfeição. Você já perguntou para Deus se é isto o que Deus quer para você?

Existem três tipos de comunicação: a comunicação superficial, quando você cumprimenta alguém. Tem a comunicação profissional, aquela que usa no dia-a-dia, que usa a linguagem apenas técnica. Mas tem a comunicação sentimental. Esta é aquela que você senta com a sua esposa, e começa a trocar confidências. Há momento no qual a comunicação entre ambos é sim superficial ou até profissional. Mas tem que haver o nível de comunicação sentimental. E quem está sufocado, começa a inverter tudo. Tem gente que se envolve emocionalmente com pessoas no trabalho, quando deveria só ter a comunicação profissional. E dentro de casa, está tendo uma comunicação superficial. Precisamos das três.

Tem muita gente com avareza no coração. Todos que têm a bênção do Senhor são prósperos. A tua casa vai cheirar a saúde, e bênção de Deus.

A terceira coisa são os deleites. São pessoas que pensam em curtir a vida. Que o seu deleite esteja na presença do Senhor e adorá-lO. Está faltando nesta geração, homens e mulheres que aprendam a se deleitar em Deus. Espaços que estão sendo preenchidos com pornografia, com paixões ilícitas, com pecados. Os tais não darão frutos com perfeição! Tem muita gente que se adapta com espinhos. Espeta-se de um lado, vai se entornando. A planta vai se adaptando.

Na parábola, o semeador é o mesmo, as condições climáticas são as mesmas, o que difere é o tipo de solo. Tem gente que está na vida cristã por muito tempo. O primeiro erro dos cuidados foi um erro de dosagem, o segundo foi um erro de percepção, pensando que está fazendo o melhor para Deus. E o terceiro erro é a troca de valores. Troca de foco. O foco já não é mais o Senhor e já não é mais familiar. Você que se encontra sufocado vá ao Senhor. Ele convidou: “vinde a mim, todos vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei”. Você sabe e eu sei que poderíamos crescer um pouco mais. Diga para Deus: “Senhor, ajude-me a corrigir meu foco, a mudar minhas prioridades, quero mudança”.

Por, Marcos Sedecias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »