Salvos pelo sofrimento e morte Dele

Salvos pelo sofrimento e morte DeleO que afinal matou Jesus Cristo? O que o pregou de forma tão cruel sobre aquele madeiro? O que angustiou o Mestre de forma tão dolorida a ponto de Ele suar gotas de sangue? Quais foram os reais motivos que levaram o Filho de Deus a pedir para que, se possível, o cálice fosse retirado? O que fez com que o meu e o seu Senhor e Salvador morresse lentamente e de modo tão terrível?

Afinal, foram as longas sessões de surras antes da via crúcis? Foi a coroa de espinhos que perfurou Seu crânio e Seu cérebro? Foram as incontáveis chibatadas que despedaçaram Sua pele e rasgaram Sua carne? Foi aquela lança que transpassou Seu lado e provocou a completa desidratação do Filho de Deus? Foram os cravos que furaram Suas mãos curadoras e os pés que levavam salvação aos perdidos?

Certamente, Jesus, que conjugava perfeitamente as naturezas humana e divina, sofreu de modo inimaginável e sem precedentes. Mas, com certeza, a natureza divina foi a mais sofredora no evento da crucificação. Afinal, o que poderia doer mais para a encarnação do amor: as terríveis pancadas no corpo ou o desprezo daqueles a quem Ele havia amado? Os ferimentos no corpo ou o peso dos nossos pecados e culpas, que o esmagaram?

Aclamado por anjos desde a eternidade, Ele era a personificação de toda a majestade. Jesus esteve presente, e participou ativamente da criação do universo e, por conseguinte, do planeta Terra. Ele era o Verbo. Compondo a Trindade Divina como Filho de Deus, Ele criou o homem e a mulher, enfim, o ser humano, a coroa de toda a Sua criação. Os fez perfeitos e em troca recebeu a rebeldia.

Os anos, décadas e dispensações foram passando e Ele estava lá, sempre dando uma nova oportunidade para que a Sua criatura fosse transformada em filho. Mas, o homem, na sua ignorância, continua a pensar que pode se virar sozinho, sem se importar com o amor de Deus.

Quando desceu a este mundo vil, Jesus tomou para si a responsabilidade mais complexa que poderia haver: encarnar-se, vir como homem, passar pelas mesmas dificuldades que nós, suportar as mesmas dores, ter os mesmos desafios e padecer o que homem nenhum seria capaz de suportar: a morte de cruz, com a responsabilidade em Seus ombros de levar os pecados de todos nós.

Cuspido, surrado, humilhado, maltratado, desprezado. O Rei dos reis e Senhor dos senhores foi tratado da maneira mais desprezível que poderia existir na história da humanidade. Mesmo ouvindo o escárnio daqueles por quem estava entregando Sua vida, tudo por amor, Ele não abriu Sua boca para maldizê-los, antes rogou ao Pai que lhes desse Seu divino perdão.

Se hoje nós podemos ter as nossas feridas do corpo e da alma curadas é porque Ele as levou sobre Si. Se hoje eu e você podemos entrar na maravilhosa presença de Deus é porque a força do sangue Dele, que foi derramado, nos abriu este caminho. Se hoje nós podemos optar pelo caminho estreito que traz a vida eterna, é porque um dia Jesus Cristo decidiu palmilhar Seus pés pela via dolorosa.

Por, Débora Terezinha Hoffmann.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »