TRANSIÇÃO DE REABERTURA

Diante das informações sugeridas seguiremos as seguintes medidas para a reabertura dos templos sem colocar em segurança a saúde dos membros.

          ORIENTAÇÃO AOS MEMBROS 

                     ESTAR NAS PROGRAMAÇÕES COM MEIA HORA DE ANTECEDÊNCIA
                     ESTAR UTILIZANDO MÁSCARA DE PROTEÇÃO FACIAL 
                    OBEDECER AS ORIENTAÇÕES DO OBREIROS NOS PROCEDIMENTOS DE HIGIENIZAÇÃO.
                    AJUDAR NA FISCALIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS 

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

                   AOS PASTORES DA FAMÍLIA NOVA VIDA

ORIENTAMOS AOS AMADOS PASTORES DA FAMÍLIA DO AMOR QUE A PARTIR DO DIA 22 DE JUNHO ATÉ 20 DE JULHO:

OS ESTABELECIMENTOS RELIGIOSOS
COM CAPACIDADE TOTAL DE ATENDIMENTO IGUAL OU SUPERIOR A 100 (CEM) LUGARES DEVEM
ELABORAR PROTOCOLO INSTITUCIONAL DE FORMA A ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA
AOS SEUS COLABORADORES E MEMBROS QUE MATERIALIZEM AS MEDIDAS ESTABELECIDAS NOS
PROTOCOLOS GERAL E SETORIAL PARA AS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DO ESTABELECIMENTO.
OS ESTABELECIMENTOS COM CONTENHAM MENOS DE 100 (CEM) PARTICIPANTES ESTÃO
DESOBRIGADAS DA ELABORAÇÃO DO PROTOCOLO INSTITUCIONAL E DEVEM ASSINAR TERMO DE
COMPROMISSO, DISPONIBILIZADO NO SITE DA WWW.CEARA.GOV.BR/PESQUISA-CNAE, DE
CUMPRIMENTO DOS PROTOCOLOS GERAL E SETORIAL QUE LHE DIZ RESPEITO E AFIXAR EM
LOCAL VISÍVEL E DE FÁCIL ACESSO A TODOS OS VISITANTES.

SÓ PODERÁ SER REALIZADO DOIS
CULTOS POR SEMANA

OS CULTOS DEVEM TER NO MÁXIMO UMA
HORA DE DURAÇÃO.

DISPONIBILIZAR ÁLCOOL GEL NA
ENTRADA PARA LIMPEZA DAS MÃOS.

FIXAR EM CARTAZ O NUMERO TOTAL DE
MEMBROS E APÓS AS ADEQUAÇÕES O TOTAL DE MEMBROS DENTRO DE CADA ETAPA DA
FLEXIBILIZAÇÃO.

TODOS OS COLABORADORES DEVEM
ESTAR DEVIDAMENTE EM UMA RELAÇÃO FEITA POR ESCRITO PELO RESPONSÁVEL PELA
CELEBRAÇÃO.

AS IGREJAS ACIMA DE 100 MEMBROS DEVEM
 1.4.       OS
ESTABELECIMENTOS RELIGIOSOS COM CAPACIDADE TOTAL DE ATENDIMENTO IGUAL OU
SUPERIOR A 100 (CEM) LUGARES DEVEM ELABORAR PROTOCOLO INSTITUCIONAL DE FORMA A
ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA AOS SEUS COLABORADORES E MEMBROS QUE
MATERIALIZEM AS MEDIDAS ESTABELECIDAS NOS PROTOCOLOS GERAL E SETORIAL PARA AS
CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DO ESTABELECIMENTO. OS ESTABELECIMENTOS COM CONTENHAM
MENOS DE 100 (CEM) PARTICIPANTES ESTÃO DESOBRIGADAS DA ELABORAÇÃO DO PROTOCOLO
INSTITUCIONAL E DEVEM ASSINAR TERMO DE COMPROMISSO, DISPONIBILIZADO NO SITE DA  – WWW.CEARA.GOV.BR/PESQUISA-CNAE,
–  DE CUMPRIMENTO DOS PROTOCOLOS GERAL E
SETORIAL QUE LHE DIZ RESPEITO E AFIXAR EM LOCAL VISÍVEL E DE FÁCIL ACESSO A
TODOS OS VISITANTES.

DISPONIBILIZAR UM LOCAL PARA A
APLICAÇÃO DE ÁLCOOL 70% NOS SOLADOS DOS CALÇADOS.

DISPONIBILIZAR SE CASO NECESSÁRIO
FOR MÁSCARAS DE PROTEÇÃO PARA OS MEMBROS QUE NECESSITAREM.

DEVERÁ HAVER LIMPEZA DOS
BANHEIROS COM ÁGUA SANITÁRIA ANTES E APÓS AS CELEBRAÇÕES.

AS CADEIRAS DEVERÃO ESTAR A
DISTÂNCIA DE UM DOIS METROS  UMA DA
OUTRA, SENDO VEDADA A AGLOMERAÇÃO.

NÃO SERÁ UTILIZADO GELÁGUA.

MICROFONES E COPOS DEVEM SER
RIGOROSAMENTE LIMPOS E DE USO INDIVIDUAL.

A ENTRADA E SAÍDA DEVERÁ SER
FRACIONADA EXPLICADO QUE NÃO SE PODERÁ FICAR REUNIDOS DO LADO DE FORA DOS
TEMPLOS.

AS ORAÇÕES DEVERÃO SER FEITAS COM
IMPOSIÇÃO DE MÃOS EVITAR POR ENQUANTO ABRAÇOS.

CRIANÇÃS SÓ PODERÃO TER AULAS E
PROGRAMAÇÕES JUNTAS A PARTIR DE AGOSTO DE 2020, SEGUINDO AS MESMAS ORIENTAÇÕES
DAS ESCOLAS

QUALQUER DÚVIDA ENTRAR EM CONTATO
COM SEU PASTOR OU LÍDER!

 
 

                                                                                        Pr.Pres. Silvanio Pimentel 

PROTOCOLO  ATIVIDADES RELIGIOSAS – FASE 2

  1. NORMAS GERAIS
    • Os municípios que sejam autorizados por Decreto Estadual e Municipal a ingressarem na Fase 2 terão atividades religiosas presenciais liberadas restringindo-se à lotação máxima autorizada de 20% da capacidade total de atendimento do estabelecimento; 50% para a Fase 3 e 100% para a Fase 4. Em qualquer Fase do Plano de Reabertura Responsável, a densidade de pessoas simultaneamente presentes no estabelecimento não pode exceder 1 (uma) pessoa a cada 12 (doze) metros quadrados.
    • Antes do retorno das atividades religiosas presenciais cada estabelecimento deverá dimensionar sua capacidade total de atendimento a partir da área útil disponibilizada para os frequentadores de tal maneira que se acomodem sentados, aplicar o percentual de restrição de lotação máxima da Fase em que seu município se encontra e afixar, em locais visíveis e de fácil acesso, placas, cartazes, cartilhas ou quaisquer outros meios de comunicação, informando a capacidade total do estabelecimento, metragem quadrada da área útil disponibilizada, quantidade máxima de frequentadores permitida na fase, e o responsável pelos efeitos legais e sanitários do local.
    • Não entrarão no limite estabelecido no Protocolo os colaboradores que dão apoio nas organizações religiosas para a realização da celebração. Essa relação deve ser feita por escrito, pelo responsável, contendo os dados e funções dos colaboradores, e ficar disponível para apresentação à fiscalização.
    • Os estabelecimentos religiosos com capacidade total de atendimento igual ou superior a 100 (cem) lugares devem elaborar Protocolo Institucional de forma a estabelecer medidas de segurança aos seus colaboradores e membros que materializem as medidas estabelecidas nos Protocolos Geral e Setorial para as condições específicas do estabelecimento. Os estabelecimentos com contenham menos de 100 (cem) participantes estão desobrigadas da elaboração do Protocolo Institucional e devem assinar Termo de Compromisso, disponibilizado no site da www.ceara.gov.br/pesquisa-cnae, de cumprimento dos Protocolos Geral e Setorial que lhe diz respeito e afixar em local visível e de fácil acesso a todos os visitantes.
    • Adicionalmente, cada estabelecimento só poderá retornar as atividades religiosas quando implementando procedimento de controle de presença dos membros frequentadores de forma a evitar aglomerações de membros na entrada de cada celebração religiosa para além da capacidade de atendimento de cada estabelecimento. Será de responsabilidade da organização religiosa quanto à escolha e ao meio de controle de presença estabelecido para a realização das celebrações. Caso o procedimento de controle se mostra ineficaz, o estabelecimento deverá suspender suas atividades religiosas presenciais até que se aperfeiçoe o seu controle de acesso.
    • Escolas de cunho religioso e reuniões com características similares a aulas, orientações e treinamentos estão proibidas de forma presencial enquanto a as atividades escolares de forma geral estiverem suspensas. Quando da sua liberação estas atividades deverão seguir protocolo específico.
    • Preferencialmente, adotar celebrações, encontros e grupos de maneira virtual e remota para a realização de cultos, missas e rituais de qualquer credo ou religião, inclusive o trabalho remoto para os setores administrativos.
    • Reuniões internas nos estabelecimentos para organização de atividades religiosas ou estudos, devocionais, entre outros, preferencialmente, devem ser realizadas por teleconferência.
    • Os responsáveis pelos estabelecimentos e os líderes religiosos deverão orientar aos seus frequentadores que não poderão participar das atividades caso apresentem algum dos sintomas da COVID-19, respeitando a integridade do próprio indivíduo e dos demais.
    • Vedar a entrada e a permanência de pessoas que não estiverem utilizando máscara de proteção facial, devendo estar assegurada que todas as pessoas, ao adentrarem no recinto, estejam utilizando máscara e que todos os membros estejam utilizando a proteção durante todo o período em que estiverem no interior do estabelecimento religioso.
    • Evitar aglomerações no interior e exterior dos locais que sejam realizadas as atividades religiosas, mantendo um afastamento mínimo de 2 (dois) metros de uma pessoa para a outra. Em caso de formação de filas, dentro ou fora do estabelecimento, antes, durante ou depois da celebrações, deverão ser obedecidas as medidas de prevenção quanto ao distanciamento mínimo (com as devidas demarcações realizadas pelo estabelecimento) e ao uso de máscaras e EPI’s do Protocolo Geral. A organização religiosa deverá disponibilizar colaborador dedicado exclusivamente para organizar e orientar as filas, dentro e fora do estabelecimento.
    • Realizar a abertura, onde houver, de múltiplas entradas com a finalidade de manter uma distribuição maior e evitar aglomerações. Durante a entrada e a saída, as portas devem permanecer abertas para favorecer o fluxo mais seguro e evitar o contato com as portas e maçanetas.
    • Preferencialmente devem ser disponibilizadas cadeiras e bancos de uso individualizado, em quantidade compatível com o número máximo de participantes autorizados para o local.
    • Caso o estabelecimento religioso dispuser de assentos fixos, estes deverão ser disponibilizados de forma alternada entre fileiras de bancos, devendo estar bloqueados de forma física aqueles que não puderem ser ocupados e obedecendo a um distanciamento mínimo de 2 (dois) metros de distância . Se o estabelecimento utilizar cadeiras, estas devem estar espaçadas mantendo a distância segura. A disposição dos usuários entre as fileiras também deve ocorrer de forma intercalada, uma fileira sim e outra não, respeitando o afastamento entre as pessoas.
    • Para as pessoas enquadradas no grupo de risco, aqueles com idade e comorbidades descritas pela Organização Mundial de Saúde e pela Secretaria de Saúde do Ceará, é recomendado que as pessoas acompanhem as celebrações por meios de comunicação como rádio, televisão, internet, entre outros recursos. Alternativamente, membros do grupo de risco poderão agendar previamente com os líderes religiosos aconselhamento individual presencial. Não é recomendada a participação de pessoas do grupo de risco nas celebrações em grupo.
    • O aconselhamento individual, para qualquer que seja o membro, deverá ser realizado através de horário agendado e obedecendo ao distanciamento mínimo recomendado.
    • Em caso de partilha de alimentos e bebidas de cunho religioso, estes devem ser fornecidos pré-embalados e em porções individuais. O celebrante e os seus auxiliares devem estar com as mãos higienizadas adequadamente, utilizando luvas descartáveis, máscaras e tomando o máximo cuidado para oferecer os alimentos e bebidas sem entrar em contato com os membros.
    • Os contatos físicos entre os frequentadores, antes, durante e depois da realização de celebrações religiosas, deverão ser evitados práticas de aproximação entre as pessoas, adotando novas maneiras de cumprimento, como a substituição de abraços, beijos e apertos de mão por um sinal da paz ou usando saudação em linguagem gestual, mantendo a distância física.
    • Para celebrações que envolvam músicas, permitir a presença de apenas um cantor e um instrumentista, espaçados adequadamente. O uso de instrumentos musicais e microfone deve ser individual. Esses devem ser desinfetados após cada uso.
    • Dentro das possibilidades, o líder religioso ou responsável pelo grupo da atividade, realizará, em caráter educativo, explanação sobre os cuidados para o combate a COVID-19 aos membros durante a celebração.
    • Espaços destinados à recreação de crianças como espaço kids, brinquedotecas e similares devem permanecer fechados.
    • Vedar o consumo de produtos alimentícios no interior do estabelecimento proveniente de cantinas, praça de alimentação, entre outros.
    • O método de coleta das contribuições financeiras deve ser revisto de forma a não haver contato físico. É vedado o compartilhamento entre as pessoas (passagem de mão em mão) de caixas e recipientes utilizados para a coleta de doações, contribuições financeiras, entre outros. O estabelecimento religioso deve fornecer mecanismo para este fim e este deve estar contido, visivelmente, nas regras fixadas no estabelecimento.
  2. TRANSPORTE E TURNOS
    • Obedecer, no mínimo, um intervalo de 2 (duas) horas entre as celebrações presenciais, de modo a evitar aglomerações internas e nas proximidades dos estabelecimentos religiosos.
  3. EPI’S
    • Os estabelecimentos religiosos deverão disponibilizar e exigir o uso das máscaras e luvas descartáveis e outros EPIs em quantidade e qualidade adequada para os colaboradores e voluntários para a realização das atividades.
    • Dentro do possível, os estabelecimentos religiosos devem fornecer máscaras descartáveis para os frequentadores que não possuem o EPI, instruindo-os sobre sua utilização durante toda a celebração, vedando a entrada daqueles, por qualquer razão, não estejam utilizando máscara.
  4. SAÚDE DOS MEMBROS E COLABORADORES
    • Os estabelecimentos religiosos devem realizar a medição da temperatura, mediante termômetro infravermelho sem contato, dos frequentadores na entrada dos estabelecimentos religiosos, ficando vedado o acesso daqueles que apresentarem temperatura igual ou superior a 37,5°. Esta medida é uma recomendação às organização religiosas que inciam suas atividades na Fase 2 e passa a ser uma obrigação na Fase 3.
    • Afastar os colaboradores e voluntários das atividades e do atendimento ao público que apresentarem sintomas da COVID-19 pelo período mínimo de 14 (quatorze) dias, orientando-os para buscarem orientações médicas.
    • O responsável pelo templo deve orientar os membros e demais frequentadores sobre práticas preventivas cotidianas como uso de máscaras, higiene das mãos, etiqueta respiratória, bem como a não comparecerem nos cultos, missas e outras celebrações caso apresentem sintomas gripais (tosse, dificuldade para respirar, febre, entre outros), bem como se forem diagnosticados como casos suspeitos ou confirmados de contaminação pela COVID-19.
  5. CONDIÇÕES SANITÁRIAS
    • Disponibilizar na entrada dos estabelecimentos, porta de acesso da secretaria, salas, confessionários, corredores e/ou outros ambientes, sistema para higienização das mãos, lavatório com água e sabão, preparações alcoólicas a 70% e/ou outros sanitizantes de efeito similar, certificando que as pessoas ao acessarem e saírem do estabelecimento realizem a higienização das mãos.
    • Disponibilizar na entrada dos estabelecimentos sistema para higienização e desinfecção de calçados, como tapete sanitizante com solução de hipoclorito de sódio a 2% ou similar (pedilúvio).
    • Dar preferência à ventilação natural, com portas, portões e janelas totalmente abertas. Caso seja utilizado sistema de ar condicionado, garantir o cumprimento da legislação e orientações dos fabricantes referentes às manutenções e higienização do sistemas de ar condicionado bem como ampliar a renovação de ar do estabelecimento religioso. Fazer a troca mensal dos filtros de ar, realizar limpeza semanal de bandejas e usar pastilhas sanitizantes em todas as badejas. Realizar vistorias periódicas nos equipamentos e sistemas de ar condicionado do estabelecimento para monitorar e reforçar as ações de limpeza e desinfecção.
    • Realizar serviços de limpeza, pelo menos uma vez por período (manhã, tarde e noite), bem como antes e depois das celebrações para garantir a higienização contínua dos estabelecimentos religiosos. Intensificando a limpeza das áreas com desinfetantes próprios e desinfecção das superfícies expostas, como maçanetas, cadeiras, assentos, bancos, interruptores, inclusive dos equipamentos musicais, entre outros.
    • Como medida de comunicação, todos os estabelecimentos deverão dispor, na entrada do local, cartilhas, placas e/ou outros meios, informando aos membros sobre as medidas que estão impostas no estabelecimento, preferencialmente na entrada, banheiros, entre outros. Incluindo o compartilhamento destas informações por meio eletrônico como redes sociais, aplicativos, e-mails e outros.
    • Vedado o compartilhamento de materiais religiosos como bíblia, revista, rosário, entre outros. O uso desses deve ser individual. Dispensadores de água benta ou outro elemento de consagração de uso coletivo devem ser bloqueados.
    • Desativar todos os bebedouros. Recomenda-se que os membros levem seus recipientes individuais com água, sendo o vedado o compartilhamento destes.
    • Caso exista, os locais para refeição dos colaboradores deve ser organizado em escalas para utilização deste espaço de forma a evitar aglomerações e cruzamento de pessoas no local, além de garantir o afastamento físico entre as pessoas com distância mínima de 2 (dois) metros e demais medidas de prevenção já previstos nesse Protocolo.
    •  
    •  
    •  
    •  

Todos contra o corona vírus

Provérbios 24:11 | Livra os que estão destinados à morte e salva os que são levados para a matança, se os puderes retirar.

Fale com o Pastor
Olá somos a família do amor!
Olá somos a família do amor em que podemos ajudar!