Quando os pais têm predileção por um filho

Quando os pais têm predileção por um filhoDesde que nascemos vamos construindo um sistema de valores particular, a partir de regras e conceitos recebidos pela família e por educadores próximos, como professores, parentes e amigos. Desta forma estabelecemos conceitos pré-concebidos, ou preconceitos, que dirigirão expectativas e decisões futuras – escolhemos cônjuges, hobbies, amigos, estilo de vida, e até mesmo padrões de comportamento.

Mesmo solteiros, ao estabelecermos o perfil da pessoa com quem nos casaremos, idealizamos em nossa mente um padrão de criança que desejamos, que amplie as nossas competências e anule os nossos defeitos. Um filho, antes de nascer, já carrega, ainda no útero, todo o peso das expectativas dos pais, que a todo o momento se perguntam como será sua aparência, se será arteiro como o pai ou manso como a mãe, se terá os olhos verdes do avô ou a altura do tio.

Quando nasce, a criança pode se tornar a menininha do papai, o filhinho da mamãe, onde sua verdadeira identidade vai se fundindo com as nossas expectativas, de tal modo que não enxergamos suas verdadeiras características, ou até mesmo ignoramos seus defeitos, pois apontá-los seria o mesmo que revelar nossa incompetência como pais. Outras vezes, nos identificamos com o filho que temos e gostaríamos de ter sido, ou nos enxergamos em um filho intensamente – ele é a nossa cópia e o nosso avesso.

O fato de ocorrer uma maior identificação com um filho do que com outros é absolutamente normal. Há filhos que assimilam os mesmos gostos, nascem com um temperamento mais parecido com o nosso, e que se comportam de uma forma que gostamos: são estudiosos, inteligentes, alegres, bagunceiros, arteiros, amorosos ou bem humorados. Parecem possuir tudo o que apreciamos, e passamos a acreditar que estas são mais fáceis de amar, que dão menos trabalho ou demandam menos atenção.

Na verdade, ao perceber uma maior identificação com um filho do que com outros, os pais não podem eleger um filho como o preferido, tratando-o com mais honra ou consideração, em detrimento dos outros. Mesmo os filhos mais parecidos são diferentes, e conhecer as diferenças de opiniões e de genialidade, bem como descobrir outros olhares e formas de pensar de nossos filhos, pode ser o principal fator do prazer da paternidade e da maternidade. Afinal, ser pai ou mãe é se aventurar no mundo de outros, interferindo, formando e moldando, seres pensantes, inteligentes e livres, diferentes de quem somos.

Infelizmente, há casais onde os dois cônjuges elegem um dos filhos como o predileto, outros em que um dos pais tem predileção por um dos filhos, e ainda há aqueles em que cada um escolhe um filho, muitas vezes ampliando uma rivalidade do casal, organizado por uma disputa interna na família. Na Bíblia temos o triste exemplo de um casal que tomou esta direção: “Isaque preferia Esaú, porque gostava de comer de suas caças; Rebeca preferia Jacó” (Gênesis 25.28).

Isaque havia sido uma criança perseguida pelo seu meio irmão Ismael, que sendo mais velho zombava dele (Gênesis 21.9), e assistiu Ismael ser expulso do meio de sua família. Quando se torna pai, acaba por preferir um dos filhos, Esaú, por ser homem do campo, exímio caçador como ele, e que gostava de comer de sua comida. Rebeca, que ficava em casa, gostava do fato de seu filho Jacó ser caseiro, homem de tendas, sossegado, que cuidava do rebanho e sempre lhe fazia companhia. Foram desenvolvendo mais que afinidades, a ponto de Rebeca armar um plano para favorecer seu filho predileto no momento da bênção da primogenitura. Os resultados destas predileções foram nefastos: o patriarca foi enganado; dois irmãos se tornaram estranhos por esse motivo; Jacó teve que sair de casa e acaba sofrendo várias vezes do engano e da mentira que provocou (mas futuramente repete o mesmo erro com José, que sofre na mão dos irmãos preteridos), e nunca mais Rebeca viu seu filho na vida!

A predileção por um dos filhos destrói uma família. Afasta irmãos que se amam, que podem e devem ser diferentes exatamente para poderem aprender a lidar com diferenças e contrastes, a negociar competências e saberes. Fazer do filho preferido um pequeno “reizinho” imaturo, que se torna um adulto prepotente, que pensa que terá sempre seus desejos realizados pelo mundo que o cerca – o que não acontece, o que gera muitas desilusões e sofrimentos, até o possível aprendizado e ganho de maturidade.

E o que dizer dos filhos preteridos, que se sentem inferiorizados, menos amados, que percebem que as regras da casa para eles são mais duras, os olhares menos compreensivos, os afetos menos efusivos? Muitos levam anos para reconhecer que a falha não estava neles, que eles nasceram com gostos diferentes de seus pais, que a pele mais clara é resultado da genética, que nada fizeram de errado para se sentirem tão rejeitados!

Na verdade, não há filhos mais certinhos ou bonzinhos. Nosso amor torna nossos filhos fáceis de serem amados, nossa atenção e autoridade fazem deles filhos mais obedientes e dóceis. Há filhos diferentes, que exigem mais sabedoria e paciência. Há filhos mais bagunceiros e teimosos, que precisam de mais diálogo e de novas regras. Há filhos mais falantes e agitados que gastam mais nossa energia e atenção. Como todos nós temos oportunidades únicas de, a cada fase do desenvolvimento deles, aprender, negociar, trocar e amá-los pelo que são, esmerando-nos para fazer o melhor de modo a moldá-los para o mundo e para Deus – sempre lembrado que cada filho merece e precisa de um molde único e particular, que é a mesma forma exclusiva de Deus nos amar!

Por, Elaine Cruz.

2 Responses to Quando os pais têm predileção por um filho

  1. Camila disse:

    Oi, me chamo Camila. Sofro c a diferenciação entre eu e meus irmãos. Somos 3 filhos, eu sou a do meio, o mais velho é um homem, e a mais nova. Sofro c a predileção por eles dois, meus pais tem os meus dois irmãos como prediletos, fazem tudo por eles, tratam bem e até demais, tudo é feito c boa vontade e rapidez.Já eu tenho sempre q esperar, as coisas p mim são feitas de má vontade e de qualquer jeito. Hj estive chorando e perguntando a Deus o q há cmg, pqeles n gostam de mim assim como dos meus irmãos, mas busquei forças em Deus, pq aqui neste lar, é só eu e Ele, é o meu Deus e Pai de verdade q me adotou por amor, e o amor dele é q é importante p mim. Juntei forças e fui estudar. N sei se alguém lerá essas palavras, é apenas um desabafo. E vc w se sente assim, triste, sem forças, se sente só pq nem mesmo pode contar c sua família… Feche seus olhos e peça de coração q o seu Pai q estás nos céus te adote tb, pq ele cuida c amor, carinho e noa faz fortes mesmo qndo a maré q tenta nos afogar é a nossa própria família.
    Obrigada!

    • Francisco Wlademir Galvan disse:

      Olá Camila. Não sei se sua família também serve a Deus, mas certamente é por você ama-lO que sofre as aflições. No mundo tereis aflições, disse Jesus, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. Fique firme com Jesus e você vai ser muito feliz. Continue amando seus familiares. Que Deus te abençoe grandemente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »