É proibido o cristão cobrar juros?

O texto que orienta os judeus a não cobrarem juros de seus compatriotas (Deuteronômio 23.19, 20), vale hoje em dia para a Igreja?

É proibido o cristão cobrar jurosO texto de Deuteronômio 23.19, 20 trata do amor prestativo e sociável que deveria distinguir o povo de Deus de outros povos. Esta realidade está descrita também em Deuteronômio 22.1-4, e, tem por finalidade demonstrar que as ações de bondade não podem visar lucro quando seu objetivo busca aliviar a dor de seu irmão. O versículo 19 destaca que os empréstimos eram normalmente feitos com o objetivo de aliviar uma necessidade pessoal e não poderiam ser tratados como oportunidade de lucro ou vantagem entre o povo de Deus. Aqui há um princípio bíblico que orienta não desejar lucro no ato da caridade.

A condenação bíblica está relacionada ao desejo de obter lucro diante da necessidade alheia. Lemos em Deuteronômio 15.7-8: “Quando entre ti houver algum pobre de teus irmãos, em alguma das tuas portas, na tua terra que o Senhor, teu Deus, te dá, não endurecerás o teu coração, nem fecharás a tua mão a teu irmão que for pobre; antes, lhe abrirás de todo a tua mão e livremente lhe emprestarás o que lhe falta, quanto baste para a sua necessidade”. Em Provérbios 14.31 diz: “O que oprime ao pobre insulta aquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado honra-o”.

F.F. Bruce destaca que os “empréstimos eram feitos geralmente para socorrer alguém em desgraça financeira, e o amor fraternal proibia a cobrança de juros nessas circunstâncias”.

No versículo 20 a cobrança de juros ao estrangeiro era permitida, uma vez que a finalidade estava relacionada à atividade comercial, e não de caridade. Na relação comercial há interesse mútuo de benefício, ou seja, ambos recebem vantagem, assim, a cobrança de juros torna-se legítima, desde que o princípio da justiça seja sempre observado. Cristo demonstrou numa parábola que um homem foi censurado por não ter aplicado um recurso que lhe foi dado junto “aos banqueiros”, permitindo um entendimento de que é legítimo receber juros por um recurso aplicado (Mateus 25.26, 27; Lucas 19.22, 23). Neste caso, o recurso aplicado não está relacionado no atendimento de uma necessidade pessoal de alguém.

É importante destacar que o empréstimo a juros deve subordinar-se à legislação específica de uma nação, que, no caso do Brasil, não admite “agiotagem”, ou seja, uma prática de cobrança de lucros exagerados, abusivos e feito à margem do Banco Central. Somente uma instituição financeira credenciada nos órgãos econômicos oficiais pode prestar este serviço. Quanto à usura das instituições financeiras, seus gestores devem observar sempre a justiça. A Bíblia reprova qualquer relação financeira baseada na obtenção de vantagem abusiva.

Os abusos sempre são encontrados onde existe ganância. Jesus incentivou a prática da amabilidade e hospitalidade na solução de problemas entre credores e devedores. A Bíblia Sagrada nos orienta em não devermos nada a ninguém e sim que possamos usar nossos recursos de forma sábia, evitando dessa maneira o fardo de uma dívida.

Por, Eliel dos Santos Gaby.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »