Parada cardíaca, morte e retorno à vida

Esposo ora em corredor de hospital e Deus age; chance de reversão era menos de 2%

Parada cardíaca, morte e retorno à vidaO dia 18 de fevereiro de 2017 parecia ser mais um típico sábado do caloroso verão do Rio de Janeiro (RJ) para a família do pastor Flávio Santana da Silva, 3º vice-presidente da Assembleia de Deus Ministério de Cordovil, presidida pelo pastor Francisco José da Silva. Porém, por volta de 13h, sentados à mesa para o almoço, momento de grande aflição tomou a todos de surpresa. “Após prepararmos a mesa, o meu filho mais novo, Matheus fez a oração dando graças pelo nosso alimento. Também estavam presentes à mesa, eu, minha esposa Fabiana, minha filha Ana Beatriz e a minha sogra dona Carmen. No inicio de nossa refeição, Fabiana colocou a mão em seu peito, tentou me chamar, mas não conseguiu. Ela parecia estar engasgada. Ao ameaçar cair ao chão, eu a segurei pelo braço. Nesse momento ela começou a ter convulsões. Meus filhos entraram em total desespero”.

Em ações conjuntas, todos se mobilizaram em busca de uma solução. A filha ligou para a emergência, porém eles não atenderam. A ação seguinte, a pedido do pastor Flávio, foi sair à rua para gritar pedindo socorro. “Durante isso eu comecei a clamar a Deus pela vida da Fabiana, enquanto o meu filho gritava desesperadamente: ‘ajuda a mamãe papai! Ajuda ela!’”.

Atendendo ao pedido de socorro, rapidamente os vizinhos chegaram e juntos a conduziram ao hospital mais próximo, o Getúlio Vargas. No carro, durante o trajeto, pastor Flávio conta que fazia massagem cardíaca na esposa e orava ao Senhor, mas não conseguia sentir nenhum sinal vital dela. Ao chegarem ao hospital, aos gritos de “parada cardíaca, parada cardíaca!”, a irmã Fabiana foi retirada do veículo e recebida pelos enfermeiros com a maca em direção à emergência.

“A partir daí, não havia mais nada que eu pudesse fazer a não ser clamar ao Senhor. No meio daquele corredor, dobrei os meus joelhos, coloquei o meu rosto no chão e clamei: ‘Meu Deus, tem misericórdia! Livra a minha esposa da morte! Conceda-nos este livramento!’”

Foram 20 longos minutos aguardando notícias, quando aparece um médico e uma psicóloga, que se dirigem ao pastor Flávio e perguntam: “O senhor é esposo da senhora Fabiana Gonçalves Adinolfi Santana da Silva?”. Respondendo positivamente, respirando profundo, todo trêmulo, sem sentir o chão embaixo de seus pés, Flávio perguntou como ela estava.

“O médico, chorando, me disse que ela deu entrada na emergência daquele hospital com morte súbita, após um ataque cardíaco. Ele me contou que tiveram que reanimá-la como desfibrilador e somente na quinta e última tentativa, eles conseguiram reanimá-la. Depois ela foi colocada em coma induzido. Para mim, ficou mais que provado que Deus havia feito o milagre, pois o médico me informou que na idade de minha esposa, 37 anos, as chances de sobreviver a este tipo de situação é baixíssima, menos de 2%”.

Flávio foi informado que até aquele momento a equipe médica não sabia o que havia acontecido, o tipo de parada cardíaca e o que a havia provocado. Eles estavam avaliando que sequelas os 40 minutos que ela passou sem vida poderia deixar.

Após 24 horas, irmã Fabiana foi transferida para outro hospital em uma UTI móvel. O novo hospital possuía maiores recursos, como uma Unidade Coronária Intensiva (UCI), onde ela permaneceu por vinte dias, sendo que quatro destes dias em coma induzido. Ao acordar de seu coma, a melhora foi algo constante e miraculoso. “Todos os dias os médicos daquela UCI se maravilhavam com o que Deus estava fazendo”, comenta pastor Flávio.

Passados aqueles dias, deu-se inicio então a uma bateria de exames em busca de um diagnóstico para avaliar o grau de sequelas acarretadas pelo problema.

Segundo pastor Flávio, os médicos decidiram implantar um Cardioversor Desfibrilador Implantável (CDI), pois não sabiam se o mal aconteceria novamente, e naquele dia os médicos lhe falaram que sua esposa andaria com algum tipo de dificuldade e a sua cognição estava comprometida. Assim, marcaram a cirurgia para o dia seguinte.

“Eu fui para o meu quarto, local que eu tornei única e exclusivamente para oração. Ali, naquele lugar comecei a clamar ao nosso Senhor, que faz a obra completa e disse em oração a Ele: “Senhor, basta uma palavra tua me dizendo que tudo está bem, para que tudo fique bem, mesmo que os médicos digam o contrário”. Naquele momento, conta pastor Flávio: “entrou um vento forte em meu quarto, o qual bateu a porta, e eu ouvi claramente uma voz que me disse: ‘Está tudo bem!’ Comecei a chorar na presença de Deus e me lancei com o rosto ao chão e comecei a agradecer e glorificar a Deus. Ao me levantar, percebi que a minha Bíblia estava aberta. Ao pegá-la, comecei a ler um versículo marcado no Salmo 46, que diz: ‘Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado sobre a terra’ [v.10]”.

No dia seguinte, pela manhã, ao chegar ao hospital o pastor recebeu a noticia de que a cirurgia não seria feita mais naquele dia. Sem entender direito, mas com total convicção no coração de que Deus estava no controle de tudo, ainda digerindo a informação, certo de voltar no dia seguinte, o médico o chamou e falou que queria lhe mostrar uma coisa.

“Ele me pediu para que o acompanhasse. Segui o médico até o momento que ele parou e disse: ‘Veja a sua esposa’. Quando eu olhei, ela estava andando normalmente pela primeira vez. Não contive o choro e comecei a glorificar a Deus. Aquilo foi mais uma resposta de Deus a todos que estavam intercedendo por nós. No dia seguinte ela implantou o CDI”, lembra.

Segundo pastor Flávio, “nunca se ouviu falar naquele hospital de uma paciente que passou vinte dias no CTI, somente um dia no quarto e teve alta, saindo andando do hospital, como se nada tivesse acontecido”.

Depois de todo este processo que durou cerca de um mês, hoje a irmã Fabiana se encontra levando uma vida de total normalidade, inclusive ajudando mais ainda no ministério de seu esposo. Sem nenhuma sequela.

“Deus é Fiel! Ele me deu aminha esposa pela segunda vez, e farei valer cada minuto ao lado dela. Muitas igrejas se uniram no propósito de orar pela cura e recuperação dela e o Senhor atendeu ao nosso clamor. Glorificado seja o nome do Senhor! Agradeço a todos os pastores, a todas as igrejas, irmãos, Círculos de Oração. Bem, a todos sem exceção, que intercederam por nós. Deus os abençoe poderosamente! Glória a Deus!”, celebra pastor Flávio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »