Os nomes do leões–identificando inimigos de Israel

Os nomes do leões–identificando inimigos de IsraelDaniel foi traído por pessoas que lhe eram próximas. Tais leões unen-se a outros. A Igreja experimentava ainda seus primeiros passos e já a perseguição grassava à sombra da águia romana. Lançados para entretenimento das massas, nossos irmãos foram entregues às feras e testemunharam com sangue sua fé em Jesus. Talvez lhes houvesse ocorrido, no momento derradeiro que o Senhor operaria algo sobrenatural e glorificaria Seu nome através de uma manifestação de poder e força. Todavia, prouve a Ele permitir a manifestação da resistência do fraco diante dos poderosos e a nobreza de não negá-lo, mesmo diante da morte iminente. Deus permitiu e os leões os mataram.

Davi era tão somente um dentre os menores pastores de uma pequena casa da tribo de Judá. Cuidava de ovelhas de pouco valor, dedicando-se a cuidar de animais malhados, inúteis para os rituais dos sacrifícios, fato de especial destaque quando se sabe que era especialmente da região de Belém que procediam os animais para o serviço do Templo. O jovem cuidava dos rejeitados para o serviço mais digno com o mesmo zelo que devotaria aos valiosos animais sem mácula, se seu pai os possuísse. Uma das marcas de sua dedicação está em que lutou contra um leão e o derrotou. Teria valido uma luta dessa natureza para proteger uma rebanho de menor importância? Certamente que sim. Davi lutou por aqueles que lhe foram confiados e, tendo sido fiel no pouco, foi posto sobre o rebanho do Pai, o povo de Israel. Deus permitiu e o filho de Jessé matou o leão.

Leões nos matam, se esse for o propósito do Senhor. Matamos leões, se assim a Ele aprouver. Porém, não apenas de vida e de morte é estabelecida nossa relação com esses grande felinos. Segundo a mesma, soberania, por vezes é estabelecido que as feras permanecem vivas, porém, dormentes. Foi o que aconteceu nos dias do rei Dario. O monarca vivia a experiência renovadora de um governo descentralizado, com a divisão do reino em 120 governadores liderados por três príncipes, dentre os quais Daniel, servo de Deus, e esses três sob as ordens diretas rei. A funcionalidade de tal estrutura foi desafiada pela proposta, à contramão do projeto real, de fazer chegar toda e qualquer petição – e, portanto, resolução – dos domínios persas à presença do rei. Uma proposta certamente inviável, mas bem ao gosto da vaidade de um líder, talvez atemorizado diante da aparente perda de poder que a descentralização traz. A forma distribuída do poder decisório cedeu lugar à exclusividade judicial de um homem, sob os aplausos dos aduladores. Nesse contexto, Daniel é acusado e lançado a cova. Provavelmente, bastaria um leão faminto para destruir-lhe a vida, mas o texto cita uma pluralidade que não iremos desconsiderar. O que o texto não cita, mas podemos imaginar, são os seus nomes. Vaidade, esse deve ter sido um dos nomes dos leões. Não fosse por vaidade, Dario sendo tão sábio, não teria cedido aos apelos dos inimigos de seu servo, mas as palavras deles foram-lhe agradáveis aos ouvidos. Vaidade não estava só; com ela, Inveja também povoava o ambiente da prova de Daniel. Seus inimigos reconheciam-lhe a excelência em muitos aspectos e não podiam suportar que sobre todo o império, abaixo do rei, ele se destacasse. Por inveja tramaram a destruição de sua vida. Some-se a isso um leão chamado Falso Amigo – é companheiro de Traição e também reparte os despojos com a Inveja. A Bíblia não diz que Daniel saiu a público para fazer suas orações. Era na intimidade de seu quarto que o servo do Senhor orava, portanto qualquer que o tenha visto gozava de certo acesso à sua casa e aos cômodos interiores.

Daniel foi traído por pessoas que lhe eram próximas. Tais leões unem-se a outro, o Ódio aos Altos Padrões, fera recorrente nos ataques aos santos do Altíssimo no decorrer da História. Ele desafia a Santidade, pois não a tolera, tampouco a compreende. Dessa forma cercado, que resultado senão a morte traria o amanhecer do dia seguinte? Qual não foi a surpresa de todos, inclusive do arrependido monarca ao ouvir a voz do príncipe? Deus decidiu: os leões não matariam Daniel; tampouco Daniel os mataria; o previsível sucumbiria nesse episódio e os leões dormiriam.

O Deus que pode adormecer feras pode destruí-las prontamente. No entanto, há momentos e razões para mantê-las vivas e negar-lhes o banquete. Do ocorrido, algumas máscaras foram arrancadas e as intenções revelaram os verdadeiros leões. Talvez o Altíssimo houvesse decidido segundo um raciocínio do próprio Daniel que, ao contemplar os animais famintos pode ter sido consolado com a certeza de que as verdadeiras bestas estavam fora da cova.

Medito estas coisas enquanto examino os últimos acontecimentos relativos aos manuscritos do Mar Morto. Cedidos ao governo do Canadá por Israel para uma das muitas exposições que circulam no mundo para o acesso a essa descoberta do maior número de pessoas, foram requisitados pelo governo da Jordânia que elegeu direito de posse do material. Segundo o blog Shalom Israel, “a acusação é feita pelos árabes de que Israel se apossou dos manuscritos, na altura guardados no Museu Rockfeller, e os transferiu para o Museu de Israel”. O conjunto de cerca de 900 documentos e textos bíblicos compõe uma das maiores descobertas arqueológicas do século 20, incluindo algumas únicas cópias conhecidas de textos bíblicos escritos antes do ano 100 a.C. Os documentos foram copiados por uma comunidade judaica num tempo de presença indiscutível dos judeus na Terra Santa. Apesar disso, Israel jamais alegou ser “dona” dos documentos, mas sua “guardiã”, detendo o direito de conservação e exibição. O Canadá já declarou que as divergências sobre a propriedade dos manuscritos deveriam ser resolvidas entre Israel, a Jordânia e as Autoridades Palestinas, não cabendo ao seu governo interferir. A exposição encerrada no domingo último (março de 2010) no Royal Ontário Museum trouxe à tona a verdade de alguns leões ocultos de vaidade, inveja e traição que assustam pela ousadia mas não detém poder para destruir. Anoréxicos dormirão e o Senhor guardará Israel da fúria dos destruidores.

Por, Sara Alice Cavalcante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »