Orientando filhos para a futura profissão

Orientando filhos para a futura profissãoQuando o ser humano chega à juventude, sente necessidade de planejar o seu futuro. A sociedade fixa metas altas e ambiciosas, deixando-os embaraçados e inseguros. Talvez você, pai, não saiba como colaborar com essa fase da vida de seus filhos. Não sabe se o pressiona, se permite autonomia quanto a determinadas decisões etc. Por ser normal eles terem dúvidas acerca das difíceis escolhas que precisam fazer e mudarem algumas vezes de ideia, os pais podem ficar temerosos quanto ao futuro dos filhos. Até onde eles devem dirigir a si mesmos nesse momento da vida? Para esses e outros questionamentos, é essencial mostrá-los onde entra Deus em tudo isso.

A Bíblia nos diz em Provérbios 19.21: “Muitos são os planos no coração do homem, mas o desígnio do Senhor, esse prevalecerá”. Nós é que fazemos nossas escolhas, mas o Senhor é quem as ratifica, por isso devemos colocar o Senhor à frente de qualquer decisão que tenhamos que tomar. Há um provérbio popular que afirma: “Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você”. E dentre as escolhas mais importantes da vida, está a profissional. Ela determina o ajustamento pessoal e social do indivíduo e, consequentemente, todo o seu futuro. Por isso, os pais devem colaborar, informar e orientar os filhos em tal área durante toda essa trajetória.

1. Em busca do sucesso

O Jovem cristãos deve se preocupar em construir uma carreira e buscar o sucesso profissional e financeiro, sim! Mas, o que é sucesso? O que é “sucesso”? Veja bem, “sucesso” para Deus é diferente de “sucesso” para o mundo. A mídia apresenta uma suposta felicidade, representada pela conquista da fama, do status e de muito dinheiro. Incute a ideia de que ser bem-sucedido é sinônimo de luxúria, bebidas, jogos, aventuras e extravagâncias. Ela instiga as pessoas a buscarem o “sucesso” segundo os padrões mundanos. Porém, a Bíblia nos orienta:

  • Não esgote as forças tentando ficar rico (Provérbios 23.4);
  • A boa reputação vale mais do que grandes riquezas (Provérbios 22.1);
  • O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Timóteo 6.7-10);
  • Quem ama o dinheiro nunca terá o suficiente (Eclesiastes 5.10);
  • Nem todos podem ter riquezas (Provérbios 30.8);
  • A prosperidade é um dom de Deus (Eclesiastes 5.19).

A palavra sucesso vem do latim sucessu e significa bom resultado ou ter êxito. Sucesso não é sorte. Também não é algo concreto, que compramos ou guardamos no armário. Ele é uma sensação conquistada após esforços, às vezes corretamente, outras vezes de maneira incorreta. Por isso, é necessário focar em Deus e sempre lembrar que os fins não justificam os meios.

Quando se fala em carreira, sucesso pode significar: reconhecimento, retorno financeiro, realização pessoal. Durante toda a criação de seus filhos, é preciso mostrá-los de forma teórica e prática, pontuando exemplos, que ao analisarmos a vida de pessoas bem sucedidas, descobrimos que sorte não é o suficiente para se obter êxito. Palavras como determinação, disciplina e perseverança somadas ao estabelecimento de propriedades e à capacidade de tomar adversidades em oportunidades estão por trás de muitos desses casos de triunfo pessoal e profissional.

2. A escolha de uma profissão

Para que o jovem tenha sucesso na escolha profissional, precisa atentar para algumas considerações. Primeiro, verificar se possui inclinação pessoal para tal profissão, ou seja, observar se tem mesmo jeito, ou só vontade, para determinadas tarefas ou certos tipos de trabalho.

Para assegurar o sucesso profissional de seus filhos, não basta incentivá-los a seguir uma carreira apenas por gostar dela ou porque a mesma dá muito dinheiro. É necessário ser vocacionado, ou seja, possuir algumas aptidões específicas. Por exemplo: há profissões que exigem bastante rapidez. Uma pessoa que tem um tempo de reação lento poderá não se dar bem nessa profissão, mas se ele tem uma fluência verbal, poderá se dar bem noutra área que exija esse tipo de aptidão. Observe seus filhos quanto a isso e ressalte suas qualidades com sinceridade, trabalhando sua autoestima.

Outra questão bastante séria é a que se relaciona ao mercado de trabalho. Escolher uma profissão que não ofereça boa probabilidade de emprego pode ser um problema crucial, visto que será do exercício da sua profissão que obterá seu sustento pessoal e da futura família.

Fruição e entusiasmo pessoal também são ingredientes importantíssimos no sucesso profissional. Porém, sabemos que, devido à realidade atual, muitas pessoas não conseguem permanecer entusiasmadas com seu trabalho durante toda vida. Ainda mais essa geração que gosta de estar em constante mudança. Entretanto, é importante que eles escolham uma profissão em que se sintam bem, os entusiasmem.

Outro aspecto bastante importante, infelizmente muitas vezes esquecido, é a possibilidade de servir ao próximo, ao Reino de Deus, através da sua profissão. Ninguém deve planejar sua vida pensando apenas no aspecto material ou no seu sustento pessoal, sem antes lembrar-se do seu chamado maior, de servir a Deus e ao próximo. O Senhor Jesus nos deixou o exemplo: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. Se seu filho ainda assim tiver dúvidas quanto a sua escolha profissional, procure um centro de orientação vocacional, com ele. Existem testes psicológicos (psicotécnicos) que podem ajudá-los muito nessa escolha tão importante.

3. Planejar o futuro

Frise para eles que há pelo menos, três questões que devem nortear a mente daqueles que desejam alcançar sucesso na carreira profissional. O que quero? A que distância eu estou do que quero? O que estou fazendo concretamente para alcançar o que quero?

4. As estratégias de branding

Para ser bem sucedido no mercado de trabalho, o jovem precisa construir sua marca pessoal, o branding. A marca de um produto não é somente um nome ou um símbolo. Ela representa percepções e sentimentos na mente do público-alvo. Mesmo que não estejamos cientes, ao longo dos anos nossa forma de agir cria uma impressão nas pessoas. Essa impressão pode ser traduzida como a nossa marca pessoal ou aquilo que os outros pensam sobre nós. A nossa marca pessoal deve estar pautada em fatos concretos. A imagem – profissional ou pessoal – deve ser a genuína expressão do que a pessoa é, e não um pacote de truques elaborados para enganar alguém que se está tentando impressionar.

A impressão que causamos processada nos primeiros 7 segundos. Tudo o que fazemos publicamente contribui para a construção da nossa marca. Nada do que fazemos passa despercebido. Sendo assim, ajude-o a sanar algumas características ruins que atrapalham sua imagem, como desorganização, atrasos, distração etc.

Compõem uma marca a maneira como andamos, falamos e nos vestimos; nossa formação profissional; modo como cumprimos nossas obrigações e promessas; nosso cônjuge e círculo de amizades; o bairro em que moramos; o carro que possuímos; os locais que frequentamos.

Por, Jamiel de Oliveira Lopes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »