O poder do exemplo dos pais

O poder do exemplo dos paisQuando pensei em escrever este texto, levei em consideração dois pontos importantíssimos para não incidir no erro de valorizar um lado em detrimento do outro. Sei que há muitas pessoas que estão lendo este artigo e que infelizmente seus familiares mais próximos estão distantes de Deus. Isso acontece por às vezes já haverem casado nestas condições, ou, ambos não eram evangélicos e hoje apenas um está na Igreja.

Se você convive em um ambiente familiar onde todos são evangélicos, com certeza não terá dificuldades em colocar em prática algumas instruções propostas neste texto. Entretanto, se isso é meio inviável em sua casa, terá que agir delicadamente e com muita sabedoria a fim de estabelecer uma formação espiritual saudável para sua família, principalmente para os filhos.

O exemplo arrasta

Todos nós somos passiveis de algum tipo de influência. Os exemplos tendem a ser mais seguidos do que as palavras. Por isso, a criança tende a ser fortemente influenciada em sua formação, principalmente através de nossas ações. Tenho um filho criança, e na fase que ele está costuma imitar tudo que vê os outros fazendo e comumente tenho que orientá-lo que algumas coisas não podem ser ditas ou feitas daquele jeito.

A famosa frase “faça o que digo, mas não faça o que eu faço”, jamais pode ser um padrão para os filhos de Deus. Até porque em muitos momentos, as pessoas não irão se deter apenas às suas palavras, elas irão requerer de suas atitudes tudo aquilo que você professa e acredita. É nesse momento que muitos se sentirão envolvidos motivados a agir influenciados pelos seus exemplos.

A formação moral

O artigo 205 da Legislação Educacional Brasileira diz que a educação é direito de todos e dever do Estado e da família, e que será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Noutras palavras, antes de qualquer outra instituição, a família deve ser a principal formadora do caráter moral dos novos cidadãos.

Ela agrega ao seu rol de componentes princípios morais que norteiam as relações sociais. Os filhos são os que sofrem maiores influências, principalmente dos pais. A formação de um caráter moral dos filhos está condicionada tanto ao que falamos ou ensinamos, quanto ao que fazemos como deixei claro em tópico anterior.

Se a criança constantemente se depara com o pai subornando o guarda de trânsito porque está com o documento do carro atrasado, ou, tratando grosseiramente a esposa e outros familiares, teremos um cidadão que será tentado às mesmas práticas do pai. Em contrapartida, se o filho tem o costume de ver o pai e mãe fazendo bem as pessoas e agindo corretamente, tenho quase certeza que esta criança sofrerá fortes influências deste exemplo.

A formação espiritual

Em outro momento, escrevi um texto em que destacava a formação bíblica do judeu como um exemplo a ser seguido. Eles muito apegados as escrituras, são comuns entre esse povo as discussões em torno da Bíblia, trazendo a luz passagens do Antigo Testamento, que não lhes são nem um pouco estranhas, haja vista, o compromisso dos judeus em memorizar passagens da Torá. Segundo o escritor Charles Ferguson “grande parte da educação dos judeus resumia-se em decorar textos”1. Ainda Segundo ele:

“Os judeus não precisam estudar outros livros didáticos. As escrituras continham todos os conhecimentos relativos à vida. As historias de seu povo eram o seu único prazer, e extrair conhecimento de quaisquer outras fontes era desencorajado e visto com desconfiança”2.

Dentro deste aspecto, reconheço que nós somos muito omissos, e talvez seja esse o motivo de muitos seguirem após ensinamentos errados. Quando falo da nossa omissão, ressalto que essa abrange todos os âmbitos, desde o ensino familiar, de pai para filho ao ensino em nossas igrejas.

No entanto, os pais têm uma responsabilidade que transcende os limites das quatro paredes do templo. Não podemos outorgar a Igreja uma tarefa que é nossa. A Bíblia diz: “Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontais entre os vossos olhos. E ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te” (Dt 11.18-19). Em outro texto também diz: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele” (Provérbios 22.6). Não podemos falhar na formação do caráter espiritual de nossos filhos, caso sejamos omissos, o mundo fará o seu papel e o inimigo se sentirá a vontade para moldá-los como lhe apraz.

Assuma seu papel

Já deu para perceber que neste texto estou me reportando unicamente aos pais. Aliás, estes têm uma influencia muito relevante na formação do caráter dos filhos.

Certa vez ouvi de um obreiro que se mostra muito preocupado com a educação e integridade dos filhos que “eles são um projeto que não podem dar errado”. No entanto, é preciso haver cautela e preocupação da parte dos pais para que esse projeto der certo e alcance sucesso em sua trajetória.

É preciso assumir uma postura moral e espiritual que notabilize nossa verdadeira missão como pais. Não podemos deixar a cargo da igreja e da escola, tarefas que nos são peculiares e de nossa inteira responsabilidade. Educação deve sim, vim de berço e ensinar princípios espirituais deve ser uma atitude dos pais e não da “tia” que leciona na Escola Dominical.

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS

1 BALL, Charles Fergunson. A vida e a Época do Apóstolo Paulo. 1ª edição. Rio de Janeiro: CPAD,1998.p.20
2 Idem, ibidem, pg. 155

Por, Edeilson Santos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »