O poder de destruir e edificar o lar

O poder de destruir e edificar o larDentro da estrutura familiar, Deus distribuiu atribuições perfeitas, assim como dons para com elas arcar, a cada membro. Veremos aqui no poder e na responsabilidade confiados à figura feminina dentro do lar.

O primeiro papel que uma mulher desempenha em sua casa é o de esposa. Neste, deve semear o amor, a união e a comunicação com seu cônjuge para que todos os canais de relacionamento estejam ativos e preparados para amadurecer o relacionamento conjugal e estarem aptos a receber e educar de forma sadia os filhos que virão.

Com a chegada do primeiro bebê, há uma mudança radical na vida dos cônjuges. Enquanto o casal, os dois adultos mantinham algum tempo privativo, individualidades, agora fica impossível preservar tudo isso. É por esse motivo que a chegada de um filho deve ser planejada, esmerada, de forma que o novo membro da família se sinta plenamente recebido de maneira feliz e desejada.

Certamente, você já leu várias vezes o versículo de Provérbios 14.1: “Toda a mulher sábia edifica a sua casa, mas a tola derruba-a com suas próprias mãos”. Temos algumas reflexões muito importantes para fazer sobre esse versículo, a saber:

“Toda mulher” – Isso dá-nos entendimento de que a sabedoria é para todas as mulheres que a buscam. A sabedoria tem em si o altruísmo, ou seja, o próximo.

“Edifica” – Edificar é mais profundo do que construir. É mais que erguer, envolve a estrutura, o alicerce, a utilidade e resistência da casa. Logo um lar edificado por uma sábia mulher tem segurança, força frente às adversidades, beleza, harmonia, alegria etc.

“Mas a tola derruba-a com as suas próprias mãos” – Perceba que a responsabilidade ou culpa não é de ninguém, a não ser da mulher que tem todo o “poder de realizar” em suas mãos, mas procede de forma tola, mais carnal que espiritual, imprudente, precipitada, egoísta” (Provérbios 18.1).

Construtora ou demolidora

A Palavra de Deus nos ensina a agir segundo a sabedoria divina, desprezando a sabedoria mundana, diabólica (Tiago 3.13-18), bem como a conquistar um caráter cristão, tendo o fruto do Espírito (Gálatas 5.22). Essas orientações valem para todos nós. Sozinho, ninguém consegue tais proezas. Temos um Ajudador. A diferença está em quem de nós O busca e quem O apaga pouco a pouco em sua rotina.

Lembremos que antes de sermos eficazes como pais, nós temos que sê-lo como filhos, cônjuges, irmãos, amigos e cristãos. Uma mãe precisa do apoio do esposo, como pai de seu filho, como seu companheiro, para que consiga desempenhar com eficácia seus afazeres e ideais pela família. Muitas vezes, as opiniões divergem e é necessário que o caráter cristão fale mais alto para renunciar às próprias vontades em prol da vontade divina. Deus honra a mulher que é submissa. Essa atitude, portanto, não faz dela menor, mais fraca, muito pelo contrário. O Senhor é contra todo tipo de rebeldia, mas deleita-se na obediência.

São as suas escolhas, renúncias e decisões que vão formar os valores familiares deste novo grupo de indivíduos; que vão construir ou demolir a casa. O comportamento de cada um vai influenciar a vida dos outros simultaneamente, por isso, é imprescindível que cada membro da família tenha em mente primeiro os valores comuns, familiares, as normas internas de convivência e solidariedade entre si para sustentabilidade de uma família sadia. Seus filhos aprenderão com seu exemplo, mais do que com suas palavras.

Em Provérbios 14.1 observamos a tamanha responsabilidade da mulher. A mãe é o membro de maior influência no grupo, e é neste sentido que a Palavra afirma que está em suas mãos a capacidade de edificar ou destruir.

É claro que não é fácil, mas é possível e muito recompensador. Afinal, quem diz isso é o mesmo que quer ajudar a cada mulher a ser sábia, a ter um lar de amor, onde não falte cooperação, paciência, solidariedade e união.

Comunicação no lar

Uma boa comunicação familiar é fundamental, uma vez que precisamos desabafar, receber conselhos, aconselhar, pensar juntos e analisar os fatos antes de tomar uma decisão. E ninguém melhor que a família para compartilhar de momentos decisivos. Seus filhos, observando esse canal aberto, não precisão recorrer a outras fontes, às vezes tão danosas, para resolver seus dilemas, dúvidas e problemas.

A mãe com esta sabedoria, credibilidade e influência é também uma ponte entre todos os membros da família, diluindo as diferenças, os desencontros, da melhor forma possível. Este papel é essencial para a boa performance familiar e para que a união e a amizade entre os membros sejam constantes.

Segundo pesquisas do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, junto a Universidade Yale e Universidade de Michigan, a mulher, ao se tornar mãe, tem uma modificação estrutural em seu cérebro, desenvolvendo uma capacidade maior de conexão entre todos os neurônios. Ou seja, se uma mulher que ainda não é mãe já tem grande capacidade de  conectar as várias caixas mentais (assuntos diversos) ao mesmo tempo, ao tornar-se mãe a sua capacidade aumenta, trazendo velocidade, dinamismo em conectar assuntos, banco de dados armazenados para a tomada de decisão, ação. Observem como Deus fez tudo perfeito. Os próprios cientistas admitem que “essas alterações estão relacionadas à criação de vínculos com os recém-nascidos como um recurso ‘da natureza’ para garantir que as mães, protejam, cuidem melhor dos seus filhotes”.

Essa capacidade materna de proteção torna a mãe ainda mais ágil, preventiva e fica cada vez mais difícil esconder uma ação, um sentimento, daquela que o gerou.

Os gestos mais singelos e simples de uma mãe resgatam os valores mais nobres da convivência familiar. O almoço do domingo que ela prepara com todo o carinho, o chazinho para quem está resfriado, o leite quente antes de dormir, a participação na reunião do colégio, o lanche para os amigos durante o trabalho escolar, etc.

Atualmente, existe uma infinidade de literaturas, até mesmo cristãs, ajudando a mãe em suas tarefas: informações sobre a forma de trocar o bebê, brincar com a criança de forma lúdica e instrutiva, de educar os filhos em várias fazes da vida, lidar com as personalidades diferentes, ensinando a dizer ‘não’ ou ‘espera’ como respostas positivas e necessárias à formação do caráter dos filhos, entre outros conhecimentos. Recorrer a elas é muito interessante e de grande valia. Mas nunca se esqueça que sua principal fonte, aquela que habilita sua alma e capacita em todas as esferas é a Palavra de Deus. Um tempo atrás eu concordava com o jargão: “Filho vem sem manual de instrução”, mas agora, entendo ser a Bíblia Sagrada o melhor e mais eficaz manual de instrução na educação dos filhos, na edificação e manutenção da família e do lar. Faça uso dela e você e sua família experimentará proezas. Ser uma esposa, mãe, mulher sábia é ter a grande chance de construir seres humanos excelentes, um lar feliz e um legado inesquecível!

Por, Rosana Beda Francisco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »