O Dilúvio foi universal ou parcial?

“Quando lemos o relato bíblico, a impressão que dá é que o Dilúvio foi universal. Porém, há quem ache que foi parcial. Afinal, foi parcial ou universal?”

O Dilúvio foi universal ou parcialA descrição que o autor bíblico faz do cataclismo leva-nos a concluir: o Dilúvio foi, de fato, um acontecimento que abrangeu totalmente a Terra. Vejamos por que é racional e lógico acreditar em sua universalidade:

1) Além da chuva ininterrupta de quarenta dias e quarenta noites, relata a Bíblia que as fontes do grande abismo romperam-se aumentando desmedidamente a inundação (Gênesis 7.11).

2) Registra o autor sagrado que as águas prevaleceram excessivamente sobre a Terra até que os seus pontos mais elevados fossem todos cobertos  (Gênesis 7.19, 20).

3) As águas eram tantas que prevaleceram sobre a terra por 150 dias. Terminado esse período, entretanto, Noé e sua família, foram obrigados a permanecer na Arca por mais 200 dias aproximadamente, até que o planeta estivesse completamente seco (Gênesis 7.24; 8.1-6).

Logo, foi o Dilúvio um cataclismo universal, cuja historicidade é referendada por evidências bíblicas e científicas.

A historicidade do Dilúvio não está limitada ao livro de Gênesis. O autor do livro de Jó por exemplo, refere-se à grande inundação como algo destrutivo e real (Jó 22.16). Davi, por seu turno, menciona-o como resultado da soberania divina (Salmo 29.10). Tendo este como figura de grande tragédias, Isaías a ele se reporta como advertência aos ímpios (Isaías 30.30).

Se estes testemunhos são insuficientes, busquemos o testemunhos de Cristo: “Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24.38, 39).

Pedro aludiu ao Dilúvio ao realçar a justiça divina: “Porque Deus não perdoou o mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios” (2 Pedro 2.4, 5). Se não aceitarmos como verdadeiras tais evidências, seremos obrigados a tê-las como mentirosas. Aliás, estaremos consequentemente rejeitando o testemunho do próprio Filho  de Deus.

Alegam os céticos que não haveria água em volume suficiente, na atmosfera, para submergir o planeta. Ignoram eles, porém, que o Dilúvio não foi causado apenas pela chuva torrencial que fustigou a terra por quarenta dias e quarenta noites. Houve, de igual modo, sucessivos e ininterruptos maremotos. Se um único tsunami foi suficiente para alagar o litoral de doze países, o que não terá causado um longa ´serie desses fenômenos.

Argumentam ainda alguns pseudo-cientistas que seria impossível cobrir altos montes como o Evarest, cujo topo ultrapassa os sete mil metros. Todavia, a altitude média do planeta é de apenas 800 metros acima do nível do mar, ao passo que a profundidade média dos oceanos é de 4 mil metros. Levemos em conta, outrossim, as águas que, originalmente, encontravam-se na chamada expansão aérea (Gênesis 1.7). Formado um escudo aerotelúrico, essas águas impediam a ação dos raios cósmicos sobre a Terra, possibilitando um perfeito sistema ecológico. Sob tal atmosfera, era impossível uma qualidade de vida excelente e uma longevidade proverbial como a de Matusalém. No Dilúvio, porém, foi construído o escudo aerotelúrico. Toda a água que o formava abateu-se sobre a Terra, aumentando consideravelmente a área ocupada pelos oceanos. Aliás, o que os cientistas chamam de período glacial do planeta foi, na verdade, uma inundação global acompanhada de um resfriamento da Terra.

Por, Claudionor Corrêa de Andrade.

One Response to O Dilúvio foi universal ou parcial?

  1. Hélio Duarte disse:

    Excelente, parabéns pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »