O cristão e o uso do Facebook

Sabedoria e imprudência no uso, e as armadilhas potenciais das redes sociais

thumbs65abCom quase 10 anos de existência, o Facebook é o maior site de rede social, possuindo mais de 1 bilhão de usuários ativos, de maneira que a palavra “Facebook” já é bastante familiar em todo lugar.

Como a maioria das atividades em nosso mundo, dependendo do tipo de utilização, o Facebook pode ter um impacto negativo na vida dos crentes. Quer se trate de televisão, da internet em geral ou de atividades recreativas, a natureza de nossa participação deve ser constantemente monitorada por nós tendo como ponto de partida as seguintes perguntas: Esta atividade está interferindo na minha santidade de alguma forma? Será que ela está me colocando em um caminho perigoso espiritualmente? Será que ela está me controlando? Sou capaz de exercer autocontrole em relação a essa atividade?

Como a maioria das outras coisas. O Facebook pode, potencialmente, ser usado para o mal, mesmo não havendo nele nada que, necessariamente, provoque uma reação instintiva que o faça categoricamente pecaminoso.

Usado com sabedoria: potencial para o bem

Um dos grandes pontos positivos é a oportunidade de usar o Facebook para fins de ensino e edificação. Esse meio tem-me permitido comunicar pessoalmente com mais pessoas sobre as coisas espirituais do que eu poderia conseguir sem ele. Mesmo que o post seja apenas uma frase, aquele pensamento com base bíblica e espiritual pode efetivamente comunicar a centenas de pessoas a confiança em Deus e o poder do Evangelho.

Certa vez, um pregador amigo postou em uma manhã de quarta-feira: “Vamos hoje incentivar todos os amigos do FB a serem espirituais. Incentivemos a oração espontânea, o olhar a glória de Deus na natureza, uma conversa com outro que inclua o nome ‘Cristo’. Volte-se para Jesus e depois vá louválO em sua igreja hoje à noite!” Quantos leram aquela mensagem e fizeram exatamente o que ele pedia?

Usado corretamente, o Facebook pode ser uma ferramenta poderosa para os relacionamentos, encorajamento e carinho. Quando um irmão ou uma irmã vive uma crise, você pode rapidamente e facilmente enviar uma mensagem de conforto e transmitir a sua preocupação.

Você pode reconhecer aniversários. É incrível ter 50 ou mais pessoas, a partir de centenas de quilômetros de distância, desejando-lhe um feliz aniversário! Podemos também ficar em contato com pessoas de nossos tempos de colégio (Alguns não tinha visto ou falado com eles há 25 anos!). Agora, eu posso me comunicar também mais eficazmente no Evangelho, com amigos de meus dias no Florida College e dos lugares que eu tenho pregado ao longo dos anos. Posso saber um pouco mais sobre suas vidas. Comunicar-me com eles em uma base frequente é bastante animador.

Outra grande vantagem para mim, um pregador de meia-idade, é que o Facebook pode me facilitar a permanecer conectado com os jovens e a descobrir o que está acontecendo no mundo deles. Você pode descobrir algumas coisas que você não saberia sobre suas atividades, e conhecer suas lutas particulares pode ajudar no desenvolvimento do ensino para melhor ajuda-los.

O uso imprudente: a excessiva atenção

Tempo gasto no Facebook não é necessariamente tempo perdido. Interagir com as pessoas pode contribuir para um benefício espiritual positivo. No entanto, como qualquer objeto ou atividade neste mundo, quando você começa a usar ou a dar atenção excessivamente a algo, este se torna um laço para sua alma. Tudo o que é permitido dominar nossas afeições pode se tornar um ídolo. Alerta-nos a Palavra de Deus: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5.21). Quer se trate de uma crença falsa, uma atividade ou mesmo uma pessoa, não devemos permitir que isso interfira em nossa comunhão com Deus ou à nossa lealdade à Sua verdade e, assim, prejudicar a nossa vida espiritual.

Acho que não há problema em usar uma hora do dia para ler as mensagens de amigos do Facebook e interagir com eles. Poderíamos sugerir, como alguns têm feito, que uma hora gasta no Facebook poderia ser melhor gasta no estudo da Bíblia, em meditação e oração, mas também podemos dizer isso em relação à assistir televisão, a prática de algum exercício físico, falar ao telefone, a mensagens de texto e compras. Não é que nenhuma dessas coisas sejam inerentemente atividades pecaminosas, mas não devemos negligenciar a nossa alma na miríade de possibilidades que existem para gastar nosso tempo.

O Facebook é realmente maravilhoso, fornece uma infinidade de aplicações atraentes, coisas que podem absorver uma grande quantidade de nosso tempo. E, como afirma a Bíblia, devemos aprender a “remir o nosso tempo”.

Alguns afirmam que, via Facebook, podemos ajudar a todas as pessoas sem precisarmos sair do conforto do nosso lar, mas simplesmente não é assim. Em alguns casos, não há como substituir o estar presente fisicamente para ouvir e aconselhar quem precisa de consolo e conforto (Mateus 25.34ss).

Armadilha potencial

Tudo o que você posta passa uma mensagem. Qual a impressão que você quer dar às pessoas? Por exemplo: a Bíblia diz que devemos nos “alegrar com os que se alegram” (Romanos 12.15) e não focarmos tudo em nós, nos alegrando apenas em nós mesmos; mas, se cada post é sobre mim e sobre o que eu estou fazendo, o que estou sugerindo? Não é que o meu foco é principalmente em mim?

O material em sua página de Facebook influencia os outros. Antes de postar, pergunte a si mesmo como essa mensagem será percebida pelos outros e se ela transmite algo coerente com a sua profissão de fé como cristão.

E cuidado com seus erros, porque eles vão te achar! Quão alarmante é ver algumas imagens postadas na internet de irmãos em festa onde o álcool é consumido, onde as pessoas se vestem de forma inadequada ou estão envolvidas em danças lascivas! Ainda que esses irmãos não tenham feito nada nesses lugares, qual é a imagem que é passada, quando essas fotos são publicadas em suas páginas do Facebook? Recentemente, ouvi uma previsão de que mais e mais pessoas no futuro vão mudar sua identidade para escapar das obras de seu passado!

Lembre-se, o Face book é uma exposição pública de você mesmo ou do personagem que você quer representar diante das pessoas. Que imagem você quer retratar sobre si mesmo para as pessoas?

O apóstolo Pedro nos exorta a manter “o nosso viver honesto entre os gentios”, de modo que “glorificar a Deus no dia da visitação, pelas obras que em vós observam” (1 Pedro 2.12).

Por, Tony Mauk

One Response to O cristão e o uso do Facebook

  1. Adriano disse:

    Ótima matéria, eu mesmo já tive conta no facebook, e estou prestes a reativar outra, por isso entrei aqui para ter uma ideia sobre isso. Concordo que o problema não é fazer parte de redes sociais, minha dúvida é que assim como devemos nos afastar de tudo aquilo que pode nos levar a pecar, será que tendo facebook não nos leva mais próximo de pecar, pois levando em conta tudo o que é compartilhado no face, que querendo ou não você vai ver, e por um segundo de fraqueza você pode clicar e pronto, já pecou. Se sabendo deste risco não seria melhor nem usar pra não correr esse risco? Essa é minha dúvida. Ainda mais pelo fato de que vi uma pesquisa que dizia que 1 em cada 5 casais que se separaram, 3 assumiram que o facebook ajudou, não parece muito, mas é 20%.
    Mesmo assim acho que o face pode ajudar principalmente em Levar a palavrea de Deus, (mas isso não pode ser uma desculpa pra ter face) outra coisa é poder se comunicar com amigos e parentes assim como outras vantagens. É pena que ainda fiquei na dúvida. Abraços.

    Adriano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »