O Cristão e o Meio-Ambiente

O Cristão e o Meio-AmbienteNas escolas, nas organizações internacionais, nos governos, há algum tipo de abordagem sobre esse assunto. Mas, até que ponto o cristão deve preocupar-se e participar de ações que preservem o meio ambiente, com vistas às gerações futuras? É objetivo desse ensaio. Na medida do possível, procuramos embasar o pensamento nos princípios éticos da Palavra de Deus.

I – Conceitos Fundamentais

1. Ecologia. De acordo com a Biologia, “A Ecologia é a ciência que estuda as interações entre os organismos e seu ambiente, ou seja, é o estudo científico da distribuição e abundância dos seres vivos e das interações que determinam a sua distribuição”. A palavra Ecologia tem origem no grego “oikos”, que significa casa, e “logos”, estudo.

2. Meio Ambiente. “Aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou coisas” (Dicionário Aurélio); “Conjunto de fatores naturais, sociais e culturais que envolvem um indivíduo e com os quais ele interage, influenciando e sendo influenciado por eles” (Dicionário Brasileiro de Ciências Ambientais – Lima e Silva, 2000). ¹

3. Biodiversidade. “Biodiversidade executa um importante papel na saúde ecológica, quanto na saúde dos humanos. Prevenindo ou priorizando a extinção das espécies é uma maneira de preservar a biodiversidade, nas populações, a diversidade genética entre elas e os processos ecológicos, como migração, que estão sendo ameaçados em escala global e desaparecendo rapidamente.

4. Desenvolvimento Sustentável. “A definição mais aceita para desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro”. ²

II – Ecologia na Bíblia

No Antigo Testamento, vemos que Deus entregou o planeta ao homem. Ele deveria cuidar do meio ambiente como mordomo do Criador (Gênesis 1.26) para preservá-lo. Com o pecado, houve um transtorno em toda a natureza. O homem passou a experimentar a morte física e a morte espiritual por sentença de Deus (Gênesis 2.15, 16). A natureza também sofreu as consequências: “…maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Espinhos e cardos também te produzirá; e comerás a erva do campo” (Gênesis 3.17, 18).

O Novo Testamento prevê, no Apocalipse, gravíssimos acontecimentos, envolvendo a Ecologia (Apocalipse 8.5; 16.18) e haverá um grande terremoto que será a maior catástrofe global, depois do Dilúvio. Só há uma mensagem de esperança em relação à Ecologia: “…para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos… que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra” (Apocalipse 11.18 – grifo nosso). Não serão os cientistas materialistas que encontrarão solução para os problemas do meio ambiente. Mas será o próprio Deus, o Criador que dará soluções para o equilíbrio ecológico e o desenvolvimento sustentável.

III – O Papel do Cristão no Desenvolvimento Sustentável

Na condição de “sal da terra” e “luz do mundo” (Mateus 5.13, 14), o cristão deve ser referência para os demais habitantes do planeta. Deve observar as orientações das autoridades e dos estudiosos do desenvolvimento sustentável. De acordo com a ONU, são três os pilares do Desenvolvimento Sustentável. Vejamos em que o cristão pode e deve contribuir.

1. Sustentabilidade Ambiental. “A sustentabilidade ambiental consiste na manutenção das funções e componentes do ecossistema, de modo sustentável, podendo igualmente designar-se como a capacidade que o ambiente natural tem de manter as condições de vida para as pessoas e para os outros seres vivos, tendo em conta a habitabilidade, a beleza do ambiente e a sua função como fonte de energias renováveis”. ³

Neste componente, o cristão deve contribuir, evitando poluir o ambiente, reciclando o lixo, convenientemente; evitar jogar lixo nas fontes de águas; os empresários cristãos devem adotar medidas para que suas empresas não sejam poluidoras de fontes de águas, do ar, ou do solo. Se possível, contribuir para o reflorestamento, e reposição de áreas de cultivo agrícola.

2.  Sustentabilidade econômica. “A sustentabilidade econômica… deve valorizar a incorporação da gestão mais eficiente dos recursos naturais, sejam eles minerais, matéria prima como madeira ou ainda energéticos, de forma a garantir uma exploração sustentável dos mesmos, ou seja, a sua exploração sem colocar em causa o seu esgotamento, sendo introduzidos elementos como nível ótimo de poluição ou de externalidades ambientais, acrescentando aos elementos naturais um valor econômico”. 4

Certamente, os empresários cristãos devem ter consciência de que suas empresas devem ser exemplo de cidadania do céu, e de cidadania da terra. E devem ter cuidado de produzir bens, sem esgotar os recursos a ponto de prejudicar as gerações futuras.

3. Sustentabilidade sócio-política. “A sustentabilidade sócio-política centra-se no equilíbrio social, tanto na sua vertente de desenvolvimento social como sócio-econômica. Nesse aspecto, o cristão deve ser o exemplo mais marcante, pois essa vertente do desenvolvimento sustentável visa a promoção humana, através de políticas públicas, que garantam emprego, respeito aos direitos humanos, aos direitos dos trabalhadores, o acesso à educação, buscando propiciar melhores condições de vida, diminuindo as igualdades sociais, visando diminuir a  pobreza do mundo.

Os empresários e os patrões cristãos devem ser exemplo, dando condições para que seus empregados possam crescer social e economicamente; devem ser exemplo, garantindo-lhes os direitos trabalhistas. Deixar de fazer isso, implica em condenação pela palavra de Deus, de modo veemente (ver Tiago 2.6; 5.1-6; Efésios 6.9; Colossenses 4.1).

Conclusão

Certamente, há muito mais a se analisar, mas esperamos que esse ensaio sirva de base para as discussões sobre o tema, no meio cristão. Como referencial para o mundo a Igreja de Cristo e seus seguidores não devem alienar-se, achando que nada temos a ver com os problemas sociais. Primeiro, sim, nos voltamos para os problemas espirituais. Mas não podemos deixar de lado nossa responsabilidade como cidadãos da terra.

Notas

1. Meio Ambiente. Disponível em http://www.ibg-cean.org.br/educacao-ambiental/o-que-e-o-meio-ambiente. Acesso em 23/05/2012.
2. O que é desenvolvimento sustentável? Disponível em http://www.wwf.org.br. Acessado em 25/05/2012.
3. Sustentabilidade ambiental. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Desenvolvimento_sustentavel. Acesso em 23/05/2012.
4. Ibid.

Por, Elinaldo Renovato de Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »