Músico trompetista é curado de câncer maligno nos lábios

Eliezer Castanho da Assembleia de Deus Vila Oficinas (PR) é curado do câncer agressivo na boca durante profecia e oração e volta a tocar

Músico trompetista é curado de câncer maligno nos lábiosO músico Eliezer Lima Castanho, da Assembleia de Deus Vila Oficinas (PR), dirigida pelo evangelista Cleverson Padilha, viveu um grande milagre do Senhor. Não antes, porém, de encarar a mais difícil notícia de sua história: um câncer maligno.

O adorador, casado com Viviane Castanho e pai do Eduardo (9 anos), e da Júlia (3 anos), conta que tudo começou em 2010 com o que parecia apenas uma pequena lesão nos lábios.

Segundo recorda, a princípio pensou que se tratava apenas de herpes ou alguma alergia. “Fui tranquilo então ao dermatologista. Porém, ao ser examinado o médico imediatamente solicitou uma biópsia. Fiquei preocupado, mas confiando sempre no Senhor Jesus. Após realizar o exame e retornar ao consultório, a informação não era boa. Percebi o olhar tenso do médico”.

Apesar da esposa e ele ficarem apreensivos, o médico lhes disse que não ia alarmá-los, pois o diagnóstico não havia sido conclusivo e tratava-se apenas de herpes, uma simples infecção viral comum. Passou, então uma pomada antiflamatória e a vida seguiu.

Porém, ao longo do tempo a ferida piorava, então procurou outros médicos em 2011 e 2012, mas até então nada era constatado e mesmo com o constante uso de medicamentos a ferida nos lábios não apresentava melhoras.

Quase três anos se passaram e em 2013, o problema ainda não havia sido sanado. Sem nenhuma orientação médica precisa, o irmão Eliezer decidiu recorrer a mais um outro especialista em dermatologia. Foi então que uma nova biópsia não deixou dúvidas: foi constatado um tumor maligno que atinge a mucosa da pele, denominado “carcinoma epidermide”. Segundo especialistas, esta lesão caracteriza-se por ser extremamente invasiva e agressiva, podendo ocasionar até mesmo metástase. Este tipo de tumor corresponde a 20% das lesões malignas de pele.

“Na hora foi um susto. Minha esposa que me acompanhava também ficou bastante apreensiva ao ver que, enquanto o médico lia o resultado sua expressão facial ia mudando. Confesso que na hora me deu um gelo principalmente porque pensei ‘logo na boca que uso para tocar para o Senhor’. Mas digo com sinceridade que eu tinha certeza que aquilo era só um deserto do qual Deus iria me livrar“.

O que muito entristeceu nosso irmão foi à proibição do médico de tocar seu instrumento, o trompete, o qual desde criança o utiliza para louvar ao Senhor.

“Fiquei uns 6 meses sem poder tocar. Isso me deixou muito triste. Mas eu cria que Deus ia me tirar dessa”, diz o trompetista.

Muito reservado e com o coração convicto de que aquela adversidade iria passar, Eliezer comenta que não contou a ninguém o que se passava. Na época congregando na Assembleia de Deus Vila Santa Inês (PR), ligada ao templo sede em Curitiba, sob liderança do pastor Wagner Gaby, ele apenas conversou com o pastor Edmilton Bispo, que também viria a ser usado por Deus para sua caminhada rumo ao milagre.

Eliezer relata que após a notícia, o médico lhe preparou dizendo que ele necessitaria fazer uma cirurgia e assinar um termo de responsabilidade, lhe explicou a gravidade do procedimento, já que seu tipo de câncer era agressivo e “enraizado”e corria rico de metástase (quando as células cancerígenas desprendem do tumor primário disseminando o câncer para outros órgãos). Por essa razão ao fazer a cirurgia deveria tirar todo ele, o que lhe deixaria sem parte dos lábios e poderia até mesmo atingir a face, deformando-a e provavelmente o impossibilitando de voltar a tocar seu trompete no louvor.

“A cirurgia foi agendada para abril, mas no final de março, eu estava participando de um culto na congregação de Vila Santo Antônio, quando o preletor da noite, pastor Rogério de Assis de Joinville (SC), que encerrava uma campanha foi usado por Deus em profecia. Ele dizia que o Senhor iria curar naquela noite um irmão que estava com câncer maligno em uma parte da cabeça e lhe daria um grande livramento. Para ir até lá receber oração. Confesso que fiquei em dúvida se a profecia era a respeito de mim, mas o meu pastor sinalizou com muita convicção e fé, dizendo para eu ira até lá. A Igreja ficou chocada, pois ninguém sabia. Então, quando o pastor começou a orar, meu lábio queimava, pegava fogo, parecia que o tumor estava saltando para fora. Nada parecido tinha me acontecido antes. Soube que eu havia sido curado ali, instantaneamente”, testemunha Eliezer.

Conforme conta ainda, quando voltou em abril para realizar o procedimento cirúrgico, ao final do mesmo, o médico lhe disse surpreso e entusiasmado: “Você não tem mais nada. A ‘peça’ estava solta, foi totalmente retirada”. O câncer maligno e enraizado que estava se alastrando, ameaçando metástase já não existia. O que se confirmou na biópsia seguinte quando nenhum câncer ou malignidade foi encontrada.

“Não tenho muito jeito com as palavras, é difícil pra me expressar… Mas quero dizer aos irmãos que não importa a gravidade do seu problema, Deus é maior que ele. Confie no Senhor. A fé nEle realmente move montanhas. E mesmo nós sendo pecadores, as vezes até incrédulos, Ele é fiel! Tem males e doenças que vem para a glória de Deus”, declara Eliezer aos irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »