Mordomia cristã a partir do lar

Mordomia cristã a partir do larCom a banalização da pregação do Evangelho, centralizando-o no homem, o ensino e entendimento do conceito da mordomia se agravaram. Muitos estão na igreja não para servirem a Deus, mas para se servirem do mesmo. Com esse conhecimento defasado a começar pelo exemplo e educação dentro do próprio lar, a prática da mordomia cristã não desenvolvem no crente uma espiritualidade compatível com o propósito de Deus para sua vida nesse mundo.

Se um cristão até tem consciência da “mordomia” para a qual Deus o chamou, porém não é um praticante da mesma, alguma coisa está errada. Pois um cristão exerce a prática da mordomia quando tem uma formação e um desenvolvimento espiritual saudáveis. Formação essa que começa com uma autêntica conversão, é acompanhada de um discipulado eficaz e se mantém por uma atitude de entrega, fidelidade e consagração a Deus. Como você tem lidado com essa responsabilidade? Como tem ensinado sobre ela a seus filhos? A teoria está acompanhada da prática, do exemplo? É primordial para a vida cristã de seus filhos que sua educação cristã comece em casa e jamais dependa ou fique a cargo somente da igreja e Escola Dominical.

Mordomo

É um administrador da casa (Lucas 12.42), um servo de maior confiança, servo de Deus. Uma das características do mordomo cristão é que ele é um servo de Jesus Cristo em tempo integral. Jesus não é apenas o seu salvador, mas acima de tudo o seu Senhor. O cristão genuíno aceitou voluntariamente a Jesus como Senhor absoluto de sua vida e de tudo quanto possui. Isso não apenas em palavras.

O mordomo é também amigo de Deus, alguém íntimo, de Sua confiança, pois ninguém confiaria seus bens a estranhos e insubmissos. A Bíblia nos diz que o segredo do Senhor é para os que o temem (Salmos 25.14). Ao mordomo fiel são revelados todos os segredos. Certa vez Jesus disse: “vós sereis meus amigos se fizerdes o que eu vos mando” (João 15.14). Sob esse aspecto, não se trata de uma relação entre patrão e empregado, mas sim de sócio e cooperador de Deus. Caminhar em sociedade com Deus sugere um relacionamento de amizade e companheirismo. O mordomo verdadeiro reconhece que tudo o que ele é e possui foi concedido por seu Senhor: vida, saúde, tempo, dons, talentos, bens materiais, bens espirituais etc. E tudo deve ser usado para louvor e glória dEle.

Mordomia da família

A família continua sendo o principal grupo social. É impossível mensurar sua importância. A primeira experiência do mundo, a primeira experiência do convívio com o ser humano, a formação da auto-imagem, auto-estima, confiança, relação com Deus, consigo e com o próximo, tudo se forma a partir desse meio familiar. Portanto, a mordomia da família é de vital importância. Ela foi instituída por Deus e deve ser preservada contra toda possibilidade de dissolução. Ela representa a unidade básica da sociedade. Dentro dessa estrutura do próprio Divino, consideremos os papéis que Deus atribuiu a cada membro: aos homens, como esposos e mães; e os filhos, como herança do Senhor.

O homem que não serve a Deus prejudica a sua família. A mãe infiel guia os filhos no caminho errado. Você ama sua família? Quer ver seus filhos no Céu? Seja fiel a Deus, em tudo! Lute por seu lar. Sirva a Deus não só com palavras, mas com seu testemunho diário a começar dentro do lar. Pode ser uma ideia simples, mas é verdadeira. Servir a Deus sempre tem sido a melhor maneira de nos manter fortes espiritualmente, e sobrevivermos aos ataques de uma cultura hostil, mundana e corrupta. O rei Salomão identificou as três grandes pedras fundamentais do lar: a) Sabedoria – conhecimento dos caminhos de Deus e a capacidade de tomar as decisões certas tanto em assuntos práticos como éticos; b) Inteligência – capacidade de aplicar os princípios de Deus principalmente aos relacionados; e) Conhecimento – habilidades úteis em áreas específicas. Não devemos esquecer também da importância do culto doméstico.

Mordomia das finanças

Devemos usar sabiamente as nossas finanças. Nossa integridade é frequentemente provada em assuntos relacionados ao dinheiro. Transmitimos isso inconscientemente aos nossos filhos. Devemos nos lembrar da oração de Agur em Provérbios 30.8, 9: “…não me dês nem a pobreza nem a riqueza, mantêm-me do pão da minha porção acostumada; para que, porventura, de farto te negues e diga: Quem é o Senhor? Ou que, empobrecido, venha a furtar e lance mão do nome de Deus”. Nesta oração, ele fala de equilíbrio quanto às posses materiais. Pois tinha visto homens ricos, na sua presunção, negarem a Deus e pessoas pobres o maldizerem em seu desespero. Então, pediu: Dá-me somente aquilo de que realmente preciso, longe da presunção e distante do desespero,

Mordomia dos talentos

O “talento” era o maior peso usado pelos hebreus. Era utilizado para quantificar o ouro, prata, chumbo, ferro e cobre. A parábola dos talentos (Mateus 25.14-30) fala de um número variado de talentos que são dados por um senhor aos seus servos, a cada um de acordo com sua própria capacidade. Jesus nos adverte que nosso lugar no Céu depende da fidelidade da nossa vida e serviço aqui.

Jesus se apresenta na parábola como o dono dos talentos e aquele que tem que se ausentar por um tempo e confia aos Seus servos às terras, as propriedades e os recursos. É interessante que o trabalho é feito sem fiscalização do patrão. Somente no final é que haverá um acerto de contas. Deus confia que vamos realizar Sua obra com dedicação, motivação e responsabilidade.

Mordomia do tempo

O vocábulo tempo provém da raiz grega “kronos”, que deu origem a palavra “cronômetro”, e “tempus” do latim que significa: período, época, idade, ocasião própria. É Deus quem concede ao homem uma porção desse período e o dá para ele administrar. O tempo pertence a Deus, desperdiçá-lo em coisas inúteis constitui pecado de dissipar os bens do Senhor. Ele é um recurso não renovável e perecível. O que não foi usado pode ser estocado para ser usado no futuro. Por isso, planeje, administre, seja um bom mordomo de seu tempo:

1. Na vida espiritual. A robustez da nossa vida espiritual está em separarmos tempo para tal. Dedicamos a maior parte de nossa vida ao desenvolvimento físico e mental, quase não restando nada à área espiritual, quando ela deveria ser sempre o primeiro lugar na administração do tempo.

2. Na sociedade. Quando falo em sociedade estou abrangendo trabalho e lazer. O trabalho é um elemento integral da constituição de Deus do homem como administrador de sua criação, trabalho é o resultado da criação e não do pecado. Tempo e trabalho são inseparáveis, pois sempre estiveram presentes na vida do homem. É preciso também reservar um tempo para o lazer e estar com pessoas amigas.

O tempo é precioso, por isso, use-o muito bem, sem, contudo, se escravizar por ele ou pelo relógio.

Conclusão

A volta de Jesus está próxima, e precisamos estar preparados para a prestação de contas. Ela será em breve. Trabalhemos com alegria e motivação para que naquele dia nossas obras não sejam queimadas. Não faça a obra de Deus relaxadamente. Empregue seus talentos para edificar os outros e glorificar a Deus, isso dentro e fora da igreja. O dinheiro seja seu servo, jamais um senhor; gaste-o com responsabilidade. Use o tempo com sabedoria e preserve sua família como um dos mais preciosos tesouros que o Senhor já lhe confiou. E persevere nessas coisas. Sem a persistência e esforço é impossível sermos mordomos fiéis.

Por, Serenita de Meira Rienzo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »