Línguas estranhas: quantos falando por vez?

“Quando mais de três pessoas falam línguas estranhas sem interpretação, é erro a igreja permitir?”

crentesadoracaoNo texto de 1 Coríntios 14.27, 28, Paulo faz uma diferença entre variedade de línguas e línguas estranhas. Quando observamos a passagem bíblica, à primeira vista achamos que o apóstolo está proibindo os crentes de falar em línguas estranhas durante o culto. Mas não é este, com certeza, o pensamento dele.

No mesmo capítulo, Paulo afirma: “O que fala em língua estranha edifica-se a si mesmo” (v. 4); “e eu quero que todos vós faleis línguas estranhas…” (v. 5); “Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos” (v. 18). E conclui dizendo: “Não proibais falar em línguas” (v. 39).

Paulo instruiu a igreja sobre o uso correto do dom de variedade de línguas, ele explica que precisa de interpretação. “E, se alguém falar línguas estranhas [variedade de línguas], faça-se isso por dois ou, quando muito, três, e por sua vez, e haja interprete. Mas, se não houver interprete, esteja calado na igreja e fale consigo mesmo e com Deus” (1 Coríntios 14.27, 28).

Procurava o apóstolo pôr termo a uma dificuldade: se todos os crentes batizados com o Espírito Santo presentes numa reunião falassem várias línguas ao mesmo tempo, seria humanamente impossível o trabalho dos intérpretes. Mesmo usados por Deus, precisavam interpretar cada língua por sua vez. Talvez por isso Paulo tenha escrito: “E, se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito três…” e “por sua vez”. Isto significa um após o outro – pois somente assim o intérprete poderia transmitir a mensagem divina à igreja. E assim, tudo seria feito “descentemente e com ordem” (1 Coríntios 14.40).

Até certo ponto, o dom de variedade de línguas é menor que o de profecia, quando Paulo comenta os dons espirituais na igreja em Corinto: “E eu quero que todos vós faleis línguas estranhas; mas muito mais que profetizeis, porque o que profetiza é maior do que o que fala línguas…” (1 Coríntios 14.5). Mas existe uma ressalva: “… a não ser que também interprete”.

Devemos entender que está em foco a variedade, e não meramente o dom de línguas, desfrutado pelos cristãos batizados no Espírito Santo. É possível que Paulo, ao falar sobre “línguas dos homens e dos anjos”, em 1 Coríntios 13.1, falasse sobre o dom de variedade de línguas – exatamente como aconteceu no dia de Pentecostes.

O dom de variedade de línguas possibilita a expressão, por meios sobrenaturais, de línguas estrangeiras, naturais e humanas, e também de algum idioma celestial. Depende da necessidade e vontade do Espírito Santo (Atos 2.4).

Inúmeras vezes, Deus, através deste dom e da sua interpretação, tem edificado, exortado e consolado milhares de pessoas na igreja e até fora dela. A igreja em Corinto foi agraciada por Deus com todos os dons já manifestos pelo Espírito Santo, a ponto de o apóstolo Paulo comentar: “Porque em tudo fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento (como foi mesmo o testemunho de Cristo confirmado entre vós). De maneira que nenhum dom vos falta…”. Com efeito, porém, ele ressalta uma particularidade: “faça-se tudo decentemente e com ordem”.

Por, Severino Pedro da Silva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »