Jesus era isento de pagar impostos?

O jovem Davi ficou isento de pagar impostos por ter matado o gigante Golias (1 Samuel 17.25), por este motivo o Senhor Jesus ficou livre de pagar o imposto do Templo, pelo fato de ser descendente de Davi (Mateus 17.25)?

Jesus era isento de pagar impostosÉ seguro afirmar que os textos de 1 Samuel 17.25 e Mateus 17.25 não guardam qualquer relação entre si. E isto se diz com diversos fundamentos. O primeiro texto faz referência a uma suposta isenção de natureza civil. Os homens de Israel disseram a Davi, sobre Golias: “Há de ser, pois, que ao homem que o ferir o rei enriquecerá de grandes riquezas, e lhe dará a sua filha, e fará isenta de impostos a casa de seu pai em Israel”. O segundo texto cuida do imposto que era pago ao templo de Jerusalém, portanto, uma obrigação religiosa. São tributos de naturezas distintas.

Ademais, não há registro de que Davi tenha recebido quaisquer das vantagens que “os homens de Israel” haviam dito que receberia aquele que vencesse o gigante. Não se vê Davi recebendo riquezas e nem mesmo a filha de Saul. Pelo contrário! O rei oferece a Davi sua filha mais velha, Merabe, em troca de seu trabalho como chefe de guerra: “sê-me somente filho valoroso e guerreia as guerras do Senhor” (1 Samuel 18.17). Nem essa promessa (essa, sim, feita pelo rei!) foi cumprida. Merabe foi dada a outro homem, Adriel, meolatita (vs. 19). O que Davi recebeu foi muita perseguição!

De qualquer sorte, ainda que a isenção de impostos anunciada pelo povo tenha sido conferida à família de Davi, não poderia produzir qualquer efeito aos seus descendentes em relação ao dever de todo o judeu de pagar o imposto do templo, obrigação fundada na ordem dada por Deus a Moisés em Êxodo 3.11-16. Trata-se, ali, de oferta anual devida por todos os homens acima de 20 anos, destinada ao serviço da tenda da congregação e, posteriormente, ao templo (2 Crônicas 24.5,6). Uma obrigação, portanto, de natureza espiritual. Saul não tinha qualquer jurisdição sobre isso! Ademais, nos seus dias ainda não havia templo em Israel e a oferta de sacrifícios não mais ocorria como nos dias de Moisés (2 Samuel 6,7).

Por que, então, Jesus disse a Pedro que não tinha o dever de pagar o imposto do templo?

É consenso entre os principais estudiosos da Bíblia (v.g., Matthew Henry, S. E. McNair, Lawrence O. Richards e Roger Stronstad) que a referência feita por Jesus à ausência de seu dever de pagar o imposto do templo diga respeito à Sua natureza divina. Ora, ao Filho de Deus não caberia sujeitar-se à obrigação de pagar tributo para a manutenção da casa do Seu próprio Pai (João 2.16). Ali estava Cristo, a quem jamais poderia ser exigido o pagamento de qualquer imposto ao templo.

Pedro, aliás, em momento precedente já havia declarado a divindade do Mestre (Mateus 16.16) e agora estava vendo reafirmada essa condição, mas a nação judaica não tinha a mesma revelação, tendo a Jesus como mais um mestre judeu. Por isso o Senhor disse a Pedro que era necessário pagar o imposto: “para que os não escandalizemos” (Mateus 17.27). Além do que, foi mais uma forma de demonstrar Sua disposição de cumprir toda a lei (Mateus 5.17). Também certamente não interessava ao Mestre que uma questão paroquial, ocorrida em Cafarnaum, na Galiléia das nações (Mateus 4.15), pudesse ganhar maiores proporções.

Silas Queiroz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »