Hostilidade contra cristãos cresce 100%

Número de cristãos assassinados dobrou nos dados da Portas Abertas

Hostilidade contra cristãos cresce 100%Divulgado todos os anos, desde 1993, o relatório da agência Portas Abertas sobre os países onde a perseguição a cristãos é mais intensa foi publicado em janeiro. A lista de 2014 dos 50 países com maior perseguição apresenta algumas diferenças em relação à referente ao ano de 2013. Uma delas é a presença do México, que depois de três, figura na lista, sendo mais um nas Américas, coma Colômbia, que permanece na lista. Outra é a presença da Turquia e do Azerbaijão, que não estavam na lista do ano passado. Outra ainda é o aumento do número de cristãos assassinados por causa da sua fé nos dados da agência Portas Abertas (em outras agências o número é maior): 2.123 em 2013 e 4.344 em 2014.

O nível de perseguição aumentou nos seguintes países, sobretudo pela forte atuação de grupos terroristas como o Estado Islâmico, Al- -Qaeda, BokoHaram, entre outros, ou pela manutenção de regimes de governos ditatoriais: Coreia do Norte, Somália, Iraque, Síria, Afeganistão, Sudão, Irã, Paquistão, Eritreia, Nigéria, Maldivas, Líbia, Uzbequistão, Vietnã, Catar, Quênia, Turcomenistão, Índia, Djibuti, Mianmar, Territórios Palestinos, Brunei, China, Butão, Comores, Tanzânia, Argélia, Malásia, México, Turquia, Cazaquistão, Bangladesh, Tajiquistão, Azerbaijão e Indonésia. Nos demais, houve uma pequena queda ou manutenção do quadro anterior. Os países que ficaram de fora foram Barein, Marrocos e Níger, o que não indica que não haja perseguição por lá, já que, como informa Portas Abertas, o relatório tem mais de 65 nomes de países.

A perseguição aos cristãos não são configuradas apenas pela existência de violência física, mas também pelo cerceamento de direitos básicos em seu convívio social e familiar. Segundo Portas Abertas, existem cinco esferas de perseguição contra cristãos, a saber: Individualidade, Família, Comunidade, Nação e Igreja.

Nessas esferas, as restrições aos cristãos são, entre outras: possuir um exemplar da Bíblia ou outros livros cristãos; escolher que religião quer seguir; orar a Deus em público, e até mesmo dentro de casa. Existe também o tipo de perseguição perpetrada pela família, onde o ente querido é posto para fora de casa, deserdado e proibido de participar dos encontros familiares, sejam eles de qualquer natureza, até mesmo enterro do pai ou da mãe, caso não negue a fé. As pressões da comunidade para o convertido negar a fé se dá pelo preconceito, dificuldades de acessar recursos, discriminação no trabalho, intimação a delegacias, entre outras. Em um contexto mais amplo, os cristãos sofrem oposição pelas leis existentes em alguns países, que os proíbem de se reunir, construir igrejas (há lugares em que igrejas já construídas são queimadas e demolidas), pregar a Palavra, e os que tentam entrar ou sair do país enfrentam problemas ao tirar passaporte. Muitos dos que tentam infligir tais leis são açoitados e sentenciados aos mais variados tipos de mortes.

Embora certos tipos de perseguição pareçam ser um pouco mais amenos que os outros, todos os cristãos que vivem a liberdade de adorar a Deus em seu local de culto, em casa e também nas ruas, precisam entender o valor dessa liberdade e interceder por aqueles que pagam com sua própria vida pela busca do direito de viver sua fé, mesmo que às escondidas.

Confira acima ilustrações com os nomes dos países, classificação na lista e localização no mapa, por meio do qual é possível ver em quais continentes levar a Palavra de Deus pode custar a própria vida

Infográficos: Portas Abertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »