Governo demole igrejas cristãs na China

Desde março, pelo menos doze templos foram alvos de ações no país

Governo demole igrejas cristãs na ChinaAutoridades chinesas de Wenzhou começaram, em 28 de abril, a demolição da igreja protestante na cidade ignorando semanas de protestos da comunidade contra a demolição, que foi ordenada, de acordo com os crentes de Wenzhou, pelo secretário do Partido Comunista, que depois de uma visita oficial à região manifestou seu desagrado com a grande cruz que coroava o templo construído recentemente.

Imagens divulgadas nas redes sociais chinesas mostravam vários tratores destruindo grande parte da fachada da igreja de Sanjiang. Essas imagens logo correram o mundo. Após quatro dias de concentração ao redor do templo em busca de revogação da decisão do secretário do PC, os fiéis tinham tido a promessa de que o templo não seria demolido, mas os primeiros preparativos para a demolição foram anunciados uma semana depois e os protestos foram retomados. “A demolição vai danificar a já frágil confiança entre milhões de cristãos chineses e o governo”, disse Bob Fu, presidente da Associação de Ajuda à China, organização com sede nos EUA.

Mais de 5 mil cristãos em Wenzhou formaram um escudo humano em torno da igreja Sanjiang depois que o governo anunciou planos para demolir o edifício. Eles se reuniram em frente ao prédio para cartar e orar enquanto uma vigília de oração ocorreu, mas as autoridades locais disseram que a igreja protestante, que tinha sido aprovada pelo próprio governo, violou certos códigos de construção e que era estruturalmente insegura. Porém, os códigos violados não foram apontados.

O prédio de oito andares com mil metros quadrados fora citado como “projeto modelo” em setembro do ano passado, de acordo com o site da igreja. Os líderes disseram que a verdadeira razão da destruição do templo é que os funcionários do Partido Comunista ficaram preocupados com a rápida difusão do cristianismo na província e por isso promoveram a demolição do templo.

Centenas de fieis que fizeram vigília de 24 horas em torna da igreja para protegê-la disseram não temer nem a morte para protegê-la. Embora o direito à liberdade de crença religiosa é garantida pelo artigo 36 da Constituição chinesa, a proteção é limitada aqueles que adoram dentro dos organismos religiosos sancionados pelo Estado. Aqueles que optarem por praticar sua fé fora destas igrejas sancionadas, ou cujas crenças não são reconhecidas pelo Governo, estão em constante risco de serem acusados de participar de atividades ilegais, o que acarreta punições pesadas.

No entanto, mesmo aqueles que adoram dentro das igrejas aprovadas pelo Estado muitas vezes enfrentam dificuldades. A Igreja Sanjiang em Wenzhou já tinha sofrido sanções do Governo, e por conta disso a decisão de derrubá-la veio depois de uma inspeção recente no local. Wenzhou alegadamente tem a maior comunidade cristã na China – um país em que milhares são chamados para se converter ao cristianismo diariamente. De acordo com o jornal britânico “The Telegraph”, havia apenas um milhão de crente na China, quando o Partido Comunista ateu subiu ao poder em 1949; agora, já são em torno de 100 milhões de convertidos.

Em Wenzhou, os cristãos tem se posicionado contra esta e outras recentes tentativas do Estado de limitar a liberdade e culpam o excesso de zelo do líder do partido provincial Xia Baolong. “Existem pessoas ruins lá fora, tentando prejudicar a nossa igreja, por isso devemos defendê-la”, diz Li Jingliu, um cristão de 56 anos de idade, que dormiu na igreja durante uma semana para protegê-la.

“O comportamento [de Baolong] é ilegal. El abusa de seu poder. A construção da igreja não é contra a lei”, acrescentou Wang Jianfeng, cristão de 47 anos de idade. Os fiéis que tentaram proteger a igreja criaram até uma cozinha improvisada para poderem ficar o tempo que fosse preciso no local. Li Jingliu, membro da igreja em Sanjiang há 34 anos, declarou: “Eu vou proteger a igreja até o fim, sem temer nenhuma dificuldade ou até mesmo a morte”. Mesmo assim, a igreja foi derrubada.

Outras demolições

Notícias dão conta que outras igrejas e símbolos cristãos no país estão sendo alvos das investidas do governo chinês. Segundo o site de notícias do jornal “The Telegraph”, “pelo menos seis outros [templos] foram derrubados este ano”.O jornal norte-americano “The New York Times”, porém, noticiou que desde março pelo menos uma dúzia de igrejas em toda a província de Zhejiang recebeu ordens de remoção de suas cruzes ou de demolição do templo.

Um dos templos marcados para ser demolido é o da igreja Xiaying Santo Amor, na cidade portuária de Ningbo. A igreja foi condenada a fechar por um representante do Partido Comunista depois de ter sido considerada “assustadoramente impressionante”. O argumento do governo chinês é que as igrejas estão irregulares e violando os códigos de construção do país. Mas não é bem isso que diz um documento interno do governo, analisado pelo “The New York Times”. O escrito diz que as demolições fazem parte de uma estratégia para reduzir o perfil público do cristianismo. “A prioridade é remover as cruzes de lugares dedicados as atividades religiosas de ambos os lados das autoestradas, das estradas nacionais e das autoestradas provinciais”, diz o documento.

As ações têm preocupado os cristãos chineses, mas muitos deles entendem que mesmo com a perseguição a Igreja vai continuar crescendo. Oremos pelos cristãos da China para que o Senhor os ajude a vencer mais esse momento de perseguição orquestrado pelo governo no país.

Por, Mensageiro da Paz.

One Response to Governo demole igrejas cristãs na China

  1. PrincipeDeJah disse:

    É a profecia se cumprindo, todas as religiões serão derrubadas pelos governos. >> Apocalipse- 17: 16,17; 18: 4<<

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »