De visitante a morador em nós

De visitante a morador em nósTomo por base para esta reflexão o texto de Gênesis 18.1-12. Ao me referir à visitação divina, não falo de uma passagem descomprometida e apressada de Deus na vida do crente. Falo, sim, de algo que arde no coração de Deus e deve ferver no coração de cada crente. A presença de Deus necessita ser desejada e buscada a cada dia. Não basta afirmamos que somos de Deus; necessitamos urgentemente da visitação dEle em nossa vida. E que nesta visitação o Senhor se sinta à vontade também em nossa família e igreja.

Se há em nós o fervor do desejo de sermos visitados por Deus, imaginemos como arde no coração de Deus o vir ter conosco. A maior prova disso foi quando Ele se humanizou e veio ter com os homens. Ao recebermos a visita de Deus, tenhamos o entendimento de que Ele vem para cear conosco (Apocalipse 3.8). O Senhor quer estar conosco, para, entre outras coisas:

1 – Desfrutar da nossa dedicação (versículos 2 e 3). Poucas pessoas viajam durante o maior calor do dia. Aquela era uma visitação inesperada e diferente. Deus fez diferente com Abraão, veio ao seu encontro no maior calor do dia e foi ao encontro de Ló ao anoitecer. Percebe-se que Abraão não via na aparência deles nada de divino, mas bastou conversar e desfrutar de sua comunhão e ele logo reconheceu que ali estava o Senhor.

Observamos que somente depois da circuncisão, ato simbólico da aliança, veio a visitação de Deus (Gênesis 17.23). Deus está nos ensinando que quando lançamos fora tudo o que é impuro, imundo e desprezível, Ele vem ao nosso encontro para nos abençoar e ser servido por nós. Abraão estava limpo e disposto para servir. Logo correu ao encontro e com rapidez envolveu a esposa e os criados a servirem correndo, fazendo os preparativos para o banquete. Abraão correu, Sara apressou-se, o servo também. Servir a Deus requer dedicação, sacrifício e prontidão. Você está limpo, vida limpa, fé limpa? Está disposto a qualquer hora se entregar em adoração e serviço? Estamos dispostos a servi-lO com o melhor que temos? Abraão, mesmo velho, deu o melhor de sua força. Ele correu e se prostrou mesmo sendo velho. Sara pegou a flor da farinha, o que tinha de melhor e fez um bolo e o servo separou o melhor novilho e o matou. E você, o que tem feito? Quanto tens feito? De que forma tens feito? Queremos a presença de Deus, mas, infelizmente, em muitos não há nada que O agrade. A impureza, a incredulidade, a frieza e a falta de compromisso têm afastado Deus de nossa vida, família e igreja. Chegou a hora de ficarmos alertas à porta da tenda esperando na hora mais improvável a visitação de Deus vindo ao nosso encontro. O que você está esperando? Corra para os braços do pai, se prostre diante dEle e Sua soberania e O sirva com alegria.

2 – Reafirmar grandes promessas (versículos 9 a 12). Deus tinha vindo do céu naquela hora para reafirmar que Abraão e Sara seriam pais. Era uma notícia maravilhosa! Quando o Senhor viu a prontidão, serviço e dedicação, Ele liberou a promessa maravilhosa. Porém, Sara duvidou rindo diante de tão grande desafio. Quando alguém duvida de Deus, questiona diretamente tanto Sua verdade como Sua capacidade. E aí está o perigo de sermos atingidos pelo mal da incredulidade. Deus é um Deus fiel! Quando Ele faz promessa podemos ter certeza que Ele a cumprirá (2 Timóteo 2.13). Diante daquilo que Deus lhe prometeu, espere com paciência. Ele é poderoso para fazer aquilo que vemos como impossível de ser realizado (Gênesis 18.14; Jó 42.2; Jeremias 32.17; Lucas 1.37).

3 – Caminhar conosco atendendo a nossas petições (versículos 21 e 22). Abraão tinha tanta comunhão com Deus que sabia o que aconteceria com Ló e seus vizinhos, coisas que nem mesmo eles sabiam. Ele sabia também que não podemos ser uma grande benção para Deus se não formos canal de benção para nosso próximo. Então ele se lançou em oração intercedendo por seu sobrinho. Sara e o servo ajudaram a Abraão no banquete, mas ali, diante do Senhor que marchava em Juízo, ele tinha que lutar sozinho pela vida de seus parentes. Receber a visitação de Deus produz dentro do crente o sentimento de compaixão e partilha eliminando todo orgulho, altivez e ganância. Abraão queria que a benção fosse desfrutada por todos, até pelos que estavam entre os piores pecadores do mundo naquele tempo. Abraão estava orando sozinho e Deus o assistia com gozo e atenção. Ninguém ouse desprezar a quantidade de crentes sinceros que oram, mesmo que seja um pequeno grupo. Não importa quão insignificante e pequeno você se sinta, acredite sua vida e comunhão faz a diferença diante de Deus no mundo.

Fale com Deus, sua voz jamais será sufocada pelo mundo, sua voz jamais será abafada pelos homens, sua voz alcançará a Deus e Ele alcançará as pessoas pelas quais você está orando. Haverá grande livramento, haverá milagres, haverá festa mesmo que você não seja convidado, mas, banque a festa orando. Ore, ore e ore até os céus se abrirem, os corações se abrirem, o cárcere se abrir, as correntes se partirem, o inferno tremer, os demônios voltarem para trás. Ore, ore, ore e ore! O Senhor te assiste e se move.

Há algo muito importante que precisamos entender no contexto da vinda de Cristo ao mundo. É que não apenas temos que receber a visita do Senhor, mas temos que ser Sua morada (João 14.23).

Por, Carlos Alberto Costa de Sousa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »