De mero espectador à participante

De mero espectador à participanteQuando nos deparamos com a narrativa bíblica de Lucas 6.5-11, encontramos uma cena muito interessante, onde um grupo em particular nos chama a atenção por sua falta de atitude: os escribas e fariseus. Vejamos o comportamento destes.

Não se preocupavam com o próximo – Havia na sinagoga um homem com a mão mirrada, porém este grupo não expressa nenhuma reação em prol desta vida.

Quando nós frequentamos a igreja, afirmamos que servimos a Deus, porém nossas atitudes não transmitem o amor ensinado pelo Senhor e muitas vezes nos falta misericórdia? Encontramos vidas que ainda não tiveram um encontro verdadeiro com Deus e isso não nos toca mais, temos parado de ouvir os gemidos das almas, parece que não nos importamos com o triste destino daqueles que não tem o nome no Livro da Vida.

Esta falta de amor às vezes é tão evidente que quando ouvimos falar a respeito de determinado irmão ou obreiro, que infelizmente veio a naufragar na fé, nosso coração não sente pesar e em muitos corações surge uma “alegria maligna”.

Segundo a Palavra do Senhor, o amor de Deus foi derramado em nossos corações, sendo assim, nossa vida tem que exalar amor e nossas atitudes têm que confirmar a fé que professamos. Ainda há muitas vidas longe dos caminhos do Senhor, somente o amor nos impulsionará a levar a elas o que temos de mais precioso em nossas vidas: a Palavra de Vida Eterna.

Não se alegravam com a vitória do próximo – O escribas e fariseus sabiam que Jesus operava milagres, tanto é que ficaram na expectativa para ver se curaria no sábado para acharem de que acusá-lO após a realização do milagre ficaram cheios de furor. Seus interesses próprios estavam acima da felicidade daquele homem que recebeu o milagre.

Muitas vezes nos portamos como o irmão do filho pródigo que não se alegrou com o retorno do seu irmão. Permitimos às vezes que dentro de nossos corações nasça uma raiz de inveja, mas é bom entendermos um pouco mais sobre este sentimento pecaminoso.

A inveja é um sentimento de cobiça à vista da felicidade, da superioridade de alguém. Sensação ou vontade indomável de possuir o que pertence à outra pessoa. O indivíduo invejoso é um ser insatisfeito, seja por imaturidade, repressão, frustração etc. Por isso que ao invés de aceitar suas carências ou perceber seus desejos e incapacidades e assim desenvolvê-las, odeia e deseja destruir as pessoas que lembrem de sua privação.

Pesquisadores descobriram que quando pessoas sentem inveja acionam uma região do cérebro associada à dor física e mental: porém quando ocorre algo de ruim com as pessoas alvo da inveja, ocorre grande atividade na região cerebral associada à alegria que se tem quando se recebe um prêmio.

Quantas vezes não nos alegramos com a vitória de nossos irmãos, ficando apenas preocupados com nosso “mundinho” e esquecendo-nos de nos alegrar com os que se alegram? Esta inveja tem levado disputas dentro da Casa do Senhor, fazendo muitos esquecer que estamos do mesmo lado, fazemos parte do mesmo exército, da mesma casa, e o próprio Jesus nos afirmou que uma casa dividida não subsiste.

O que Deus tem a fazer na minha vida e na sua vida, na hora certa Ele fará. Então vamos nos alegrar com a vitória de nossos irmãos, pois a vitória deles é a vitória da Igreja do Senhor.

Não queriam fazer parte do milagre – Em nenhum momento o grupo em questão esboçou reação no sentido de levar o homem da mão mirrada até Cristo, mas o Mestre Amado pediu para que o homem ficasse em pé no meio e realizou o milagre.

Ouvimos muito que milagres não estão mais ocorrendo como antigamente e que as maravilhas não são mais vistas, porém muitos de nós tem ficado como meros expectadores, não temos estado dispostos a pagar o preço na oração, jejum e meditação da Palavra para sermos usados pelo Senhor poderosamente.

Caro leitor, você e eu não fomos chamados para sermos meros expectadores, mas participantes da Obra do Senhor. Não fomos chamados apenas para sermos abençoados, mas para sermos uma bênção na Casa do Senhor. Não fomos chamados apenas para participar de cultos, mas para termos uma vida que cultue ao Senhor. Não fomos chamados para apenas ver milagres, mas para sermos um milagre de Deus nesta terra. É hora de colocarmos a mão no arado, pois Cristo está às portas e o que temos a apresentar a Ele?

Por, Lincoln Alves de Fontes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »