“Crepúsculo” e sua influência perniciosa sobre jovens e adolescentes

“Crepúsculo” e sua influência perniciosa sobre jovens e adolescentesO livro e o filme Crepúsculo (Twilight) têm em sua saga dois personagens principais, Edward Cullen e Isabella Swan (Bella). Conforme relata a escritora Stephenie Meyer, tudo aconteceu quando ela teve um sonho em 2 de junho de 2003. No sonho, ela viu uma garota humana e um vampiro que estava apaixonado por ela, e também pelo seu sangue. Foi baseado nesse sonho que Meyer escreveu o livro Crepúsculo. O enredo conta a trajetória de Bella, que, após a separação dos seus pais, vê sua mãe casar-se novamente e resolve sair de sua cidade, Phoenix, para Fork, em Washington, a fim de viver na companhia de seu pai, mudança que lhe proporcionou experiências de adaptação. Bella começou a estudar em uma escola local e, ali, conhece Edward Cullen e se apaixona por ele. Cullen é um jovem que esconde um grande segredo. Eles começam a namorar e Bella descobre que Cullen na verdade, é um vampiro. Porém, como Bella está perdidamente apaixonada por ele, continua o namoro.

Após algum tempo juntos, ela vai conhecer os pais de Edward, que lhe recebem com muito afeto e cordialidade. Em uma tarde, Bella e Edward jogam Baseball juntos, quando um trio de vampiros resolve passar na casa de Edward só para dar um “Oi” e descobrem que Bella não é uma vampira, começando uma caça a garota. Bella foge com a ajuda da família de Edward, mas é alcançada, caindo em emboscada. Bella é mordida pelo vampiro, entretanto Edward suga o veneno da mordida do vampiro a fim de livrá-la de se tornar um monstro. Ele parte para sucção, ultrapassa o tempo permitido e a menina quase vai a óbito. Mesmo assim, após irem juntos a uma formatura, Bella diz que deseja ser uma vampira e viver eternamente ao lado de Edward.

O livro Crepúsculo foi lançado nos EUA em 2 de agosto de 2008, em 9 de junho de 2009 em Portugal e 17 dias depois no Brasil. O livro é dividido em três seções, sendo a primeira narrada pela personagem Isabella Swan, a segunda pela personagem Jacob Black e a terceira pela personagem principal Bella Swan. A primeira tiragem foi de 3,7 milhões de exemplares nos EUA. Destes, 1,3 milhão foram vendidos em 24 horas.

Desconhece-se a verdadeira etimologia da palavra “vampiro”, porém a crença em vampiros (demônios que bebem sangue) é universal. Ela é documentada na antiga Babilônia, no Egito, em Roma, na Grécia e na China. O vampiro é conhecido por vários nomes: vrykolakes, brykilakas, barbarlakos, borborlakos ou bourdoulakos em grego moderno; katakhanoso ou baital em sânscrito antigo; upiry em russo; upiory em polonês; blutäuger em alemão etc. Os chineses antigos temiam o giang shi, um demônio que bebia sangue. Na China, histórias sobre vampiros já existiam em 600 a.C. Descrições de lendas acerca de vampiros são encontradas nas antigas cerâmicas da Babilônia e da Assíria, milhares de anos antes de Cristo.

A crença também floresceu no Novo Mundo, assim como no Antigo. Os peruanos pré-colombianos acreditavam numa classe de demônios chamados canchus ou pumapmicuc, os quais sugavam o sangue dos jovens adormecidos de modo a partilhar sua vida. Os astecas sacrificavam o coração dos prisioneiros ao sol, na crença de que seu sangue conservava a energia solar.

Enfim, vampiros não são figuras benéficas, mas doentias e demoníacas, que não podem ser vistos com simpatia e admiração. A inversão de valores que se vê hoje pode ser explicada pelas palavras de Jesus em João 3.19: “A luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque suas obras eram más”. Infelizmente, no Brasil mesmo já existem vários clãs denominados “vampíricos”, com confederações, rituais de iniciação, líderes e muitos seguidores. A característica de seus membros é bastante peculiar. Existem muitos jovens hoje no Brasil que dormem durante o dia e vivem vagando pelas noites, repousando em caixões funerários, tendo relações sexuais em cima de túmulos e promovendo rituais com sangue e cadáveres de cemitérios. Eles fazem suas reuniões normalmente em ambientes macabros como cemitérios ou em praias desertas.

Nesse meio, há ainda uma forte relação com sedução e promiscuidade, pois os vampiros têm forte apelo sexual, atraindo suas vítimas pelo desejo de luxúria.

Lembrando ainda que, às vezes, o jovem começa a se fantasiar de vampiro somente por causa dos jogos de RPG e, com o passar do tempo, vai se aprofundando nessa crença tola; e, quando se dão conta, já está trocando o dia pela noite e dormindo em caixões.

Como se não bastassem os valores imorais e demoníacos da figura do vampiro, o que torna a admiração por personagens desse tipo algo extremamente pernicioso, essa febre comportamental em torno da série Crepúsculo é alimentada pelas escolas seculares, que indicam às crianças e aos adolescentes que leiam os livros e assistam os filmes da série. Diante dessa realidade, os pais devem ficar atentos e orientar os filhos sobre os erros e males dos livros e dos filmes da série. Um diálogo aberto com o filho (a) é uma boa saída.

Conversei com meu sobrinho, um adolescente, sobre o conteúdo dos livros e dos filmes, e, depois de ele assistir ao filme, me disse: “Tio, eu assisti o filme e, como o senhor me disse, não há mesmo nada de interessante”. E ele ainda me disse, em tom de lamento, que, no colégio em que estuda, em sua classe, existe uma moça evangélica que já leu todos os livros da série Crepúsculo. O esclarecimento por meio de um diálogo aberto é muito importante.

Por, Arnaldo Senna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »