Compreendendo nossos limites: aprendendo com os erros de Uzias

Compreendendo nossos limites - aprendendo com os erros de UziasNa vida espiritual, não basta começar bem; devemos continuar e terminar bem. Entre as muitas biografias registradas na Bíblia, encontramos em 2 Crônicas 26 a história de um homem que reinou 55 anos em Jerusalém. A sua carreira começou aos 16 anos, animado, sincero, fazendo o que era reto aos olhos de Deus. Seu nome era Uzias. Ele dedicou-se a buscar o Senhor, e Deus o fez crescer e prosperar em todas as áreas do seu governo. O seu nome atravessou fronteiras, de maneira que até no Egito se falava da prosperidade de Uzias. O seu governo voltou-se à agricultura, e ele fez também um projeto de irrigação, fazendo crescer nos vales o número dos lavradores e vinhateiros.

Uzias apoiou grandemente a pecuária e o número de gado se multiplicou. Escolheu homens destros nas armas e formou um forte exército com 307.500 soldados habilitados para guerrear. Também foi cuidadoso na preparação das armas para uso dos seus comandados, mandando produzir escudos, lanças, capacetes, couraças, arcos, fundas para atirar pedras, um verdadeiro arsenal. Fabricou ainda máquinas, inventos de engenheiros que, colocados nas torres e cantos da cidade, atiravam ao longe flechas e grandes pedras. Eram os canhões da época.

Porém, após a fama de Uzias crescer, ele se sentiu tão forte que não mais observou os limites de Deus. Exaltou-se o seu coração até se corromper e transgredir contra o Senhor seu Deus. Sua força e sua personalidade também interferiram no domínio do santuário. O rei não respeitou o sacerdote de Deus; sentindo-se superior, entrou onde não lhe competia.

Deus o havia abençoado grandemente, mas a sua exaltação o levou a transgredir contra Deus. Com o caso de Uzias, aprendemos que Deus tem grandes planos para abençoar nossas vidas – podemos crescer nas áreas da economia, intelectual, patrimonial, política, social etc. –, mas o homem tem que compreender seus limites, seu domínio.

Por, José Wellington Bezerra da Costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »