Como lidar com a geração Y e Z

thumbs2412É verdade que os conflitos de geração sempre existiram e existirão. Assim como sempre será possível contorna-los e extrair o melhor das características de cada geração e também da relação entre elas.

Baby Boomers e Geração X

Os nascidos entre 1945 e 1965, são classificados como “Baby Boomers” (o “bum” dos bebês), pessoas que, aqui no Brasil, ainda viveram em um regime militar. Por isso é uma geração caracterizada pela hierarquia, onde simplesmente se obedecia pais e professores, pastores e líderes sem questioná-los. Simplesmente porque estes eram os detentores do poder.

Após os “Baby boomers”, veio a minha turma, a “Geração X”, dos nascidos entre 1965 e 1980. Em geral esta geração foi culturizada a pensar na qualidade de vida, longevidade, e são pais geralmente mais abertos, às vezes super protetores, e dão mais liberdade do que receberam. A “Geração X” é bastante dedicada ao trabalho e permanece por mais tempo no mesmo emprego.

Geração Y

A seguir temos a “Geração Y”, que compreende os nascidos entre 1980 e 1994, justamente no “boom” da tecnologia. Seus pais, são dedicados à carreira profissional, dentro de uma estrutura com pouca hierarquia, cujos filhos da classe média têm agendas lotadas: natação, línguas, informática, balé, futebol, etc. Tudo em nome do “melhor para o filho”, a fim de compensar o pouco tempo que de fato dedicam a eles, criados por creches ou babás. Os filhos aprenderam a viver sozinhos, por isso se tornaram mais individualistas.

A “Geração Y” é caracterizada como uma geração muito ansiosa e muitos acabam perdidos sem saber para onde ir, devido sua criação. Buscam muito a aprovação do grupo, diferente das gerações anteriores que buscavam a aprovação de seus pais.

Não são poucos os pais ou professores que têm dificuldades nos relacionamentos com os jovens da “Geração Y”, pelo fato de eles não se importarem com a hierarquia. Conversam com o professor, chefe, pastor, pais de “igual para igual”, embora isso não signifique necessariamente um desrespeito. Na verdade eles acreditam em seu potencial e são questionadores. Geralmente impacientes costumam querer tudo na hora. Por isso mudam com maior frequência de trabalho e quando ficam dois anos sem uma promoção já se sentem fracassados. Trabalham por prazer, pois acreditam que é possível aliar as duas coisas. Muitos chegam a cargos de liderança bastante jovens, exercendo multitarefas. Como é o caso do ícone dessa geração, o bilionário Mark Zukerberg. Não conseguem se imaginar sem tecnologia, se irritam facilmente quando são contrariados, tendo dificuldades em se relacionar de forma interpessoal. Porém, a “Geração Y” também é muitíssimo criativa, aberta às ideias, desprendem muita energia para o que desejam. Por isso, quando se entregam a Cristo são uma ferramenta poderosa em prol do Reino de Deus. Saiba utilizar essas características neles!

Geração Z

A “Geração Z” (de zapear) são os nascidos após 1994. É a geração que nasceu e cresceu com a internet e familiarizada com as tecnologias. Passam horas conectados, e usam computador, ouvem música e trocam mensagem ao celular tudo ao mesmo tempo. Nasceram, na maioria, com dia e hora marcados (cesariana), e alguns com o ultrassom 3D já postado no Facebook. São muito mais ansiosos, impacientes e acelerados que a “Geração Y”, e com muito mais dificuldades para trabalhar em grupo, por serem ainda mais individualistas. Não conseguem se imaginar sem as tecnologias um dia sequer. Querem tudo rápido, como um “enter” do computador.

Um estudo do TNS Research International, importante empresa de pesquisas, mostrou que dentre crianças de 6 a 12 anos, em 600 famílias, cerca de 89% buscam as redes sociais para conversar com amigos e se comunicam muito através da tecnologia, embora pessoalmente tenham muitas dificuldades para fazerem amigos, e acabam se isolando em seus quartos.

Os pais precisam ter acesso ao que os filhos fazem na internet, usar ferramentas para monitorar e gerenciar a internet em geral, seja nas Redes Sociais como Facebook, Twitter e MSN, ou em sites de jogos e outros. Por mais difícil que possa parecer, os pais precisam buscar contato com seus filhos, procurar assistir filmes juntos, sair, conversar, e fazerem as refeições juntos.

É importante salientar que a igreja também se transforma com as questões sociais. Se você for pelo menos da “Geração X”, como eu, você vai se lembrar dos hinos que foram compostos pela geração anterior. Na época do militarismo os hinos “Sou um soldadinho de Jesus”; “Os guerreiros se preparam para uma grande luta” entre outros, traziam para a liturgia do culto a realidade social daquela geração.

Tanto os professores de Escola Dominical, como líderes, pastores e pais precisam se atualizar e buscar conhecimento para melhor se relacionarem com as gerações Y e Z. Para este grupo o papel de liderança é exercido pelo facilitador, não pelo “ditador”.

Entre formas de se aproximar deles, usem estratégias inovadoras: debatam filmes, façam gincanas, usem todas as ferramentas tecnológicas para abençoá-los. Por que não evitar mensagem de texto para seus alunos e liderados? Mostre-os na linguagem deles que você se preocupa com suas vidas. Tenha uma liderança participativa, onde suas opiniões podem ser confrontadas por eles sem problema algum. Quando errar reconheça e peça perdão. Não seja inseguro quanto a isso, pois tais posturas só conquistarão o respeito dessas classes.

Geração JC

Vamos aproveitar o que a diferença entre as gerações nos traz de bom, de soma, de crescimento pessoal. Seja do jovem ao ancião. O importante é respeitar e aprender uns com os outros, independente de qual dessas classificações nos encontramos. Aliás, é bom sempre lembrarmos que temos algo em comum. Todos nós somos a Geração JC. A Geração que traz a marca de Jesus Cristo em suas vidas, e esta marca nos une e nos aproxima acima de qualquer diferença. Vivamos respeitando as habilidades de cada geração, e cresçamos juntos, tanto na área emocional, intelectual, física, como principalmente na vida espiritual e social.

Por, Valquíria Andréia Salinas Goulart

2 Responses to Como lidar com a geração Y e Z

  1. Amanda disse:

    Olá, eu gostaria de saber como faço pra entrar em contato com a doutora Valquiria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »