Cheios do Espírito na dimensão profissional

Cheios do Espírito na dimensão profissionalA epístola aos Efésios é uma circular às igrejas da província da Ásia entre os anos 52 e 55 d.C. Segundo Donald C. Stamps, editor geral da Bíblia de Estudo Pentecostal, editada pela CPAD, ela também pode ser a mesma carta aos Laodicenses  mencionada pelo apóstolo Paulo em Colossenses 4.16.

A epístola aos Efésios integra o grupo das quatro epístolas escritas na prisão, juntamente com Filipenses, Filemon e Colossenses. Isso significa dizer que, enquanto o apóstolo redige Efésios, ele se encontrava preso, provavelmente em Roma. O tema central da epístola é “o desígnio de Deus que desde toda eternidade foi oculto durante séculos”. No entanto, esse desígnio foi revelado à humanidade através da Igreja de Cristo Jesus como nos relata o apóstolo Paulo em Colossenses 1.26, 27: “O mistério que esteve oculto desde todos os séculos e em todas as gerações e que, agora, foi manifesto aos seus santos; aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste ministério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória”.

Em Efésios 1.15, 16, Paulo descreve a fé da igreja centrada no Senhor Jesus e o amor mútuo praticado por ela. Estes são os elementos centrais da vida daquela comunidade cristã destacados por ele. Os agradecimentos pessoais de Paulo a Deus por essa Igreja são demonstrados em sua oração. Nesse contexto é que o apóstolo abordará a antítese entre o enchimento do Espírito Santo e o “espírito” de contenda proveniente do uso do vinho (5.18).

É comum nos reportarmos à experiência de Atos no capítulo 2 quando a Epístola aos Efésios apresenta o tema do enchimento do Espírito. Aqui, é preciso dar uma breve explicação ao preclaro leitor. No livro dos Atos dos Apóstolos, o evangelista Lucas utiliza um recurso linguístico particular para citar o cumprimento literal do batismo com o Espírito Santo predito por Jesus Cristo: “E todos foram cheios  do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (Atos 2.4). O próprio Jesus havia dito: “Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (Atos 1.5). Assim, salta aos olhos do leitor que a expressão “todos foram cheios do Espírito Santo” (Atos 2.4) é sinônima da “vós sereis batizados com o Espírito Santo” (Atos 1.5). Esta é a promessa, aquela é o cumprimento da promessa.

O evangelista Lucas se refere ali, claramente, a experiência fenomenológica de poder no Espírito, literalmente profetizada por Jesus no Evangelho (Lucas 24.49) e nos Atos dos Apóstolos (Atos 1.4, 5). Entretanto, Efésios 5 apresenta o assunto numa outra perspectiva. O apóstolo remete o ser cheio do Espírito a uma experiência transcendental diametralmente interligada com o comportamento. É o verdadeiro relacionamento com o próximo como o fruto da intimidade com Deus (vv. 1-3). Vejamos:

1) No versículo 18, a embriaguez (gr. methyskesthe) realça a ideia da falta de autocontrole do indivíduo; a libertinagem (gr. asôtia) significa o excesso comportamental, imoralidade. Mas, a expressão “Enchei-vos” (gr. plêpousthe) denota o ser dominado pelo Espírito, absolutamente controlado por Ele.

2) Nos versículos 19 e 20, ser cheio do Espírito implica participar na comunidade do culto espiritual [aqui, os cânticos espirituais são consequências espontâneas do Espírito]. E a consequência disso não pode ser outra: ser capacitado a sujeitar-se um ao outro em amor.

3) No versículo 21, a prática do amor é o resultado do enchimento do Espírito. É estar cheio de Deus, do Seu amor e comunhão. Logo, a consequência natural desse culto verdadeiro a Deus denotará um espírito de sujeição em amor a Deus e ao outro.

A mensagem de Efésios é clara e taxativa: o ser cheio do Espírito implica no amor mútuo da comunidade que se chama pelo nome do Senhor, pois o ato de servir a Deus se dá nas dimensões vertical (Deus) e horizontal (o outro). Na perspectiva vertical, amando e temendo o Senhor de todo o coração, força e pensamento (Marcos 12.30); e na horizontal, amando sinceramente o próximo como a si mesmo (Marcos 12.31). Essas são as ordenanças do Evangelho para a vida.

É nessa perspectiva de espiritualidade vertical e horizontal que o restante do capítulo cinco de Efésios – até o versículo nove do capítulo seis – falará do inter-relacionamento entre “esposo e esposa”, “pais e filhos”, “patrões e funcionários”. O apóstolo Paulo denota que ambos, em amor, devam sujeitar-se ao outro para fazer o bem e amarem-se em Jesus Cristo.

Questões aplicativas

O amor cristão deve se manifestar em todo e qualquer ambiente que demanda relacionamento humano. Principalmente nos círculos cristãos. Entretanto, é importante ressaltar: antes dos compromissos firmados – o matrimonial, o maternal e o profissional –, temos laços de irmandade estabelecidos como discípulos de Jesus de Nazaré. Naturalmente, o amor descrito aqui não é, nem pode ser, um amor com viés de obrigação, pois amor compelido não é amor verdadeiro. Este é voluntário, espontâneo e não espera nada em troca. O amor praticado em Jesus nos designa a ser um e somente um corpo com Ele. Por isso podemos destacar alguns desdobramentos do amor na relação profissional entre funcionário e patrão – a aplicação pode ser feita também na perspectiva matrimonial, paternal e maternal (Efésios 5.22-6.9).

Em Efésios 6, vemos o apóstolo falando que:

1) Nos versículos 5, 6, nossa motivação, enquanto funcionários de uma empresa, deve ser a de respeito para com o patrão como quem anda em sinceridade de coração e temor a Cristo. Somos chamados a viver numa dimensão de serviço a Deus, mas também aos homens. De sorte que não há como honrar a Deus se a minha dimensão relacional com os homens de autoridade está confusa ou quebrada. É impossível viver um dualismo entre “servir a Deus e não servir o próximo”, pois a ideia central do capítulo 5 de Efésios é “sujeitai-vos uns aos outros em amor”.

2) Nos versículos 7, 8, o discípulo de Jesus é convidado a fazer o bem e a se aperfeiçoar naquilo que faz, não somente por causa do patrão, mas por Cristo Jesus. E é aí que se revela a própria realização humana. Patrão e funcionário têm um mesmo Senhor! Não há favoritismo de Deus nessa relação. O mesmo Senhor que auxilia o patrão é o mesmo que auxilia o funcionário. Nele, ambos são irmãos e um.

3) No versículo 9, o tratamento dos patrões com os funcionários deve ser no mesmo espírito de os funcionários para com os patrões: sujeição mútua. A Bíblia Nova Versão Internacional (NVI) traduz assim essa passagem que traz esse princípio: “Vocês, senhores [patrões], tratem seus escravos [funcionários] da mesma forma”. Logo, o princípio que deve nortear o relacionamento entre funcionários e patrões é o da disponibilidade de um servir o outro em amor como quem serve ao Senhor (Efésios 5.21). É incrível como o ensino do apóstolo revelado nestas linhas é revolucionário à frente do tempo dele: os patrões têm não só o direito, mas obrigações a respeito dos funcionários [HAVENER, Ivan. Efésios. In, BERGANT, Diane; KARRIS, Robert J. (Orgs.) Comentário Bíblico, p. 251). Contra isso, dizem as Escrituras Sagradas, não há lei (Gálatas 5.22, 23).

Se você excede a função de patrão, o que diz a Epístola aos Efésios a respeito da sua relação com o seu funcionário? E você que exerce a função de funcionário, como enxergar essa relação em Efésios na dimensão profissional da sua vida? Certa feita, nosso Senhor disse que no mundo gentílico o mais forte subjugar o mais fraco era perfeitamente normal, mas entre nós não! Entre nós não pode ser assim! Entre cristãos, o amor mútuo dos irmãos é que deve sobrepujar. Então, na dimensão do Espírito Santo, cada qual exercerá seu próprio papel, seja na função de patrão ou na de funcionário. Afinal de contas, hoje você pode ser o patrão, mas amanhã poderá se tornar um funcionário ou vice-versa. Mas ambos não podem se esquecer: “Sujeitai-vos um ao outro em amor” em qualquer tempo. Paz e bem!

Por, Marcelo de Oliveira.

2 Responses to Cheios do Espírito na dimensão profissional

  1. Ola eu pesso ajuda irmao praciso de oracoes para meu sobrinho Dr rafael fisioterapeuta.ele esta com cancer.ajuda-me uma tia desisperada eu a amo.e creio no senhor.jesus..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Google Translate »