Arquivos da Categoria: Reportagem

Eles atacam a família tradicional, mas com qual objetivo? Saiba o porquê

Os ataques ao conceito natural e tradicional de família são uma estratégia importante para o projeto globalista de reformulação da sociedade

Eles atacam a família tradicional, mas com qual objetivo Saiba o porquêTemos visto nos últimos anos uma intensificação dos ataques ao conceito natural e tradicional de família. Diante de tais absurdos, é natural que muitos se questionem: afinal, qual a razão para isso? Por que essa pressão midiática e política para desestabilizar justamente a célula-mãe da sociedade? Por que desferir ataques justamente contra aquela que é a base de toda sociedade, cuja saúde é vital para a saúde da própria sociedade? A resposta a essa pergunta está justamente na própria pergunta. É exatamente porque a família natural e tradicional é a base da sociedade como a conhecemos que ela está sendo atacada. O objetivo daqueles que atacam-na é exatamente reformular a sociedade, e para isso é preciso operar uma mudança desde as suas bases, isto é, desde o conceito básico de família.

Esse projeto de reengenharia social começou há décadas, começando com a propaganda pró-liberação sexual e pró-feminismo, passando pela propaganda pró-aborto e chegando à propaganda pró-cultura gayzista. Para entendê-lo, é preciso entender o que é o movimento globalista e seus propósitos.

Repúdio nacional à ideologia de gênero

Defesa da mídia à ideologia de gênero e a exposições do tipo revolta o país

Repúdio nacional à ideologia de gêneroJá há algum tempo que o abismo entre os valores da maioria esmagadora da população brasileira, de um lado, e os valores da maioria da intelectualidade e da classe artística brasileira, de outro, é enorme. Todas as pesquisas Ibope e Datafolha feitas nos últimos anos já mostravam que enquanto a maioria esmagadora do povo é contra a liberalização das drogas, contra a descriminalização do aborto, contra o “casamento” homossexual etc, a elite intelectual e artística brasileira é majoritariamente a favor. Entretanto, em nossos dias, esse abismo chegou a uma dimensão muito maior, piramidal, amazônica, absurdamente enorme.

As reações dessa classe aos casos das exposições no Santander Cultural em Porto Alegre e no MAM em São Paulo são extremamente sintomáticas. A maioria dos artistas e da mídia mainstream simplesmente saiu em defesa da exposição de crianças àquela “arte” nessas, para escândalo e asco da maioria esmagadora da população brasileira, pois estamos falando de expor crianças a imagens com mensagem pornográfica e que, como se não bastasse, pregam descaradamente a pedofilia e a zoofilia; e de estimular crianças a tocar um homem nu. Isso é mais do que uma falta de sintonia com a população. É total falta de insensibilidade, de valores mínimos. Isso demonstra a que nível moral desceu a nossa classe artística e intelectual.

Protestantismo hoje: majoritariamente arminiano e pentecostal

Estudos mostram: pentecostalismo manterá protestantismo vivo nas próximas décadas, e este será majoritariamente pentecostal e arminiano

Protestantismo hoje -  majoritariamente arminiano e pentecostalQuem manterá o protestantismo vivo em todo o mundo nas próximas décadas é o pentecostalismo. É o que mostram as estimativas e asseveram especialistas em todo o mundo. Hoje, há 700 milhões de pentecostais no planeta, o que representa 2/3 dos protestantes e 30% das pessoas consideradas cristãs (católicos, ortodoxos e protestantes de forma geral). No final de 2005, conforme divulgado pelo Mensageiro da Paz em janeiro de 2006 (edição 1.448), uma estimativa do Hartford Institute for Religion Research já havia afirmado que, em 2025, haverá um bilhão de pentecostais no mundo, os quais representarão, daqui a 8 anos, 45% dos cristãos de todo o planeta. Como os pentecostais continuam crescendo exponencialmente em toda parte, sendo, já há algumas décadas, o grupo que “carrega nas costas” o crescimento do protestantismo no planeta (inclusive, no Brasil), tal previsão se mostra mais do que plausível.

As mulheres e a Reforma Protestante

As mulheres e a Reforma ProtestanteKatharina von Bora nasceu em 29 de janeiro de 1499, filha de Hans von Bora e Katharina von Haubitz, um casal nobre que havia empobrecido e residia na pequena aldeia de Lippendorf, na região da Saxônia, na Alemanha. A mãe faleceu quando ela era pequena. Ela foi, então, levada pelo pai, com apenas 6 anos de idade, para o convento beneditino em Brehna, com o objetivo de ali receber uma boa educação. Esse convento, possivelmente, tornou-se muito caro para o pai e quando Katharina completou 10 anos de idade, em 1509, ele a transferiu para o convento da ordem Sistersinianas Trono de Maria, em Nimbschen, Alemanha.

Em 1515, Katharina fez os seus votos como freira. Assumiu viver em castidade, em pobreza e em obediência. Ela viveu cerca de 14 anos nesse convento. Um acontecimento que mudou a vida de Katharina, e também de outras mulheres que viviam nos conventos, foi a leitura dos textos de Martinho Lutero, em que este mostrava que a justificação é por graça e fé, não mais sendo necessárias as obras e os sacrifícios para alcançar a salvação. Inspiradas por essas ideias, doze freiras, entre elas Khatarina, fugiram do convento de Nimbschen, numa sexta-feira santa, dia 5 de abril de 1523. Um comerciante de Torgau, Leonard Koppe, escondeu as doze freiras entre os barris de peixes e assim as tirou para fora do mosteiro, passando pela cidade de Grimma, levando-as até Torgau, a qual ficava cerca de 52 quilômetros de Nimbschen.

Roma usa celebração para ecumenismo

Roma usa celebração para ecumenismoEntendemos, à luz da Bíblia, tendo em vista as profecias sobre um futuro governo mundial, que terá também um aspecto religioso (Apocalipse 13.4-8,11-17), que o avanço do ecumenismo é um dos sinais claros da proximidade da Vinda de Jesus. Ora, nunca o ecumenismo religioso esteve mais em alta no Ocidente do que em nossos dias, tendo como um de seus principais promotores o Vaticano.

O atual papa é um forte entusiasta do ecumenismo inter-religioso. Logo que assumiu como bispo de Roma, uma de suas primeiras medidas foi escrever cartas a líderes religiosos de todo o mundo saudando-lhes como “Sumo Pontífice”. Desde então, ele tem se dedicado avidamente a esse assunto. E como 2017 é o ano de comemoração dos 500 anos da Reforma, o líder de Roma tem se reunido desde 2015 com líderes protestantes para costurar uma “unidade sem uniformidade” com as igrejas protestantes, promovendo o ecumenismo religioso.

Os ramos do protestantismo

Os ramos do protestantismoFalar do Protestantismo historicamente é falar de uma grande árvore com vários galhos. Muitos são os ramos no Protestantismo, entretanto, por questões práticas, citaremos neste artigo apenas os principais.

Surgidos antes da Reforma, mais precisamente no final do século 12, estão os Valdenses, que existem ainda hoje e são contados dentro do Protestantismo. Eles tiveram início com Pedro Valdo, um comerciante da cidade de Lyon, na Franca, que iniciou seu movimento por volta de 1174. Valdo decidiu encomendar uma tradução da Bíblia para a linguagem do povo e começou a pregar as Escrituras à população mesmo sem ser sacerdote. Era contra a corrupção moral e doutrinária na igreja. Ele também renunciou a sua atividade comercial e todos os seus bens, os quais repartiu entre os pobres.

O que foi a Reforma Protestante?

Principal fator desse grande evento da história foi o retorno à Bíblia

O que foi a Reforma ProtestanteA Reforma Protestante foi um dos maiores movimentos da história, consistindo em um retorno à Palavra de Deus. Ela salientou o valor incomparável das Escrituras, reconhecendo-a como a nossa única regra de fé e prática. Esse princípio resplandeceu bem cedo no coração de um jovem monge alemão chamado Martinho Lutero (1483-1546), que foi usado por Deus para dar início a esse movimento no início do século 16. Esse princípio apareceu pela primeira vez de forma nítida em um discurso redigido por Lutero possivelmente para ser lido diante do Concílio de Latrão, em Roma, no ano de 1516, um ano antes de ele dar início oficialmente à Reforma. Nele, afirmava o então monge agostiniano:

“A maior e primeira de todas as preocupações – Ah, se eu pudesse inscrever com letra de fogo em vossos corações! – é que os ministros, antes de tudo, preguem ricamente a Palavra da Verdade. O globo terrestre está repleto, sim, repleto até em profusão com toda imundícia possível de doutrina. O povo é submetido a tantas leis, a tantas opiniões de homens, sim, até mesmo a matérias supersticiosas; é inundado por elas – não se pode dizer ‘ensinado’ – de modo que a Palavra da Verdade praticamente nem sequer mais sussurra; sim, em muitos lugares, nem sequer mais isso. O que pode aí nascer, se é concebido com palavras de homens, e não com a Palavra de Deus?”

Demolições de várias igrejas e mortes de missionários pelo mundo

De maio a agosto (2017), 14 templos foram demolidos no Sudão; previsão é de 27 demolições; no Paquistão, missionários chineses são mortos durante Ramadã

Demolições de várias igrejas e mortes de missionários pelo mundoNo mês de setembro, as igrejas evangélicas do Brasil costumam se mobilizar em programações de conscientização missionária nas liturgias dos cultos que realizam. É que no segundo domingo do mês se celebra o Dia Nacional de Missões, este ano, dia 10 de setembro. Momento em que os cristãos são convidados a refletir sobre o papel e o posicionamento da Igreja com relação a alcançar os povos do mundo com as Boas Novas do Evangelho.

Os motivos para celebração se dão pelo fato de que muitos são os cristãos e igrejas verdadeiramente mobilizados em prol do cumprimento do Ide do Senhor, conforme ordem dada por Ele, registrada pelo evangelista Marcos, capítulo 16, versículo 15, no Livro que leva seu nome: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”. Mas também não há como ignorar que muitos, pouco ou nada fazem em relação à maior missão da Igreja aqui na terra.

Nas referidas programações, os cristãos também são levados à consciência da necessidade, não apenas de que se contribua financeiramente para manutenção e sustento dos missionários no campo, mas para que todos se envolvam em oração por aqueles que estão no front de batalha, muitos deles em perigos de morte, em lugares onde a perseguição a cristãos é extrema. Os tais precisam de cobertura de oração.

Diariamente notícias são publicadas dando conta de como tem sido difícil a vida de muitos cristãos pelo mundo, muitos deles tem sua vida ceifada por amor ao Evangelho de Jesus e pela convicção de que tem que compartilhar o amor do Senhor, nem que para isso paguem com a própria vida.

Vestígios indicam escravidão israelita

Museu londrino guarda artefatos da permanência de Israel no Egito

Vestígios indicam escravidão israelitaNa comunidade científica, não existe um consenso sobre as razões pelas quais não existem provas inequívocas de registros arqueológicos que comprovam o período em que os israelitas permaneceram no Egito, como escravos e cumprindo trabalhos forçados que resultaram na construção das cidades de Pitom e Ramessés (Êxodo 1.11). Mas não é somente isto: ainda faltariam relatos extra-bíblicos sobre a saída do povo hebreu e as pragas que antecederam esse acontecimento.

Normalmente, o argumento que “justificava” essa falta de informações era que os povos antigos não tinham por costume registrar suas derrotas no campo de batalha, apenas as vitórias. Mas o curador do Departamento do Egito no Museu Britânico em Londres (Inglaterra), doutor John H. Taylor, discorda e afirma categoricamente que existem, sim, várias evidências que confirmam o relato bíblico como fato histórico e consistente.

Punidos por pregar Jesus no trabalho

Advertências e demissões por compartilhar o Evangelho já se tornam comuns

Punidos por pregar Jesus no trabalhoAo findar o seu ministério terreno, o Senhor Jesus Cristo deu a sua última ordem aos seus seguidores: “Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações” (Mateus 28.19). Desde então a comunidade cristã se empenha em cumprir essa determinação na qual a Palavra de Deus deve ser divulgada por todo o planeta, através dos meios de comunicação ou mesmo como acontecia naqueles tempos primevos: no contato mútuo entre as pessoas em que o diálogo era a principal estratégia de anunciar a mensagem cristã.

Mas e hoje em dia? Apesar de a liberdade de expressão não ser uma realidade na vida de cada ser humano, devido às constantes perseguições empreendidas por fanáticos religiosos que proíbem a divulgação da Palavra de Deus às demais pessoas, o Evangelho continua sendo difundido por fiéis que secundarizaram seus planos pessoais e a própria vida.

Google Translate »