A mensagem preciosa de vida eterna

mensagemdavidaeterna“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16).

Alguns zombam da esperança dos crentes sobre a vida eterna, outros acham uma ilusão, um escape onde os fracos se apoiam. Todavia, a crença na eternidade permeia as mais diversas religiões. Até mesmo crenças tribais manifestam sua forma de ver a eternidade. Mas, ninguém melhor para falar sobre a vida eterna que Jesus Cristo, pois ele veio ao mundo “para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

Jesus demonstrou o valor da vida eterna em um encontro casual com um homem rico. Temos essa narrativa em Marcos 10.17-22; o homem perguntou para Jesus: “Bom mestre, que farei para herdar a vida eterna? A pergunta dele nos mostra que o clamor da eternidade se faz ecoar até mesmo no coração daqueles que desfrutam das benesses do dinheiro. Pode-se tentar sufoca-lo de muitas formas, mas ele estará sempre ali, manifestando-se vez ou outra. Nessa pergunta também está implícito o conceito equivocado de que a vida eterna é algo que o homem possa alcançar por meio de obras. Quantos não estão iludidos, pensando dessa forma?

Assim como as boas obras, a religiosidade também é insuficiente para dar a vida eterna a alguém. Aquele homem era religioso, mas não tinha a convicção da vida eterna. Ele disse que guardava os mandamentos desde a sua mocidade, mas o tempo vivido dentro da sua religião também não lhe dava essa convicção. Deus oferece ao homem algo mais do que simples prática religiosa. Ele oferece a sua graça por meio de Jesus. As Escrituras são claras ao dizer que: “Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isso não vem de vós; é dom de Deus; não vem das obras para que ninguém se glorie” (Efésios 2.8, 9).

A vida eterna não vem daquilo que o homem possa fazer, mas daquilo que Deus fez, por intermédio de Cristo. Basta o homem crer. O Senhor sabe que o homem não necessita primeiramente de práticas religiosas, mas de transformação interior. Jesus disse a Nicodemos: “Aquele que não nascer de novo não pode ver o reino de Deus” (João 3.3).

O novo nascimento é a ação do Espírito Santo no coração do homem que o leva a uma transformação radical. É a mudança, não apenas de práticas rituais, mas de coração. No novo nascimento, não é o homem que diz como as coisas devem ser ou que regras devem ser seguidas, mas é Deus quem tem o controle, pois “o vento assopra onde quer” (João 3.8). No novo nascimento, a vontade humana é subjugada pela soberana vontade de Deus, assim como Saulo, que ao cair por terra sujeitou-se a Cristo ao dizer: “Senhor, que queres que eu faça?” (Atos 9.6). No novo nascimento, Deus se torna o Senhor da vida do homem. Jesus ocupa o trono do coração e a vida flui de dentro para fora.

O homem rico estava diante da graça de Deus, mas seu coração estava fechado. Jesus toca no cerne do problema daquele homem, que era o seu apego às riquezas, ao dizer-lhe: “Vai, vende tudo quanto tens, dá-os aos pobres e terás um tesouro nos céus, e vem e segue-me”. Vemos, então que embora ele estivesse interessado pela vida eterna, não estava disposto a desfazer-se daquilo que realmente ocupava o seu coração, pois recusou a proposta de Jesus. Na verdade, ele encarava a vida eterna, não como a coisa mais preciosa que poderia ter, mas como algo mais a somar ao que ele já tinha.

A vida eterna é o bem maior que Deus quer dar ao ser humano. Se não encará-la dessa forma, o homem fatalmente jamais vai alcança-la. Jesus contou uma parábola dizendo que “o reino dos céus é semelhante ao homem negociante que busca boas pérolas; e, encontrando uma pérola de grande valor, foi vendeu tudo que tinha e comprou-a” (Mateus 13.45, 46). Vendeu tudo porque encontrou a mais valiosa! Bem diferente do homem rico que não considerou o real valor da vida eterna. O escritor aos Hebreus disse: “Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação” (Hebreus 2.3).

Veja que forma triste termina a narrativa sobre aquele homem: “Mas ele, contrariado com essa palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades” (Marcos 17.22). Ele ficou contrariado com a palavra de Cristo, quando na verdade deveria se sujeitar a ela. Retirou-se triste da presença dAquele que podia lhe dar a verdadeira alegria.

Chegou interessado, saiu amargurado. E tudo isso porque possuía muitas propriedades. Continuaria rico, mas a tristeza permaneceria em seu coração porque não teria o mais importante. Se tivesse atendido ao conselho de Cristo, sentiria a verdadeira alegria no coração. Alegria essa, que as muitas propriedades não podem dar e nem o dinheiro pode comprar: a alegria da vida eterna. Somente os salvos em Cristo podem senti-la. O homem rico fez a escolha dele naquele dia, diante de Jesus. E qual será a sua hoje?

Por, Edvaldo Bueno

2 Responses to A mensagem preciosa de vida eterna

  1. jose disse:

    gracias pr. linda palavra de vida eterna preciso dessas mensagens se o sr. poder nos abencoar o meu email e esse [email protected] paz do nosso senhor e salvador jesus cristo

    • Francisco Wlademir Galvan disse:

      Olá José. Muito bem vindo. No momento não estamos mandado informativos, você terá que voltar ao site para ter acesso aos novos conteúdos. Postamos quase diariamente. Deus abençoe grandemente a sua vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »