Livres no Egito por apenas 30 anos?

Quanto tempo os hebreus passaram escravos dos egípcios – 400 ou 430 anos?

livresdoegitoNa busca em interpretar a Bíblia, sem dúvida, um dos maiores problemas é a questão de datas, o que em alguns casos resulta em discussões acaloradas sobre o assunto. A respeito do tempo de escravidão dos hebreus no Egito, existem duas citações que aparentam ter um problema de data. Na primeira, Deus afirma que o tempo da “peregrinação e escravidão” seria de “400 anos”, ao passo que na segunda, Moisés afirma que “o tempo foi de 430 anos”. Teríamos aqui um problema? Para que haja uma resolução coerente sobre este assunto, devemos partir do princípio de que a Bíblia interpreta a própria Bíblia (2 Timóteo 3.14-17)

A permanência de Israel no Egito durou 430 anos (Êxodo 12.40); a concessão da Lei no Sinai se deu em 1445 a.C. A Lei, na verdade, veio 645 anos depois da promessa inicial de Abraão (2090 a.C.; Gênesis 21.15; 25.26; 47.9), porém a promessa foi repetida a Isaque (Gênesis 26.24) e, mais tarde, a Jacó (1928 a.C.; Gênesis 28.15). A última reiteração conhecida da aliança abraâmica a Jacó ocorreu em Gênesis 46.2-4 (c. 1875 a.C.), pouco antes de ele ir ao Egito – 430 anos antes da concessão da lei mosaica, ou seja, a contagem seria a partir da chegada de Jacó com sua família ao Egito (Gênesis 46).

Teríamos, então, o fechamento dessa questão, ficando em 430 anos de permanência de Israel no Egito. Mas, aparentemente, o problema ainda não se resolveria, porque onde ficaria a Palavra de Deus dada a Abraão de que este tempo seria de 400 anos? Sayão afirma: “Para entender os textos de Atos 7.6; Gênesis 15.13 e Êxodo 12.40 – que são bases para o tema em questão – basta ver qual o propósito do texto. Porque quando lemos Atos 7 e Gênesis 15, os textos estão na verdade comentando sobre outras coisas e mencionam o período de forma genérica, como quem diz: “O povo ficaria no Egito uns 400 anos”. No entanto, no texto de Êxodo 12, o assunto é a permanência, a saída por ocasião da páscoa e a libertação, e nesse caso o texto é mais objetivo e específico” (SAYÃO, 2008).

Já para alguns estudiosos, isso se deu quando Moisés, ao assassinar o egípcio, teve de fugir, atrasando assim o cumprimento do plano de Deus, conforme havia prometido a Abraão (Êxodo 2.11-15).

Na verdade, o que acontece é um arredondamento de datas, porque a ênfase de Gênesis estava sobre a promessa de Deus a Abrão, quanto à sua descendência, e que seriam escravizados antes de herdarem a Terra Prometida, e não sobre o quanto de tempo exatamente ficariam nessa situação.

Israel, ao passar 430 anos no Egito, teve um período de liberdade e paz, e isso em resultado ao que José representou para o Egito; e este tempo durou até o período em que se levantou um Faraó que não conheceu José (Êxodo 1.8). No entanto, não se pode afirmar quanto tempo durou esse período de liberdade e paz no Egito. Além disso, ao fazer a promessa a Abraão em Gênesis 15.13, Deus apresentou três situações a que Israel seria submetido: “peregrino, escravizado e afligido”, e ser “peregrino” não significa necessariamente o mesmo que ser “escravizado e afligido”.

Por, Elias Rangel Torralbo

2 Respostas para Livres no Egito por apenas 30 anos?

  1. a verdade vos libertara disse:

    Só existe um povo que passou por exatos (400) quatrocentos anos de escravidão e foram os negros aqui nas Américas.

    Até hoje nos dizem que essa profecia se cumpriu no Egito mas não tem respaldo nenhuma nas Escrituras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *