A volta para a cidade de Betel

A volta para a cidade de BetelPara esta reflexão, vejamos o que diz o texto de Gênesis 27.18-22: “E foi ele a seu pai, e disse: Meu pai! E ele disse: Eis-me aqui; quem és tu, meu filho? E Jacó disse a seu pai: Eu sou Esaú, teu primogênito; tenho feito como me disseste; levanta-te agora, assenta-te e come da minha caça, para que a tua alma me abençoe. Então disse Isaque a seu filho: Como é isto, que tão cedo a achaste, filho meu? E ele disse: Porque o Senhor teu Deus a mandou ao meu encontro. E disse Isaque a Jacó: Chega-te agora, para que te apalpe, meu filho, se és meu filho Esaú mesmo, ou não. Então se chegou Jacó a Isaque seu pai, que o apalpou, e disse: A voz é a voz de Jacó, porém as mãos são as mãos de Esaú”. Também vejamos o registro de Gênesis 31.13: “Eu sou o Deus de Betel, onde tens ungido uma coluna, onde me fizeste um voto; levanta-te agora, sai-te desta terra e torna-te à terra da tua parentela”.

Deus estabeleceu um plano para abençoar Abraão. As bênçãos prometidas por Deus a Ele seriam cumpridas em Jacó (Gênesis 28.13,14).

Por ter sido vítima de uma trama, Esaú ameaça matar Jacó. Este, orientado, sai da casa de seus pais sem nada possuir, levando somente azeite e cajado (Gênesis 28.18; 32.10).

Mesmo sendo trapaceiro, Deus vai ao seu encontro no deserto de Berseba, e não lhe lança em rosto os seus fracassos, mas lhe faz grandes promessas se Jacó fosse fiel (Gênesis 28.13-15). Aprendamos essa grande lição: Deus não acusa; o acusador é o Diabo. Agora, Deus o havia enriquecido. Jacó tinha família, servos, servas, camelos, ovelhas, gado etc. Então, ele recebe uma ordem de Deus para voltar a Betel (Gênesis 31.3). Jacó compreende que para viver em Betel devia renunciar algumas coisas adquiridas em Padã-Arã, e que ainda conservava com ele e sua família (Gênesis 35.1,2). Ele teria que tirar os deuses estranhos, os ídolos, a vaidade, o orgulho, o interesse próprio, tudo que estivesse ocupando o coração e o espaço que deve ser dado a Deus. Ele devia se purificar, e trocar os vestidos. Na cidade de Betel, só entra quem tiver vestes de salvação. Não entra os que estiverem intrigados com seu irmão. Precisa se reconciliar com Esaú. Quem tiver o nome comprometido também não pode entrar; necessita trocar de nome – de Jacó para Israel! “Ficha Limpa”.

Jacó não se torna apenas Israel (Gênesis 32.27,28). Quando obedecemos à ordem do Senhor, Ele mesmo se encarrega de mudar o coração dos nossos adversários (Gênesis 33.4). Todos nós, em um dia determinado por Deus, devemos voltar à nossa Betel de origem, onde Deus nos espera. Já sabemos o que pode nos impedir de ali entrar. Devemos tirar tudo que impeça. Vivermos em prontidão, preparados para o momento da partida. Pés calçados, lombos cingidos. Maranata! Ora vem, Senhor Jesus!

Por, José Wellington Bezerra da Costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *