Estéril engravida e dá à luz aos 43 anos

Idade e miomas no útero a impossibilitavam de engravidar; médicos recomendaram a ela a histerectomia, mas Deus a fez viver um milagre

Estéril engravida e dá à luz aos 43 anosVanusia Lago, da Assembleia de Deus de Natal (RN), aos 40 anos de idade se via longe de ter suas orações e anseios de construir uma família atendidos. Solteira, com sua mãe já falecida e seu pai morando em outra cidade, ela se sentia sozinha e desamparada. Mas possuía o mais importante: fé em um Deus Todo-Poderoso que faz o solitário habitar em família (Salmo 68.6) e tem o tempo sob seu domínio. De fato, valeu a pena confiar nEle. Para quem pensava que Vanusia não tinha nada, viu em três anos o Senhor lhe dar tudo: um marido servo do Altíssimo, uma casa, a cura em seu ventre e o milagre de gerar um filho, presente chamado Lucas Gabriel.

Vanusia, que hoje congrega ao lado do esposo Valcir Lago na Assembleia de Deus de Natal, Cidade das Flores, setor 39, conta que sua vida mudou a partir de um dia que ela foi com um propósito ao Círculo de Oração.

“Aos 40 anos eu já não tinha mãe, não era casada, nem mesmo namorava. Firmei um propósito com o Senhor. Angustiada, pedi que Ele falasse comigo naquele dia no Círculo de Oração. Nem fui lá para frente, pois cria que se Ele me ouvia, iria me responder mesmo se eu tivesse no último banco. E não deu outra. Usando uma irmã, Ele me disse: ‘Jovem, tenho visto tua petição. Eu não te desamparei. Eu te darei tudo o que tens me pedido’. Quantas vezes eu chorei, quantas vezes eu achei que estava tudo perdido. Mas cri em Deus, porque Ele nada é impossível”, testifica a secretária, hoje também formada em Pedagogia.

Segundo Vanusia, pouco tempo depois disso, o Senhor lhe deu seu varão, e ela brinca que “demorou, mas quando veio, tudo caminhou rápido e de forma abençoada. Valeu à pena esperar”. Em 2014 eles se casaram e logo começaram os desafios. Alguns dos exames pré-nupciais indicaram que Vanusia era infértil, pois além da idade avançada, na época 41 anos, seu útero também estava repleto de miomas, que alteraram o formato do órgão. Médicos diferentes concordaram que o mais recomendável – visando evitar até mesmo um câncer no futuro – seria a histerectomia, isto é, a remoção cirúrgica do útero, que também pode incluir a retirada das trompas adjacentes e do ovário. Imagina o baque que esses recém-casados sofreram.

“Foi muito difícil ouvir aquelas palavras. Mas nem eu, nem meu marido ficamos com ela. Nós cremos no Deus que dá a última Palavra. A médica então disse que começaria um longo processo em que eu precisaria correr contra o tempo, pois meu útero já estava muito alterado. Ela quis me encaminhar para a cirurgia de retirada do órgão, mas eu pedi que o encaminhamento fosse para a maternidade, pois eu tinha fé que meu Deus ainda poderia fazer um milagre”.

Durante os preparativos para a retirada apenas dos miomas, as hemorragias só pioravam e os especialistas alertavam Vanusia que havia o risco dela perder o útero durante o procedimento.

Um dos remédios que ela tomava para diminuir o fluxo de sangue antes da cirurgia lhe deu reações adversas. Então, foi preciso interromper o medicamento por quatro meses – período no qual para a surpresa de toda a junta médica nossa irmã engravidou.

“Fui fazer o exame que confirmou a gravidez numa quinta-feira e antes mesmo que eu pudesse assimilar, na sexta-feira eu perdi o bebê. Fiquei muito triste. Eu questionava: ‘Mas Deus tu me deu, e tu levou. Qual teu propósito nisso?’ Eu não sabia o que pensar, mas busquei na Palavra um refúgio. Eu tinha esperança de que eu teria o meu Isaque. Só pude confiar em Deus, mesmo sem entender”, relembra Vanusia.

Ela testemunha que após o aborto espontâneo, durante seu período de repouso da cirurgia de retirada dos miomas, o Senhor tratou com ela. A fez recordar que sua própria vida era fruto de um milagre. Já que quando ela ainda estava no ventre, os médicos disseram a sua mãe que sua gestação era ectópica (fora da cavidade do útero), raramente levada até o fim e como poderia causar sua morte, recomendavam um aborto legalizado.

“O Senhor me lembrou que a minha vida de fé não é de agora, é desde a minha mãe. Eu sou fruto de fé. Depois do segundo filho disseram a minha mãe que ela nem poderia mais engravidar. E ela engravidou de mim. Mesmo com toda a junta médica recomendando o aborto, minha mãe creu num milagre, assinou um ‘Termo de Responsabilidade’ por sair do hospital sem me abortar. Tudo porque ela creu mais no Médico dos médicos. E hoje lá estava eu, de novo na mesma maternidade em que eu nasci, escandalizando os médicos e glorificando o nome de Jesus”.

Vanusia teve sua fé fortalecida dia após dia enquanto o Deus do impossível lhe falava ao coração. Conclusão, seu útero não só fora preservado após a cirurgia, como também antes mesmo de receber a alta dos seis meses requeridos pelos médicos, já estava gerando o milagre do Senhor. E no dia 19 de agosto de 2015, aos 43 anos de idade, contrariando toda a lógica e ciência humana, sem tratamento algum de fertilização, Vanusia deu à luz ao pequeno Gabriel.

“Aprendi, não só de ouvir falar, que só Deus é o dono da vida. Então, mesmo sem entender, mesmo se você achar que tudo está perdido, creia que aquEle que faz a promessa é fiel para cumpri-la. Mesmo que no caminho você precise perder alguma coisa, confie! Aprenda a se manter crente e fiel mesmo diante da renúncia, da perda, do ‘não’; a valorizar e a ter a certeza que Deus nunca nos deixa. E como diz um hino ‘as coisas que Deus faz são diferentes da que faz o homem’. O homem tem um limite, Deus é o dono do limite. Para Ele nada é difícil ou impossível”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *