Polêmicos filmes bíblicos

Mercado secular investe em filmes bíblicos, mas películas estão longe de serem fiéis à Palavra

Polêmicos filmes bíblicosApós o sucesso de audiência da série “A Bíblia” nos Estados Unidos, vários produtores da indústria cinematográfica procuraram histórias bíblicas para criar seus próximos filmes. O problema é que esses criadores, lamentavelmente, são pouco fiéis ao texto sagrado. Foi assim com longas como “Noé”, de Darren Aronofsky, e “Êxodo”, de Ridley Scott.

A vantagem para a indústria cinematográfica em lançar esses filmes é que são histórias clássicas que atraem o grande público no Ocidente e pelas quais ela não precisa pagar por direitos autorais. Porém, a falta de idoneidade integral dos fatos nos roteiros impede o sucesso de muitos deles. Mesmo assim, os defensores dessa nova tendência no mercado secular continuam enfatizando que as películas que estão produzidas são apenas “inspiradas” na Bíblia, e não fiéis à Bíblia.

A única coisa positiva desses filmes é que levam algumas pessoas que não se interessavam por histórias bíblicas a pesquisá-las. Nos dias que se seguiram ao lançamento do filme “Noé”, por exemplo, o número de pessoas que abriu o capítulo 6 de Genesis apenas em um dos muitos aplicativos da Bíblia existentes para celular (YouVersion) aumentou cerca de 300% nos Estados Unidos e 245% no mundo todo. No site Bible Gateway, o mesmo foi constatado. “As visitas à história de Noé nos capítulos 6 a 9 de Gênesis aumentaram 223% durante o período que o filme esteve em cartaz”, afirma o site.

Os filmes com temáticas bíblicas previstos para estrear este ano nos EUA e talvez no Brasil não são todos eles propriamente histórias bíblicas. São eles Silêncio, A Cabana, Maria Madalena, Pôncio Pilatos, A Segunda Vinda de Cristo e O Caso Cristo, e com eles mais problemas à vista.

Silêncio é dirigido por Martin Scorcese, o mesmo do terrível A Última Tentação de Cristo, de 1988. Ele conta a história de dois jovens missionários que vão ao Japão à procura de um missionário que abandonou a fé depois de anos de tortura.

A Cabana promete ser idôneo ao best-seller escrito por William P. Young, filho de missionários que criou uma história fictícia para explicar o conceito da Trindade e o relacionamento humano com Deus de forma simples e compreensível até para os mais leigos. O problema é que o livro traz uma versão no mínimo polêmica da Trindade, de maneira que, na época em que tentou publicar a história, o livro de Young foi recusado por várias editoras evangélicas, sendo lançado por uma editora secular, tornando-se, assim, um best seller.

Sobre Maria Madalena, seu diretor Garth Davis já afirmou que pretende abordar a vida desta personagem de um ponto de vista “diferente do comumente usado no âmbito religioso”. Como esperado.

Pôncio Pilatos traz a história de Lúcio Pôncio Pilatos desde seus primeiros dias em Roma até o tempo em que ele consente na crucificação de Jesus. O filme não vai focar na condenação de Cristo, mas mostrar como um soldado competente perde a cabeça e como sua arrogância o leva a tomar decisões catastróficas, em uma época em que a cidade o qual se tornou líder enfrentava tensões religiosas em várias instâncias entre os judeus.

A Segunda Vinda de Cristo, cujo conteúdo ainda é bastante ignorado, mostraria a viagem de uma cientista que, no final dos tempos, descobre que a verdadeira fé pode trazer milagres. Por fim, The Case for Christ é baseado na história verdadeira de um jornalista investigativo premiado – e ateu declarado – que aplica suas habilidades jornalísticas e legais para refutar a fé cristã recém-descoberta de sua esposa, “com resultados inesperados que alteram sua vida”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *