Por que muitos pagaram pela culpa de apenas um?

Por que o exército de Israel foi derrotado quando atacou a cidade de Ai, uma vez que foi Acã que cometeu o pecado? A responsabilidade é pessoal. Como entender essa passagem?

Por que muitos pagaram pela culpa de apenas umO povo israelita se relacionava com Deus mediante a aliança que Este estabeleceu com eles. Havia também uma lógica familiar e tribal pela qual a cultura judaica e do Antigo Oriente Médio organizava suas experiências de vida. Para o israelita, a vida existia na medida em que estava ligada a uma família, a uma tribo, ao povo no qual a pessoa pertencia. A identidade da pessoa era definida a partir da família/tribo que ela fazia parte.

O livro de Josué é o desdobramento do projeto de Deus em dar ao povo israelita uma terra. Josué materializou a promessa feita desde Abraão até Moisés. A aliança que Deus fizera com os patriarcas estava sendo cumprida no tempo de Josué. Era o novo momento da história do povo, um novo espaço e uma identidade nacional e territorial estavam sendo conquistados.

A história da derrota no capítulo 7.1-26 ocupa espaço significativo porque é a primeira vez que Israel quebra sua pureza como Nação Santa depois da renovação da Aliança no livro de Deuteronômio. O que está em questão na história é a sinalização que Deus estava fazendo para o povo, advertindo para não ceder as futuras tentações que eles teriam como nação. Por ser o início de um novo período na história de Israel, Deus queria reafirmar de modo claro os princípios da Aliança: obediência, sinceridade e vida comunitária.

No Novo Testamento se repete um episódio semelhante: a história de Ananias e Safira (Atos 5.1-11). A conexão entre as duas histórias é o fato de que, em ambas, Deus estava dando início a um novo tempo: em Josué a posse de uma nova terra e a constituição de uma identidade nacional; em Atos o estabelecimento de uma nova comunidade de fé, o estabelecimento da Igreja. Assim, se percebe que os dois episódios são pontuais na história e não se repetem.

Fica evidente que a quebra dos princípios da Aliança com Israel (Josué) e com a Igreja (Atos) é reprovada por Deus para deixar registrado na memória do povo que o novo momento exigia uma nova mentalidade e nova forma de se posicionar como nação. A morte de Acã e sua casa, bem como de Ananias e Safira, são referências para lembrar ao povo que Deus exige do novo momento novos posicionamentos nacionais, nova mentalidade de cada pessoa e de todas as famílias que estão debaixo da Aliança que Deus estava renovando.

As duas histórias se conectam a partir do princípio de que Deus ao iniciar algo novo com seu povo intervém de modo efetivo para criar memória do que não deveria fazer parte da nova ordem devida debaixo da Aliança. Em ambos os casos o pecado foi contra a Aliança, contra a proposta de vida que Deus estava dando para seu povo. Essa é a gravidade do pecado de Acã. Por isso ele foi fortemente punido por Deus diante do povo para servir de sinalização do que Deus requeria do seu povo: exclusividade na obediência.

Uma das grandes contribuições desse texto para os nossos dias é a apresentação de um modo de compreender a vida e a experiência com Deus a partir da lógica da familiaridade, da comunidade e da interdependência uns dos outros. Essa perspectiva se torna necessária diante de uma cultura contemporânea que caminha cada vez mais para uma excessiva individualização da vida.

Por, Claiton Ivan Pommerening.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *