Apenas a verdade libertará Israel

Apenas a verdade libertará IsraelEm recente entrevista, a atriz principal da trama baseada no relato bíblico sobre a vida de Sansão ressaltou o especial valor do roteiro adaptado, que privilegiou uma “vida humanizada” de Dalila, numa releitura que buscou a inserção da personagem em contexto biográfico ficcionalizado, tentando fugir aos conceitos de herói e vilã, resultando numa apresentação sensível sob o ponto de vista da vida e dos conflitos da mulher, explicando suas atitudes. O que a jovem atriz relatou nada mais é do que a confirmação daquilo que todo estudante da Escritura primeiro pressentiu e, posteriormente, seu telespectador, confirmou. Assim, a alegria primeira, de saber que a Palavra de Deus estaria avançando por um dos veículos de comunicação mais acessíveis, objetivando falar aos que ainda não tiveram a oportunidade de uma experiência transformadora, logo cedeu lugar à frustração de constatar que a mídia nem sempre serve à revelação da verdade; antes, e por muitas vezes, sujeita a realidade, fazendo-a mercê do gosto popular, esmaecendo conceitos e justificando o injustificável.

No Evangelho Segundo João 8.32, podemos conferir as palavras de Jesus quando Ele afirma claramente: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, versículo alentador ao coração de todos os que militam no ensino santo – e haja dedicação, exorta o Espírito, o mesmo que acena aos tais com a recompensa futura. O drama real, nesse caso, é de outra ordem. Ainda que o conhecimento seja declarado como de grande valor ele, por si só, não liberta. O registro joanino não nos diz que conheceremos a verdade e que esse conhecimento nos libertará. A grande influência grega que pesa sobre nós, tecendo nossa vida escolar, permeando a priorização que fazemos das coisas (a ponto de declararmos mortos aqueles que sofreram a chamada “morte cerebral”, e de muitos considerarem de pouco valor a vida de uma criança anencéfala, quando Deus nos diz que a vida está no sangue, e não no cérebro) torna difícil compreender o que o apóstolo nos revela. Conhecimento, mesmo o conhecimento da verdade, não liberta.

Jesus estava plenamente isento de responder à pergunta que lhe fizera Pilatos. Filosoficamente falando, são de maior importância as perguntas, em detrimento das respostas. Uma pergunta mal formulada não merece alcançar resposta. Pilatos deveria, se pudesse, refazer a questão. Tivesse ele perguntado “quem é a verdade?” e talvez ouvisse o Senhor repetir Seu sublime nome e fazer ecoar no coração do governador a excelência que ele possui.

A Verdade é uma pessoa e todo o conhecimento que o homem possa reunir sobre essa divina Pessoa não haverá de libertá-lo. O papel dos ensinadores é proceder um insistente cerimonial de apresentação, estimulando cada um a estabelecer o contato e a aliança remidora. Pudesse o conhecimento libertar e os céus encheriam-se de vozes em coro dos fariseus e saduceus, dos pensadores mais profundos e de meditativos gurus. Os intelectuais bem dotados, privilegiados nessa forma de salvação, comporiam o povo do Senhor.

O povo judeu ama o conhecimento e essa é uma generalização possível pelo testemunho das mães judias estimulando seus filhos na busca pela instrução, nos homens e mulheres insatisfeitos com os diplomas alcançados, sem medo de novos desafios, lançando-se ao aprendizado mesmo em idade avançada. O amor é ainda visto nas calorosas discussões nas “Yeshivot”, nos cafés, nos lares, nas ruas… Todavia, se a falta de conhecimento que não resulta em transformação pessoal através da revelação da pessoa de Jesus embaraça os caminhos da mente – e a mente pecaminosa ama a ficção que justifica seus erros e ensina a fugir do confronto com Aquele que pode, sim, salvar – a saber, o Senhor Verdade.

Por, Sara Alice Cavalcante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *