Os males do mercantilismo do Evangelho em nossos dias

Os males do mercantilismo do Evangelho em nossos diasHouaiss define o mercantilismo como “a propensão a sujeitar ou relacionar qualquer coisa ao interesse comercial, ao lucro, às vantagens financeiras; teoria e sistema de economia política, dominantes na Europa após o declínio do feudalismo, que, baseados no acúmulo de divisas em metais preciosos pelo Estado por meio de um comércio exterior de caráter protecionista, fortaleceram o colonialismo e proporcionaram o desenvolvimento industrial, com resultados lucrativos para as balanças comerciais”.

O mercantilista surgiu na Europa, entre os séculos 15 e 16, quando um conjunto de práticas e medidas econômicas começou a ser usado pelos Estados com os objetivos de unificar o mercado interno e possibilitar a importação e exportação entre os países. Nessa mesma época, já existia também uma forma de mercantilismo religioso, praticado pela Igreja Católica Romana.

No seu best-seller Uma Breve História do Mundo, o professor Geoffrey Blainey afirma: “A igreja reuniu cobradores de impostos profissionais e, assim como as pessoas que hoje ajudam a angariar fundos nas instituições de caridade, eles se encarregam de vender indulgências (…) Martinho Lutero detestava a prática de venda de indulgências, que nada mais eram que pacotes caros pagos pelo perdão. Em 31 de outubro de 1517, na véspera do Dia de Todos os Santos, um dia importante do calendário, afixou seus protestos em latim à porta da igreja do castelo de sua cidade” (Fundamento, página 185).

O termo “mercantilismo”, quando empregado a respeito de igrejas e líderes pretensamente evangélicos, refere-se àqueles que se valem do Evangelho para obtenção de vantagens financeiras ou lucro, o que é, sem dúvida, uma forma condenável de comercialização.

O mercantilismo do Evangelho é visto no oportunismo de pessoas que se aproveitam da facilidade para abrir igrejas a fim de ganharem dinheiro de modo igualmente fácil. Em vez de abrirem uma mercearia ou uma padaria, por exemplo, tais exploradores optam pela comercialização do Evangelho. Ignoram que já existem igrejas bem estruturadas, capazes de formar discípulos de Jesus e acolhê-los, e fundam as suas próprias igrejas-negócios.

Os exploradores da fé aproveitam da liberdade religiosa que vigora no país e da facilidade para abrir uma igreja. São necessários cinco dias úteis e menos de R$ 500,00 em despesas burocráticas para estabelecer uma igreja legalmente, com CNPJ e tudo. É preciso apenas o registro da assembleia de fundação e do estatuto social em cartório.

Infelizmente, boa parte dos programas evangélicos de tevê é mercantilista. Não apresentando conteúdo evangelístico, sua ênfase recai no triunfalismo e na prosperidade meramente financeira, como se isso fosse prioridade do cristão. Seus apresentadores se valem de mensagens “proféticas” e testemunhos de pessoas que teriam recebido vitórias financeiras, mediante os quais sensibilizam os telespectadores a lhes enviarem vultuosas contribuições.

Outro recurso usado pelos mercantilistas do Evangelho é a mensagem de autoajuda, verbalizada mediante a repetição de bordões como: “Ouse sonhar”, “Seja um sonhador”, “Sonhador não morre”, “Não desista dos seus sonhos”. Essa mensagem não se aplica aos servos do Senhor. Às vezes, é preciso desistir dos sonhos, ainda que sejam bons, a fim de agradar a Deus. Davi e Paulo, por exemplo, abandonaram seus excelentes projetos (sonhos) para cumprirem a prioritária vontade do Senhor (2 Samuel 7 e Atos 16.6-10). “Do homem são as preparações do coração, mas do SENHOR, a resposta da boca” (Provérbios 16.1).

Nos tempos do Novo Testamento, já havia pessoas mal-intencionadas, sem compromisso com as Escrituras, interesseiras e sem temor de Deus que vagueavam pelas igrejas cristãs usando o Evangelho para obter lucro (2 Coríntios 11.3-15 e 1 Timóteo 6.9-10). Isso levou o apóstolo Paulo a mostrar aos cristãos de Corinto que ele era diferente desses aproveitadores (2 Coríntios 2.17). Referindo-se aos falsos metres, o apóstolo Pedro também alertou aos crentes da época e a nós hoje, sobre os que mercadejam a fé (2 Pedro 2.1-3).

O mercantilismo do Evangelho consiste no sacrifício das ovelhas em prol de falsos e maus pastores, ao contrário do que disse o Senhor Jesus, em João 10.11: “Eu sou o bom  Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas”.

Por, Ciro Sanches Zibordib

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *