O que existe por trás das leis que querem destruir a família e amordaçar as igrejas

O que existe por trás das leis que querem destruir a família e amordaçar as igrejasA população brasileira cresce pouco mais de 2% ao ano. O crescimento evangélico ultrapassa os 6% ao ano. Pesquisas indicam que em 2010 e 2015 os evangélicos ultrapassarão os 50% da população. Seremos maioria absoluta no país. Elegeremos parte dos deputados estaduais em todos os Estados e os federais também. Teremos a maioria no Congresso Nacional e poderemos administrar esta nação.

Logo, o medo se apodera de muitos setores por causa dos evangélicos. Nosso crescimento assusta. Então, nos perseguem com leis. Se não tivéssemos elegido uma bancada forte de deputados estaduais e federais na legislatura retrasada, hoje seríamos associação, como determinava inicialmente o novo Código Civil. Graças à atuação dos nossos parlamenteares é que conseguimos reverter o que eles haviam feito no Código Civil, enquadrando a igreja na categoria de associação. Aí teríamos que receber todo tipo de gente como membros de nossas igrejas. Se o pecado entrar na igreja, este será o seu fim. O que eles queriam, por força de lei, era mudar a igreja, empurrando o pecado para dentro dela. Nosso empenho e luta foram coroados de sucesso porque conseguimos mudar o Código Civil no que tange à igreja. Não satisfeitos, inclinaram-se para uma lei do meio ambiente, proibindo que usemos o som acima de 55 decibéis. Isso representa o som dentro de uma sala apenas. Querem que todos os templos religiosos usem 55 decibéis e, por isso, as igrejas estão sendo multadas e têm o som lacrado pelo Ministério Público em todo território nacional.

O Estatuto da Cidade proíbe a construção de novos templo religiosos ou ampliações sem a participação dos vizinhos. Isso é uma cópia da lei de Mao Tse Tung. Quando o “Grande Timoneiro” quis destruir as igrejas na China, ele elaborou leis semelhantes para seu país. Foi ele também o autor do termo “Partido”, o partido único onde o governo domina os deputados e os deputados são obrigados a fazer o que o governo quer. Hoje, eles querem fazer uma lei no Brasil chamada “Reforma Política Partidária”, e não explicam aos brasileiros o vem a ser isso. Então , o que é? O que é a “Cláusula de Barreira”, que eles não querem dizer? Ela significa acabar com os partidos pequenos, aqueles que não alcançarem 5% dos votos em nove Estados do Brasil. Esses partidos serão eliminados, porque temos hoje cerca de 27 partidos. Neles é que surgem as novas lideranças. Eliminado os pequenos partidos, eles têm o segundo golpe guardado, que é o “Voto em Lista”, também não explicado ao povo.

Quem se lembra qual era o partido de Carlos Lacerda, o de Getúlio Vargas e o de Juscelino Kubitschek? Nem todos nos lembramos, mas todos conhecemos esses homens, porque sempre votamos no homem, mas agora eles querem que se vote no partido. Ele querem fazer o partido apenas da forma deles, porque no voto em lista só se vota no partido e não no deputado. O mais incrível de tudo isso é que quem indica o candidato e sua posição é o próprio partido. É ele quem diz quem vai ser o número 1, o número 2, o número 3 e assim por diante. Se, por exemplo, eu e você formos candidatos, e se você tiver um milhão de votos, mas estar embaixo na lista, e eu tiver apenas um voto e estiver em primeiro lugar na lista do partido, eu serei eleito porque o partido me indicou para ser o primeiro. Será que é isso que nós queremos?

Eles querem fazer uma cúpula de apenas seis ou, ou no máximo, oito partidos; querem definir quem será eleito por eles; e não querem que os evangélicos participem da política. Querem os votos dos evangélicos para elegerem seus nomes, mas não a participação dos evangélicos na política. Querem o “voto em lista” para colocar os evangélicos no final da fila e não na cabeça, porque sabem que a porcentagem de evangélicos está crescendo dentro da população, podendo eleger um número cada vez maior de representantes que defendam os valores desse segmento. Eles sabem que podemos até mesmo, num futuro breve, alcançar o poder desta nação e administrar a riqueza que Deus deu ao país. Eles sabem que não queremos comungar com os ideais do espírito do anticristo, por isso querem nos banir da política. O anticristo conhece o Senhor Jesus Cristo. O anticristo conhece a Igreja e sabe que nós jamais aceitaremos os atos e os planejamentos dele. Definitivamente, não!

A nossa nação está caminhando para ser uma potência mundial neste século nos próximos 30 anos, e será uma nação majoritariamente evangélica. Eis a nossa pergunta: É isso que queremos para a nossa nação – comungar com o espírito do anticristo? Vamos aceitar isso? A Bíblia diz: “Resisti ao diabo e ele fugirá de vós”. Não podemos nos dobrar diante do avanço do mal.

Mas, como o anticristo pode dominar uma nação? Corrompendo os políticos, mudando as leis do país no Congresso Nacional, aprovando até cópias de leis de ditaduras comunistas para porem em um país democrático, como eles querem fazer aprovando a “Cláusula da Barreira” e o “Voto em Lista”. Não podemos aceitar isso. As igrejas crescem? Eles fazem leis contra as igrejas. Querem empurrar o homossexualismo para dentro dela, fazendo leis que proíbem os pregadores de se manifestar contra o pecado. Não aceitam nenhum projeto de resgate para o homossexual. Recentemente, fiz um projeto de lei no Rio de Janeiro para que o Estado criasse um programa de ajuda psicológica para as pessoas que quisessem deixar o homossexualismo. A imprensa me apresentou como um inimigo dos gays e um perseguidor, quando a minha proposta estava voltada apenas para pessoas que desejam abandonar o homossexualismo. Eles interferiram no Conselho Federal de Psicologia para punir qualquer psicólogo que ofereça seus serviços para alguém que deseja abandonar a sodomia. Dessa forma, o suicídio acaba sendo a terrível alternativa para essas pessoas, quando não se tornam usuários de drogas por não desejarem mais enfrentar seus problemas.

Querem aprovar a lei do aborto, ou seja, decretar a morte de alguém que sequer tem a capacidade de se defender. Querem tirar-lhes o direito à vida. Eles usam os políticos para esse objetivo. Os defensores da Lei do aborto estão aí. A união civil homossexual é uma ataque à primeira instituição criada por Deus, a família. É justamente o espírito do anticristo que está por trás de tudo isso, com o desejo de dominar as nações por meio da elaboração de leis contra Deus. É nosso dever resistir a esse tipo de pressão. Os cristãos não podem, de forma alguma, aceitar essas leis perversas.

Antes que aconteça o Arrebatamento da Igreja, nós não vamos entregar a nossa nação.

Por, Édino Fonseca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *