Crentes conformados com o mundo

Crentes conformados com o mundoO apóstolo Paulo, escrevendo em Romanos 12.2, diz- -nos: “E não vos conformeis com este mundo”. Vale salientar que a expressão traduzida por “mundo” nas Sagradas Escrituras tem três expressões com significados diferentes na língua grega; neste caso, a expressão mundo não é Kosmos, que na Septuaginta tanto significa os exércitos do céu (universo) (Gênesis 2.1) como tem o significado de adorno. Assim, esta expressão fala da beleza e da organização do universo. Também não é a expressão Oikouméne, que significa o planeta terra habitado.

O mundo que o apóstolo Paulo se refere em Romano 12.2 é, no grego, aeon, que a Bíblia Almeida Atualizada foi feliz em traduzir por “século” e refere-se basicamente a uma noção temporal e não tanto espacial. Na Bíblia, essa expressão aparece como tempo (aeon) presente, como no versículo em apreço, e como tempo (aeon) futuro (Marcos 10.30). Em Gálatas 1.4, Paulo diz-nos que o século presente é mau e em 2 Coríntios 4.4 revela-nos que o mesmo século tem como deus e dominador Satanás. É aí que o apóstolo dos gentios nos recomenda a não nos “conformarmos”. No grego, conformar-se é schema e significa que não devemos entrar nessa fôrma, forjada pelo inimigo de nossas almas, ou seja, não devemos entrar no seu esquema. É como nos diz a paráfrase de Phillips: “Não permitam que o mundo ao redor os force a se encaixarem nos seus moldes”.

O esquema do Inimigo

O teólogo Russel Champlim, há cerca de quatro décadas, já dizia: “A conformação com o século presente tornou-se tão comum entre os crentes que quase não se pode mais estabelecer a distinção entre a Igreja Cristã e o mundo. A igreja exibe as suas modas mundanas no vestuário, na música, nos maneirismos, nos padrões morais, nas ambições, nos alvos e nos costumes diários”.Observe que ele falou isso quando o poder de influência da mídia era bem insignificante à vista de hoje.

Willian MacDonald esclarece: o século (literalmente “era”, também traduzido por mundo) se refere aqui à sociedade ou ao sistema elaborado pelo homem na tentativa de obter a felicidade sem Deus. É um reino contrário a Deus. O deus e príncipe deste mundo é Satanás (2 Coríntios 4.4; João 12.31; 14.30; 16.11). Todos os incoversos são seus súditos. O mundo tem políticos, arte, música, religião, entretenimento e modo de pensar e viver próprios, e procura conformar todos à sua cultura e aos seus costumes.

O mundo odeia todos os dissidentes como o Senhor Jesus e seus seguidores. Observe que, pelo fato de o cristão ser orientado pela Palavra de Deus, o mundo o odeia (João 17.14). Donald Stamps, autor das notas da Bíblia de Estudo Pentecostal, nos esclarece sobre o que significa o sistema deste presente século: “Satanás usa a profissão médica para promover a matança de nascituros, a agricultura para produzir álcool e narcóticos; a educação para promover a filosofia de humanista, a comunicação em massa para destruir os padrões divinos de conduta”.

Cristãos influenciados pelo mundo

Lamentavelmente, muitos cristãos “amoldaram-se ao padrão deste mundo” (NVI); pois alguns já permitem o namorado dormir com a filha em casa, afirmando que é melhor assim do que passarem a noite fora; casamentos e aniversários de muitos já são regados com bebidas alcoólicas e música profana; para se conseguir lucro ou posição usa-se fraude, mentira, calúnia e todo o tipo de ações sórdidas. Não importa, prevalece o ensino de Maquiavél: “Os fins justificam os meios”. Já há jovens cristãos fazendo parte de torcida organizada e muitos políticos cristãos agem do mesmo modo dos seus colegas incrédulos. Shows gospel, em sua maioria, não têm diferença dos shows mundanos e a liturgia de muitas igrejas tem no púlpito animadores de palco, de maneira que o que menos parece é com um culto a Deus. Em nosso meio, alguns líderes estão imitando as igrejas-empresas que fazem da religião uma mercadoria de consumo e quando alguém contesta que o Evangelho de Cristo pregado pelos apóstolos não era assim, eles dizem: “O que importa não é o que é certo, mas o que dá certo!”. Em muitos lugares, os cristãos estão se divorciando, não pelos motivos da orientação bíblica, mas a seu bel prazer, do mesmo modo das pessoas do mundo.

Paulo nos adverte que o mundo estava crucificado para ele e ele para o mundo (Gálatas 6.14). Apesar da expressão aqui “mundo” ser kosmos no Novo Testamento grego, obviamente trata-se de uma metonímia onde a palavra que representa o continente substitui o conteúdo, pois no mundo kosmos está o mundo aeon; não somente nessa referência como em outras que tratam do mundo hostil aos crentes, como no capítulo 17 do Evangelho de João e em sua primeira epístola.

Como tornar-se imune à influência do mundo

A Bíblia Sagrada Africana foi feliz em traduzir (Romanos 12.2b) assim: “Não vos acomodeis a este mundo. Pelo contrário, deixai- -vos transformar adquirindo uma nova mentalidade”. Aqui o crente é o agente passivo que se deixa transformar e Deus (por inferência) é o agente ativo que provoca a transformação da mente. Isso coaduna com 2 Coríntios 3.18 que diz-nos que o agente transformador é o Espírito Santo: “Somos transformados de glória em glória, na mesma imagem como pelo Espírito do Senhor”. Desde a nossa conversão, o Espírito Santo age em nossas vidas. Ele nos convence do pecado (João16.8), Ele nos faz nascer de novo (João 3.6) e como vimos em 2 Coríntios 3.18. Ele produz em nós a transformação paulatina (de glória em glória) até chegarmos a “varão perfeito” (Efésios 4.13).

Podemos fomentar essa renovação da mente pelo emprego dos meios da graça: o estudo diário das Escrituras com a devida meditação (quando Deus fala aos nossos corações) (Salmos 1.2), a prática constante da oração (1 Tessalonicenses 5.17), a prática da lei do amor (1 João 4.7,8), o uso dos dons espirituais que servem para a edificação (1 Coríntios 14.4) e sempre ir à igreja para receber a ministração de homens que têm dons ministeriais dados por Cristo para que sejamos aperfeiçoados, edificados, recebamos conhecimento e cresçamos à medida da estatura completa de Cristo (Efésios 4.11-13).

Quando nossa mente é renovada pela ação do Espírito de Deus, não somos mais dirigidos pelo príncipe deste mundo, mas pela vontade de Deus. Por isso o Senhor Jesus nos ensinou a orar ao Pai: “Seja feita a tua vontade”. O mais glorioso disso é que experimentaremos que fazer a vontade de Deus não é um peso, mas, sim, moralmente bom, psicologicamente agradável e, como nos diz David Stern, na prática “fadada ao êxito”, capaz de alcançar o objetivo, do grego teleion, traduzido muitas vezes por “perfeita”.

Conclusão

Apesar de estarmos cercados pelo pecado que tão de perto nos rodeia (Hebreus 12.2b), pecado este produzido por este mundo (século) com seu poder influenciador, a Bíblia nos revela que, mesmo ainda aqui, já podemos receber virtudes do século vindouro (Hebreus 6.5). Isso significa que Deus pode dar-nos, antecipadamente um pouco da glória, justiça e santidade que iremos desfrutar no (aeon) século futuro. Soli Dei Gloriae.

Por, José Orisvaldo Nunes de Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *