A realização dos sonhos

A realização dos sonhos“Para que Ele vos conceda conforme as riquezas da Sua glória, que sejais robustecidos com poder, pelo Seu Espírito no homem interior; que habite Cristo pela fé em vossos corações, sendo vós arraigados e fundados em amor, a fim de poderdes compreender com todos os santos qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que sobrepuja a ciência, para que sejais cheios até a inteira plenitude de Deus” Efésios 3.16-19).

Vários livros e palestras de auto-ajuda têm destacado uma questão que encanta muita gente. Nesse mesmo barco têm estado a bordo muitos pregadores que insistem em cativar seus ouvintes com promessas e mais promessas. A corrida, a disposição e o empenho na busca da realização dos “seus sonhos”.

Entendo que a linguagem é figurada e que todo ser humano precisa de motivação para ir ao encontro das conquistas na vida. Por outro lado, porém, tem havido certo exagero que infelizmente atinge muitos crentes, quando sem fundamentação Teológica passam a acreditar que os que têm promessa de Deus nem morrer não morrem. Se criam novos litúrgicos, busca-se exemplos na história dos personagens bíblicos e de forma desenfreada a uma preocupação em satisfazer a concretização dos “sonhos” dos irmãos. Na maioria das vezes culminando em frustração.

É certo que nas Sagradas Escrituras, encontramos promessas de bênçãos por parte do Senhor que precisam ser entendidas dentro do contexto de cada disposição; segundo a medida de fé e conforme o propósito de Deus particularmente a cada servo Seu.

Entendo que ao invés de “sonhos” deveríamos pensar em ideais; com fé nas promessas e com a racionalidade de planejamentos.

Jesus disse: “Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a calcular a despesa, para ver se tem com que acabar? Para não suceder que tendo lançado os alicerces e não podendo acabar, todos os que a virem comecem a zombar dele, dizendo: Esse homem começou a edificar e não pode acabar. E qual rei, que indo entrar em guerra com outro rei, não se assenta primeiro e consulta se, com dez mil homens, poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? Se não, enquanto o outro ainda está longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo-lhe condições de paz” (Lucas 14.28, 32).

Este planejamento proposto está inserido na ideia da eventualidade de haver renúncia a algum “sonho” quando necessário.

No sentido psicológico os sonhos são pensamentos simbólicos; em contraste com o pensamento operante dos estados de vigília. Para Freud, são os desejos reprimidos guardados no inconsciente e que se manifestam em símbolos oníricos.

Na Bíblia há citações onde Deus faz revelação de fatos por meio de sonhos, isto é, Ele os instrumentaliza para comunicar uma mensagem.

Num paralelo com os “sonhos” e “fantasias” das pessoas, podemos repetir que quem sonha demais é porque dorme demais.

O crente, a despeito de carecer profundamente das misericórdias, e bênçãos do Senhor, deve viver em estado de alerta para não ser ludibriado com propostas mirabolantes e “sonhos” irrealizáveis.

Quando um ideal de vida Cristã é planejado se inclui nesse ideal, a possibilidade dos espinhos no caminho, a necessidade de paciência no aguardo de alguma resposta, a esperança como elemento motivador, e a fé que é a substância das coisas esperadas e a prova das coisas não vistas (Hebreus 11.1).

Se o ideal é prosperar financeiramente há de se levar em conta a capacidade administrativa de cada um, as condições econômicas do país, o momento certo e a quantidade do investimento, e até mesmo a idade do investidor, bem como a maneira que o mesmo desenvolve suas relações humanas para se ter noção se o projeto é de curto ou longo prazo.

Adquirir bens ou propriedades também tem sido a tônica de muitas pregações quando se fala nos “sonhos” da vida. Mas no desafio de servir a Cristo estas coisas não são reputadas como prioridades. “Um homem disse-lhe do meio da multidão: Mestre manda a meu irmão que reparta comigo a herança, mas Ele lhe respondeu: Homem, quem te constituiu juiz ou partidor entre vós? Disse ao povo: Olhai e guardai-vos de toda avareza, porque a vida de um homem não consiste na abundância das coisas que possui” (Lucas 12.13-15).

Se o projeto é a conquista de mais espaço social, político, ou crescimento dentro da empresa, o Senhor pode sim, abençoar. Porém o preparo humano também precisa estar presente. O crente não pode pensar que tudo é milagre e “sonhos de Deus”.

O Antigo Testamento registra a grande destreza de Davi quando usou cinco pedras do ribeiro para nocautear o gigante Golias. Certamente ele, enquanto pastoreava as ovelhas, sabendo dos perigos eminentes não se descuidava no treinamento com sua arma predileta. Assim é ainda hoje. O crente que busca orientação e graça Divina para ser bem sucedido não pode negligenciar no projeto para as conquistas desejadas, iludindo-se com a ideia de que os “sonhos” são realizados somente por que Deus quer.

Ninguém precisa abrir mão dos seus esforços, como que desistindo da vida e ficar apenas esperando os cuidados de Deus: “Se o Senhor não edificar a casa em vão trabalham os que edificam” (Salmos 127.1). E, por outro lado, ninguém precisa pensar que o Senhor não fica ausente dos ideais que nos trazem bênçãos e glorificação do Seu nome: “Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará” (Salmos 37.5).

Acima de tudo, porém que o ideal do crente seja sempre fortalecido nesta linha de raciocínio do apóstolo Paulo: “A nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador e não nos desviemos o nosso olhar dele” (Filipenses 3.20).

“Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mateus 6.19-21).

Por, Paulo Gonçalves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *